COTAÇÃO DE 15/09/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2370

VENDA: R$5,2380

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,2600

VENDA: R$5,4070

EURO

COMPRA: R$6,2090

VENDA: R$6,2103

OURO NY

U$1.793,52

OURO BM&F (g)

R$303,17 (g)

BOVESPA

-0,96

POUPANÇA

0,3012%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Negócios zCapa
Camila Fusco (Ela Vence) e Marciele Delduque (Marianas): fomento do empreendedorismo | Crédito: Divulgação
Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

O dia é do empreendedorismo feminino, mas as mulheres ainda têm um longo caminho a trilhar para atingir um patamar de equidade de oportunidades quando o assunto é comandar a própria empresa ou se tornar uma liderança corporativa. Dados da última Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostram que cerca de 9,3 milhões de mulheres estão à frente de negócios no Brasil e que, em 2018, elas já eram 34% dos “donos de negócio”.

O Global Entrepreneurship Monitor (GEM) – principal pesquisa sobre empreendedorismo no mundo, com dados de 49 países – mostrou, em sua última edição (2018), que o Brasil ficou em sétimo lugar no ranking de proporção de mulheres à frente de empreendimentos iniciais (menos de 42 meses de existência).

PUBLICIDADE

Para enfrentar os desafios comuns às mulheres empreendedoras em todo o mundo, somados às dificuldades específicas vividas no Brasil, a união e a colaboração têm apontado um caminho menos espinhoso para muitas empreendedoras. A constituição de redes de apoio vem se multiplicando e mostrando bons resultados.

Entra no ar hoje o hub virtual de conteúdo, capacitação e conexões “Ela Vence”. O objetivo é fomentar o empreendedorismo e o desenvolvimento de lideranças femininas no Brasil, atuando, sobretudo, nas frentes de educação empreendedora, compartilhamento de melhores práticas – por meio de casos de sucesso e notícias do setor -, inovação e círculo de investimentos, para conectar investidoras a mulheres líderes de startups.

O hub nasce da iniciativa empresária Camila Farani. Com mais de 17 anos de experiência em empreendedorismo e investimentos, ela é sócia-fundadora da G2 Capital, boutique de investimentos que atualmente conta com mais de 40 startups em seu portfólio. É, também, fundadora da Innovaty, do ramo de educação empreendedora e Business Intelligence, e do Grupo Boxx, de alimentação.

De acordo com a coordenadora da plataforma e Head de Estratégia da Innovaty, Camila Fusco, o hub foi desenvolvido após dois anos de intensa escuta, pesquisa e interação junto a empreendedoras e intraempreendedoras. O último levantamento, feito em outubro de 2020 com 2.707 mulheres pela equipe da Innovaty, mostrou que capacitação, referências femininas e redes de apoio estão entre as 15 maiores demandas das entrevistadas.

“A nossa vocação é conectar mulheres. Como traduzir essas informações para a mulher de um jeito que ela consiga consumir no seu dia a dia. Pode ser em forma de vídeo, podcast, pílulas de informação, ou seja, a forma que for mais conveniente para ela. A ideia é que encontre também conexão com outras redes”, explica Camila Fusco.

Haverá também uma área específica permitirá que as participantes interessadas criem seus perfis com fotos e detalhem qual tipo de apoio necessitam e como podem ajudar outras integrantes das comunidades, favorecendo assim conexões entre elas.

O Ela Vence começa sua trajetória já atuando em Minas Gerais. A parceria com a rede “Marianas, Mulheres que inspiram”, na cidade de mesmo nome (região Central), terá início nos primeiros dias de dezembro.

A rede, que atende Ouro Preto, Mariana e região, existe desde 2013, se fortaleceu ainda mais depois do rompimento da barragem do Fundão, em 2015, e hoje reúne mais de 400 mulheres. “Segundo um levantamento feito pelo Sebrae, a Marianas já movimenta cerca de R$ 3 milhões por mês. Esse é um dado impressionante. Muitas mulheres se engajaram depois do rompimento da barragem, por extrema necessidade, mas viram agora que deu certo e querem seguir nesse caminho. Nosso trabalho é mostrar que inovação não é só tecnologia, é atender à necessidade do cliente. Inovações possíveis que podemos entregar para o consumidor no pós-pandemia”, destaca. 

Investimento-anjo – Outro ponto ao qual o Ela Vence quer se dedicar com especial atenção é a conexão entre empreendedoras e investidoras. Parte do fundo G2, o grupo G2 Women (G2W), busca reunir investidoras para ampliar a cultura de investimento-anjo e aportar em negócios da área de tecnologia fundados ou liderados por CEOs mulheres. O foco principal são startups que tenham faturamento anual entre R$ 100 mil e R$ 500 mil.

“Buscamos, também, dar visibilidade para startups que têm mulheres como fundadoras ou líderes. Queremos chamar a atenção das mulheres investidoras, fazendo com que o círculo de investimento fique mais representativo. Temos cada vez mais empreendedoras engajadas. Empreender é possível. Essa é a cultura que queremos ajudar a fomentar”, completa a coordenadora da plataforma.

Mudança de atitude é primeiro passo

A Rede Mulher Empreendedora (RME), em 10 anos, já ajudou mais de 500 mil mulheres no Brasil e no exterior, se constituindo como a maior plataforma de apoio ao empreendedorismo feminino do Brasil. A Rede oferece serviços para empresas que acreditam na causa e conta mais 700 voluntárias e 750 mil integrantes no grupo Mulheres da RME no Facebook.

A Rede acaba de divulgar os resultados da quinta edição da pesquisa “Empreendedoras e Seus Negócios 2020”, realizada pela Plano CDE e com apoio da ONU Mulheres. Os dados mostram que as mulheres driblaram ou amenizaram a crise graças à mudança de atitudes empreendedoras e gerenciais, investindo principalmente na digitalização dos negócios.

Na hora de escolher os meios digitais para alavancar seus negócios, 75% apostaram nos aplicativos de mensagens e 72%, nas redes sociais. Os aplicativos de mensagens passaram a ser mais utilizados para divulgação (66%), atendimento (65%) e vendas (57%). Já as redes sociais têm sido utilizadas como ferramenta de divulgação (81%) e vendas (52%).

De acordo com a presidente da RME, Ana Fontes, as mulheres empreendedoras são criativas, inovadoras e não têm medo das crises. “Elas estão buscando conhecimento e se preparando cada vez mais para o uso do digital como canal de vendas, e, também, para melhorar o desempenho da empresa”, explica Ana Fontes.

A pesquisa mostra, ainda, que a busca por capacitação também foi uma aposta das mulheres empreendedoras para encarar a pandemia e suas consequências. Cerca de 65% das mulheres entrevistadas já participaram de cursos focados em empreendedorismo para melhorar processos e diversificar produtos e serviços. Entre os homens, 53% já buscaram capacitação, mas seu interesse está voltado para os assuntos financeiros, principalmente.

O sonho do empreendedorismo é o motivo mais citado por homens e mulheres para iniciar um negócio. Porém, quando se fala em outras motivações, o equilíbrio entre trabalho e família e a flexibilidade de horários é relevante entre as mulheres.

“As mulheres são motivadas pela busca de um propósito identitário e de uma flexibilidade necessária no dia a dia, flexibilidade que ela não encontra em ambientes corporativos”, afirma.

Foi após acumular experiência em grandes empresas que nasceu na ativista a necessidade e o sonho de empreender com o objetivo de ter mais tempo para a família, fazer algo novo e deixar um legado para a sociedade. Em 2010, ela fez parte do programa 10 mil Mulheres, criado em parceria entre a Fundação Getulio Vargas (FGV) e o grupo Goldman Sachs. Foi aí que resolveu criar a RME.

“Sinto que sou abençoada por conseguir ajudar milhares de mulheres em um universo que é dominado pelo patriarcado. Quando olho para trás e lembro de todos os obstáculos que enfrentei me sinto feliz por conseguir levar conhecimento, empoderamento e possibilidade real de independência financeira para as mulheres”, destaca a presidente da RME.

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!