A padaria Vianney, por exemplo, espera vender 30% a mais que no Natal do ano passado - Crédito: CHARLES SILVA DUARTE

A poucos dias do Natal, padarias da Capital e da Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) já entregam as primeiras encomendas de cestas, ceias, bolos e panetones. Empresas e consumidores em geral buscam praticidade também para celebrar o fim do ano e o cardápio natalino se tornou mais uma estratégia para elevar as vendas e os negócios. Para este exercício, a expectativa da Associação Mineira da Indústria de Panificação (Amipão) é de alta de 5% sobre a data no ano anterior.

De acordo o presidente da entidade, Vinicius Dantas, cada vez mais os estabelecimentos estão buscando atrelar a qualidade dos produtos ao bom serviço prestado. Segundo ele, esta é uma forma que o setor encontrou de se reinventar e acompanhar as mudanças no comportamento do consumidor.

“O mercado de comidas prontas é o que mais cresce no setor. Afinal, o produto finalizado é mais barato e está aliado à praticidade. Por isso, temos visto cada vez mais os estabelecimentos oferecendo uma gama de produtos diversificados, incluindo os artesanais e atrações musicais e de entretenimento. Estamos trabalhando novos hábitos e conceitos e quem apresentar esses diferenciais vai crescer acima da média”, explicou.

A padaria Vianney, localizada no bairro Funcionários, por exemplo, espera vender 30% a mais que no Natal do ano passado. A diretora-executiva do estabelecimento, Isabella Carneiro Santiago, afirmou que o aumento está relacionado a uma combinação de fatores, como a diversidade e a qualidade dos produtos oferecidos e o diferencial do comércio on-line.

“Aceitamos encomendas pelo e-commerce, o que facilita ainda mais a vida do consumidor. Sem contar que nosso cardápio é bem extenso e inclui entradas frias e quentes, diversas opções de prato principal, sobremesas e bebidas. Além disso, nossos panetones e chocotones artesanais são muito procurados para consumo próprio ou para brinde das empresas”, destacou.

No caso da Padaria Empório Boutique dos Pães, com duas unidades em Contagem, a aposta ficou por conta da criatividade para repaginar produtos comuns e deixá-los com a cara do Natal. O gerente Joaquim Ferreira afirmou que a novidade tem agradado tanto os clientes diretos quanto as empresas parceiras da padaria.

“São elementos criativos que estão funcionando como são diferenciais. Os panetones doces e salgados estão fazendo o maior sucesso na loja e nos coffee breaks empresariais”, disse.

Segundo ele, para a data especificamente estão sendo aceitas encomendas de ceias completas. Diante disso, também é esperado um aumento de 30% nas vendas sobre o mesmo período anterior.

Já na Villa Castelli, no bairro Castelo, a estratégia inclui não apenas os produtos típicos e carnes assadas, mas também decoração natalina e promoções especiais. De acordo com a proprietária, Elisângela Ribeiro, os eventos festivos como Dia das Mães, Festa Junina, Dia das Crianças e dos Pais já viraram o diferencial da padaria, que oferece ambiente agradável com café colonial, música ao vivo, produtos típicos e sorteio de brindes. E no Natal não poderia ser diferente.

“Apesar do clima festivo, o cliente continua consumindo com cautela e precisamos oferecer a ele alguns diferenciais. Por isso, nos próximos dias, além dos tradicionais produtos, como pães, bolos e pizzas, teremos também os típicos da data e o Café com Música neste domingo com repertório especial”, garantiu.

Supermercados não preveem alta nas vendas

Neste fim de ano, quase metade (47%) dos empresários do ramo de supermercados estima que o volume de vendas ficará no mesmo nível do de 2018. Segundo sondagem divulgada na sexta-feira (20) pela Associação Brasileira de Supermercados (Abras), 37% dos gestores acreditam que as comemorações natalinas e de réveillon vão impulsionar o consumo.

Para obter as respostas, a entidade aplicou um questionário on-line, que encaminhou a 92 redes supermercadistas de todas as regiões do Brasil. A Abras estima que, no período, as vendas aumentem 7,85%. Além dos empresários que acreditam em uma variação positiva do índice ou em um quadro de estagnação, há uma terceira parcela, com menos otimismo. Ao todo, 16% acreditam que o desempenho será pior do que o do ano passado.

Entre os empresários que expressam confiança, a projeção de crescimento é de 12,3%, superando o resultado esperado pela Abras. A expectativa é que as vendas do item mais tradicional nas festas natalinas, o peru, apresentem aumento de 14%, o que representa mais 6,9 pontos percentuais em relação a 2018.

Em nota, a associação complementa as informações do panorama de fechamento do ano para o setor. “Dos supermercadistas entrevistados, 45% irão contratar mão de obra temporária, ante 33% em 2018, um crescimento de 12 pontos percentuais, principalmente impulsionados pelo aumento no movimento nas lojas durante o final do ano e devido ao melhor desempenho do varejo em 2019”, diz a Abras.

A perspectiva do setor é de que sejam geradas 30 mil vagas de emprego temporário nesse período de festas. A maioria das funções é de âmbito operacional, como de empacotador (43,5%), operador de caixa (37%) e repositor (35,9%).

Carnes – Quanto ao mercado de carne bovina, o presidente da Abras, João Sanzovo Neto, afirma que o consumidor deve continuar pagando mais pelo produto. “O próprio governo já se pronunciou dizendo que o preço estava defasado e, mesmo com uma eventual queda nas exportações à China, o preço da carne não deverá baixar”, destacou Sanzovo. (ABr)