COTAÇÃO DE 19/04/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5500

VENDA: R$5,5510

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,5400

VENDA: R$5,7130

EURO

COMPRA: R$6,7043

VENDA: R$6,7067

OURO NY

U$1.771,25

OURO BM&F (g)

R$317,44 (g)

BOVESPA

317,44

POUPANÇA

0,1590%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

exclusivo Negócios Negócios-destaque

Acordo deve acelerar integração da indústria automotiva no Brasil

COMPARTILHE

Novo acordo também prevê equalização das regras de origem entre Brasil e Argentina | Crédito: Divulgação

O acordo automotivo no âmbito do Mercosul assinado por Brasil e Argentina no ano passado, com vistas à liberação completa do setor até 2029, quando entrará em vigor o acordo com o bloco e a União Europeia, promete não apenas impulsionar a integração da indústria automotiva e de autopeças com outros blocos econômicos, mas também fortalecer a cadeia produtiva mineira.

A avaliação é do Consultor de Negócios Internacionais do Centro Internacional de Negócios (CNI) da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), Alexandre de Brito. Segundo ele, o documento prevê, entre outros pontos, o livre-comércio de veículos e autopeças em 1º de julho de 2029 – nove anos depois do previsto pelo entendimento anterior, o que resultará em ganhos para ambas as nações.

PUBLICIDADE

“A maneira como foi estabelecida é boa, pois estabeleceu um cronograma que fornece segurança e estabilidade jurídica, a partir de um comércio expansivo. Além disso, definiu o coeficiente de importação e exportação para os países nos próximos anos, fazendo com que essa abertura do comércio ocorra de maneira administrada”, explicou.

É que o acordo também prevê um aumento gradativo do chamado “flex”, múltiplo que regula o comércio de veículos e peças entre os dois países. Hoje está em 1,5 para cada US$ 1,50 exportados do Brasil para a Argentina, os argentinos podem enviar US$ 1 aos brasileiros.

Com o novo entendimento, esse indicador sobe para 1,7 e avança gradativamente até 3,0 perto do fim da vigência do tratado. O novo acordo também prevê equalização das regras de origem (percentual de peças nacionais nos carros) entre Brasil e Argentina ao acordo entre Mercosul e União Europeia até 2027.

“Antes era de 40% importada e 60% nacional. Agora será meio a meio, o que contribui para a integração produtiva e maior liberalização do comércio entre os países, ampliando as possibilidades das empresas de importar peças e agregar valor aos produtos antes de exportá-los para a Argentina”, comentou.

Outra diferença entre o acordo atual e o novo é o tratamento para veículos híbridos e elétricos. Hoje não há tratamento diferenciado. Automóveis, ônibus e caminhões híbridos e elétricos serão beneficiados.

O novo acordo entre Brasil e Argentina foi firmado considerando o fim da prorrogação da vigência do Trigésimo Oitavo Protocolo Adicional ao Acordo de Complementação Econômica nº 14; a necessidade de aprofundar a integração produtiva entre os países; a importância da previsibilidade e da segurança para a atração de investimentos; a determinação de ambos em impulsionar a integração da indústria automotiva regional com outros blocos econômicos; a premência em elevar os níveis de competitividade, qualidade, segurança e eficiência energética do setor; etc.

Procurada, a Fiat Chrysler Automóveis (FCA), com planta em Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), comentou, por meio de nota, apenas que o “o decreto aprova no âmbito interno do Brasil o acordo bilateral, que já havia sido aprovado pelas autoridades argentinas. O decreto dá operacionalidade ao acordo bilateral estabelecido ainda em 2019, que regulamenta o fluxo comercial do setor automotivo entre Brasil e Argentina, flexibilizando os volumes de intercâmbio em patamares até chegar o livre comércio em 2029”.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!