COTAÇÃO DE 24/09/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,3430

VENDA: R$5,3440

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3800

VENDA: R$5,5030

EURO

COMPRA: R$6,2581

VENDA: R$6,2594

OURO NY

U$1.750,87

OURO BM&F (g)

R$301,00 (g)

BOVESPA

-0,69

POUPANÇA

0,3012%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

exclusivo Negócios Negócios-destaque

IBGC-MG discute em Belo Horizonte importância da segurança cibernética

COMPARTILHE

Proteção de dados não tem a ver com tecnologia da informação, mas com governança corporativa | Crédito: Hugo Cordeiro

O Instituto Brasileiro de Governança Corporativa – Capítulo Minas Gerais (IBGC-MG) dedicou a manhã dessa quarta-feira (11) ao tema “Segurança Cibernética”. A proximidade da data para entrada em vigor da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), marcada para agosto, tornou o assunto ainda mais urgente.

A maior lição do encontro, que reuniu o sócio da PwC, Eduardo Batista; o professor do Departamento de Computação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Virgílio Almeida; o advogado especialista em direito digital, Alexandre Atheniense; e o Security Officer do Banco Inter, Lucas Bernardes; mediados pelo coordenador do IBGC-MG, Fábio Abre; é que a segurança cibernética é muito mais do que uma questão de tecnologia. Ela depende de uma ação multissetorial e uma decisão vinda claramente do board da empresa.

PUBLICIDADE

“Ter um processo preparativo é um dos aspectos mais importantes da governança. Fala-se muito nos ataques à informação, mas existe um tipo de ataque que visa à paralisação das atividades da empresa ou instituição. A guerra cibernética não se limita a atingir dados sensíveis e a infraestrutura crítica, mas a disseminação de informações que confundem os consumidores”, explica Almeida.

A segurança cibernética também vai além da legislação. Para todos os analistas, as punições financeiras em forma de multa e sanções administrativas são pesadas, mas a punição mais severa está ligada à perda de reputação perante o público da empresa.

“A proteção de dados não tem a ver com tecnologia da informação (TI), mas com governança corporativa. A governança tem quatro pilares: segurança de dados, segurança cibernética, reputação digital e compliance. O pior são as penalidades reputacionais. Na lei existe a obrigatoriedade da publicização. E reputação não tem preço. Por isso temos que tomar medidas preventivas e ter um plano de ação no caso de um incidente”, afirma Atheniense.

O envolvimento da administração é fundamental porque a segurança cibernética exige mudança da cultura corporativa. O security officer do Banco Inter sugere uma série de ações: definir o papel da segurança da informação e privacidade na estratégia corporativa; demonstrar com clareza os riscos para o negócio; exponha planos de ação estruturados no mercado; treine a administração para agir em uma possível crise cibernética; e crie uma abordagem top-down de conscientização.

“O primeiro passo é conhecer bem seu ambiente digital e fazer a gestão de riscos. Não adianta inventar a roda. Tem que ter um sistema preventivo. Selecionar e monitorar parceiros é também fundamental. Além disso, é preciso valorizar os profissionais. Não existe formação universitária para essa área então qualificação demanda experiência e treinamento”, pontua Bernardes.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!