A SolarVolt já comercializou mais de 450 projetos de energia fotovoltaica, a maior parte em Minas Gerais | Crédito: Divulgação

Fundada em 2013, a mineira SolarVolt Energia, especializada no desenvolvimento de soluções e projetos completos de energia solar fotovoltaica, prevê faturamento de R$ 62 milhões neste exercício. Caso confirmado, o desempenho representará avanço de 30% sobre o resultado de 2019, que foi de R$ 48 milhões.

A perspectiva de receita foi traçada no início deste exercício, antes da chegada do novo coronavírus ao Brasil. E, mesmo com os impactos sentidos nos primeiros meses da doença no País, a empresa conseguiu manter a expectativa e já voltou a apurar números positivos no negócio.

As informações são do sócio-diretor da SolarVolt, Gabriel Guimarães. Segundo ele, o que mudou com a pandemia foi o perfil dos clientes. Com as medidas de distanciamento social e a modalidade de trabalho em home office adotada por grande parte das empresas, houve crescimento na demanda vinda do segmento residencial, enquanto as áreas comercial e industrial apresentaram baixa.

“Isso ocorreu principalmente entre abril e maio. Agora, com a flexibilização na maioria das cidades, já temos observado a demanda crescer nestes setores outra vez, assim como no agronegócio, que tem sido a mola propulsora da economia brasileira neste exercício”, explicou.

Em 2020, estamos com 250 projetos, afirma Guimarães | Crédito: Divulgação/SolarVolt Energia

Potência instalada – A empresa já instalou mais de 50.000 kilowatts-pico (kWp) de sistemas fotovoltaicos conectados à rede, em 10 estados brasileiros e já comercializou mais de 1200 projetos. Está presente em mais de 160 cidades, sendo a maior parte dos negócios em Minas Gerais.

Entre os novos projetos atendidos, Guimarães citou o novo Centro de Distribuição (CD) da Tambasa, em Montes Claros (Norte do Estado); colégios, como o Santa Dorotéia e o Santo Antônio; a Laticínios Curral de Minas, entre outras. “Todos esses clientes estão em busca de custos operacionais mais baixos, a fim de garantir a saúde de seus negócios”, destaca o diretor, revelando ainda que grandes companhias como Itaú, Natura, Petrobras e Unimed também integram a carteira.

Segundo ele, a partir de uma conta de R$ 250 já é possível instalar um painel solar e ter uma redução de 50% a 95% nas despesas com a conta de luz. “A maioria dos nossos projetos é instalada na própria área do cliente, mas este ano temos observado uma grande procura por parte de investidores que buscam maior rentabilidade diante do cenário de juros baixos”, completou.

Apenas em 2020, serão 300 projetos entre implantados ou em construção, num total de 20 megawatts de potência instalada.

Ainda em relação aos projetos deste exercício, Guimarães falou sobre o investimento na expansão da sede da empresa, localizada em Nova Lima, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH). Embora o valor não tenha sido revelado, ele disse que a área corporativa passou a ocupar um espaço de 500 metros quadrados e o volume de funcionários dobrou, chegando a 60 diretos e mais de 100 indiretos.

Outro destaque de 2020, conforme o diretor, está na avaliação da atuação em outras linhas de negócios, como mercado de armazenamento de energia e a comercialização no mercado livre. “Estamos sempre em busca de inovações para melhor atender aos nossos clientes”, destacou.