COTAÇÃO DE 07/12/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6180

VENDA: R$5,6180

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6500

VENDA: R$5,7830

EURO

COMPRA: R$6,3427

VENDA: R$6,3451

OURO NY

U$1.784,35

OURO BM&F (g)

R$323,23 (g)

BOVESPA

+0,65

POUPANÇA

0,5154%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Negócios
Crédito: Divulgação

As duas unidades em funcionamento em Minas Gerais são apenas o começo do plano de expansão da Casa Bauducco no Estado. Instaladas no Diamond Mall, na região Centro-Sul, e no Aeroporto Internacional de Belo Horizonte (BH Aiport), em Confins, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), elas devem se multiplicar.

Em 2020 deverão ser mais três unidades na RMBH e cidades como Uberlândia, no Triângulo, e Juiz de Fora, na Zona da Mata, também estão no radar da marca para o ano que vem.

PUBLICIDADE

De acordo com a diretora de Expansão e Franquias da Casa Bauducco, Renata Boock de Freitas Rouchou, o plano faz parte de uma estratégia nacional que prevê a abertura de 25 novas unidades para o ano.

Atualmente, a rede conta com 60 lojas em operação e pretende alcançar 85 lojas até o fim de 2019. A meta é alcançar 300 lojas distribuídas pelo País até 2024. Em receita, a companhia cresceu 62% no ano, saindo de R$ 37 milhões em 2017 para R$ 60 milhões em 2018.

“Minas Gerais é um mercado muito importante e ao qual vamos nos dedicar com mais intensidade a partir de agora. Buscamos oportunidades não apenas em shopping centers como em pontos diferentes como prédios comerciais e hospitais, por exemplo”, explica Renata Rouchou.

O forte ritmo de crescimento da marca – que há um ano tinha 20 unidades – merece um conjunto de motivos para explicá-lo diante de um mercado competitivo e uma crise econômica que tem freado investimentos maiores. O investimento médio para a abertura de uma unidade é de cerca de R$ 500 mil, em média.

Além de ser considerada uma love branding, segundo a executiva, a casa oferece um dos maiores faturamentos/ano da categoria por unidade. “A marca Bauducco liga a questão emocional à qualidade do produto e isso é um grande valor. O nosso segmento de cafeteria/empório, com um tíquete médio relativamente baixo, é resiliente à crise.

Muitas vezes as pessoas deixam de frequentar um restaurante à la carte mas continuam indo à cafeteria como forma de compensação. E, por fim, temos trabalhado o nosso modelo de negócio, abrindo em novos pontos, oferecendo diferentes formatos (lojas e quiosques) e criando outras oportunidades para os nossos franqueados, como um carrinho que ele pode levar para outros espaços, possibilitando a venda adicional fora da loja”, destaca a diretora de Expansão e Franquias da Casa Bauducco.

Projeto-piloto – Acompanhando esta dinâmica do modelo de negócio, a rede também traz uma novidade para os franqueados este ano. Em fase de testes, o projeto-piloto do Tuk Tuk Casa Bauducco já começou a operar. O modelo é um Tuk adaptado para comercializar 70% dos itens da loja.

Ao mesmo tempo em que avança sobre o mercado nacional, a Casa Bauducco já mira os países da América do Sul. A primeira unidade será inaugurada em novembro em Lima, capital do Peru. O país foi escolhido por apresentar o segundo maior consumo de panetone per capita do continente, atrás apenas do Brasil.

“Essa unidade será um teste para nós. Toda internacionalização tem que ser feita com muito cuidado. A escolha do Peru se deu por esse traço cultural. Vamos estudar a reação dos consumidores peruanos para depois fazermos um planejamento para o Continente”, antecipa a gestora.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!