Araujo: antes de ir para outro estado, ainda temos muitas cidades para chegar em Minas | Crédito: Maria Tereza Correia

A longa e bem-sucedida experiência do sócio-proprietário da rede de supermercados Verdemar, Alexandre Poni, e do presidente da Drogaria Araujo, Modesto Araujo, não livrou os empresários de uma sensação de angústia quando a pandemia de Covid-19 chegou ao Brasil.

Poni comanda uma rede com 15 lojas em Belo Horizonte e Nova Lima, na Região Metropolitana, com 27 anos de história. Araujo, por sua vez, lidera 250 lojas no Estado, de uma empresa com 114 anos de tradição.

Durante o seminário on-line “Araujo e Verdemar compartilham ações e insights em inovação e excelência”, realizado pela LZ Mkt e Negócios, eles compartilharam histórias, soluções e inovações de dois dos maiores players do varejo mineiro.

Os planos de expansão continuam, porém, revisados diante de tantos impactos sanitários e econômicos trazidos pelo Covid-19. Valorização e aceleração do digital e atenção e cuidado com as pessoas que fazem parte da cadeia de valor dessas empresas não eram novidades, mas ganharam ainda mais peso na gestão das duas empresas que são líderes estaduais em marketshare nos seus respectivos setores.

“Sempre digo que em tempos de crise a gente tira o ‘s’. Temos criados muita coisa boa, tornando a nossa empresa cada vez melhor e maior. Já tínhamos uma boa presença no digital e reforçamos ainda mais isso porque as pessoas estão com medo de sair de casa. Mesmo estando de portas abertas, precisamos atender quem está dentro de casa. O drive-thru, por exemplo, é uma outra iniciativa que deu certo na ideia de atender as pessoas dentro das suas necessidades”, explicou Araujo.

“Esse é um momento sem precedentes e muito triste. É muita apreensão, incertezas e um pouco de medo todos os dias. Não sabemos a que ponto podemos chegar. Estamos nas mãos de governos que não conseguem se entender. Todo dia percebemos que temos uma responsabilidade muito grande porque estamos com nossas empresas abertas e nossos colaboradores são, cada vez mais, heróis. Com 4,5 mil funcionários não tivemos nenhuma contaminação, isso é um alento, mas não deixa de ser um medo. Temos que pensar em um dia após o outro. Torcendo para tudo dar certo, mas tristes vendo tantas pessoas, outros empresários e setores, sofrendo tanto”, refletiu Poni.

Estamos com as lojas abertas e nossos colaboradores são, cada vez mais, heróis, afirmou Poni | Crédito: Picasa

Fase piloto – Em um setor menos afeito ao e-commerce, o supermercadista antecipou planos que já estavam no radar, mas ainda sem data. Essa semana a plataforma “Verdemar Até Você” foi colocada no ar para testes. Consumidores dos bairros Belvedere, Lourdes e Sion, na região Centro-Sul, já podem fazer suas compras on-line e receber os produtos em casa. O mix à disposição reúne 13 mil itens e não contempla os produtos de padaria produzidos nas próprias lojas.

“O desafio é muito grande. Consultei muitos colegas do setor e grande parte não tem e-commerce ou faz de forma incipiente, apenas para ‘experimentar’. Em 38 dias, conseguimos fazer todo o sistema e agora estamos testando, aprendendo. Logo poderemos ofertar todos os nossos produtos e ampliar a área de entrega”, prometeu o sócio do Verdemar.

Ao mesmo tempo que inovam, as duas empresas continuam crescendo. Novas 44 unidades da Drogaria Araujo estão previstas para ser abertas no Estado ainda em 2020. Já o Verdemar planeja mais cinco ou seis lojas nos próximos anos na Capital e região metropolitana.

Para ambos, o grande desafio é continuar expandindo sem perder a cultura que tanto caracteriza as duas marcas. Por isso, a ida para outros estados é, ainda, estudada cautelosamente.

“A logística é um grande dificultador para a expansão. Crescemos em espiral para garantir o abastecimento das lojas. Antes de ir para outro estado, ainda temos muitas cidades para chegar em Minas”, pontuou o presidente da Drogaria Araujo.

“Manter a cultura é o desafio de crescer. Ainda temos oportunidades em BH. Em uma loja Verdemar são 300 funcionários. Não é simples treinar, ensinar cuidados com a segurança alimentar. Criar um negócio, um conceito, não é fácil. E é fundamental inovar preservando os valores que nos trouxeram até aqui”, completou Poni.