Atualmente, são 35 megawatts disponíveis para geração distribuída à base de clientes da Cemig | Crédito: Faisal Al Nasser/Reuters

A Mori Energia, empresa especializada em investir e operar ativos ligados à energia renovável de geração distribuída em Minas Gerais espera atingir a marca de R$ 1 bilhão de investimentos em energia fotovoltaica em 2021. Até o momento, a empresa já aportou R$ 700 milhões na construção e implantação de 34 usinas que, juntas, totalizam 139 megawatts de potência.

Segundo o diretor de Novos Negócios da Mori, Ivo O. Pitangui, no momento, já são nove usinas em operação e 35 megawatts disponibilizados para geração distribuída à base de clientes da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig). As 34 unidades geradoras estão distribuídas por 17 municípios do Norte e Noroeste do Estado. E os planos para o ano que vem preveem a construção de outras também em território mineiro.

Inicialmente disponível apenas para comércios, condomínios e pequenas indústrias, há algumas semanas o serviço de geração solar compartilhada passou a contemplar também para clientes residenciais e produtores rurais do Estado.

“Nas primeiras semanas já percebemos um grande volume de demanda e adesão, com muitos contratos assinados e parcerias firmadas”, revelou. Tamanha expectativa que a empresa estima um salto significativo no número de contratos. Hoje com cerca de 2 mil clientes, a perspectiva é chegar a 50 mil em um ano.

“A meta foi traçada justamente pela maior capacidade de atendimento e pela perspectiva de aumento da demanda, uma vez que o gargalo de Minas em energia sustentável ainda é grande”, completou.

Economia – Sobre a ampliação do serviço, o diretor explicou que permitem economia de 12% a 20% na conta de energia sem necessidade de investimento inicial ou fidelização. A contratação é feita totalmente pelo site da empresa. No plano residencial é preciso que o contratante tenha um consumo médio a partir de R$ 300. Já para planos comerciais ou rurais, a média deve ser a partir de R$ 500. Os descontos são progressivos, conforme o período contratado.

“Com a assinatura, o cliente contrata um plano por mês, que geram créditos a serem compensados junto à Cemig e que podem ser usados em até 70 meses. Diante do cenário desafiador pelo qual passa o País, economizar na conta de energia é essencial para ajudar no orçamento familiar e também na manutenção dos negócios e das empresas”, ressaltou.

O foco da atuação e o investimento constante em Minas Gerais ocorrem por uma série de fatores, entre os quais a disponibilidade de áreas com elevada irradiação solar e os incentivos do governo do Estado para impulsionar a tecnologia, a partir da Lei 21.713, de 2017, que estimula a produção e a comercialização deste tipo de energia em terras mineiras a estabelecimentos com atividade de geração, transmissão ou comercialização de energia solar.