COTAÇÃO DE 26/11/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5950

VENDA: R$5,5960

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6300

VENDA: R$5,7570

EURO

COMPRA: R$6,3210

VENDA: R$6,3222

OURO NY

U$1.792,60

OURO BM&F (g)

R$322,88 (g)

BOVESPA

-3,39

POUPANÇA

0,4620%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Negócios
O diretor da franquia e filho do fundador, Heitor Valadão, lembra que o esforço de recomeçar é uma constante na história da marca - Crédito: Divulgação

Farinha, leite, ovos e açúcar. Foi com esses ingredientes [básicos] que, há 37 anos, um casal de empreendedores mineiros transformou um negócio de família em uma importante franquia no País: a Pão & Companhia. O que eles não imaginavam era que a receita de sucesso não viria apenas do sabor do pão, mas de uma jornada cheia de reinvenção e recomeços.

Hoje, a franquia tem 34 lojas espalhadas em 12 cidades no Brasil e segue em um plano de reestruturação, o que deve fortalecer a marca e ampliar o número de unidades. Mas, antes disso, o negócio enfrentou desafios, como uma mudança drástica de conceito na década de 90, resistência e saída de franqueados e, em 2007, uma de suas maiores perdas: a morte do fundador, Hélio Valadão.

PUBLICIDADE

O atual diretor da franquia e filho do fundador, Heitor Valadão, lembra que o esforço de recomeçar é uma constante na história da marca. Ele explica que o negócio surgiu como uma padaria de conveniência: as unidades vendiam produtos próprios, mas também de terceiros. Com o Plano Real, em 1994, o fundador da franquia entendeu que não fazia mais sentido comercializar produtos que não eram fabricados nas padarias.

“Enquanto a inflação era alta, os produtos de conveniência e de terceiros vendiam bem e com lucro, pois o preço podia aumentar. Mas, com a estabilização da economia, o cenário mudou. Os supermercados tinham preços melhores e, nas nossas unidades, os produtos acabavam ficando na prateleira”, explica.

Redefinição – A venda de conveniência foi trocada por outra oferta: o café servido à mesa. No livro sobre sua própria história, Hélio Valadão escreveu sobre esse momento: “Tiramos as gôndolas e entramos com as mesas da cafeteria. Recomeçamos!”.

A mudança não foi encarada positivamente por muitos franqueados, que acabaram deixando a marca, fazendo com que a rede diminuísse. Em seu livro, o fundador afirma que chegou a assinar 85 contratos de franquia, entre 1987 a 1996. Mas, desses todos, apenas 12 permaneceram até o ano em que ele escreveu sua história, em 2006.

Heitor Valadão afirma que a decisão do pai acabou sendo uma reviravolta para a franquia, que ganhou notoriedade por seu conceito de produção própria. Hoje, a Pão & Companhia tem 400 receitas exclusivas e todos os seus produtos são feitos sem aditivos químicos e com fermentação natural.

“Inclusive o pão francês – item com maior saída – passa pelo processo de fermentação natural, que dura quase oito horas”, diz.

Novo desafio – O diretor afirma que a marca viveu momento de crescimento por muitos anos, mas a morte do fundador, em 2007, acabou trazendo novos desafios para o negócio.

“Estávamos sem cabeça, ficamos muito perdidos e, por isso, resolvemos ter cautela. Isso durou 10 anos: foi um tempo sem captação de novos franqueados e estávamos apenas atendendo a demanda”, relata.

O diretor explica que foi nessa época que a franquia perdeu controle dos franqueados e passou abrir exceções nos padrões para satisfazê-los.

“Foi um período difícil, porque as franquias ficaram independentes demais e os empreendedores já não queriam seguir os padrões”, lembra. A confiança dos franqueados na marca também havia caído.

E foi diante desse cenário, que o empreendedor resgatou a cultura do recomeço na Pão & Companhia. Há cerca de dois anos, ele começou um projeto de reestruturação da marca e dos processos para formatação das franquias. Cerca de R$ 300 mil foram investidos em consultoria e em processos para “organizar a casa”, o que incluiu reestruturação de processos e campanhas para fortalecimento da marca.

“A ideia é facilitar a chegada de novos franqueados, pois até então o processo tinha algumas amarras, que impedia a implementação ágil de novas unidades. Também estamos reavaliando os processos de auditoria e assistência técnica nas unidades”, detalha.

Valadão afirma que o principal objetivo dessa reorganização é o fortalecimento da marca, mas ele acredita que o crescimento em unidades será conseqüência natural.

“Não temos pressa em relação a novas franquias. Nosso mercado é complexo e o franqueado precisa de tempo para se adequar ao padrão. Mas, é claro que essa reestruturação dos processos fará a rede crescer”, diz.

Segundo ele, a meta é abrir duas a três unidades por ano. Das 34 franquias existentes hoje, quatro estão em Belo Horizonte, todas na região Centro-Sul. O diretor afirma que há uma unidade em implementação em Niterói, no Rio de Janeiro, de forma que a marca deve encerrar o ano com 35 lojas.

“O que aprendi nesses últimos anos é que as regras e o padrão devem existir. Por outro lado, não dá para engessar o negócio porque o Brasil é muito diverso. A questão é: rever padrões é possível, desde que eles não contrariem seus valores, que no nosso caso é o pão saudável, sem aditivos”, conclui.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!