COTAÇÃO DE 12/05/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2220

VENDA: R$5,2230

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,2030

VENDA: R$5,3800

EURO

COMPRA: R$6,3751

VENDA: R$6,3780

OURO NY

U$1.837,16

OURO BM&F (g)

R$309,12 (g)

BOVESPA

+0,87

POUPANÇA

0,2019%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Negócios Negócios-destaque
No novo normal dos bancos, que não querem mais oferecer “apenas” serviços bancários, “tomar um café com o gerente” não deixará de existir, mas pode ter outros significados | Crédito: Divulgação/Banco do Brasil

A principal resposta das atividades econômicas ao caos trazido pelo Covid-19 foi a intensificação do uso da tecnologia.

Digitalizar as operações e partir definitivamente para os canais on-line de atendimento foi a saída encontrada pela maioria para tentar sobreviver enquanto entendia o que estava acontecendo.

PUBLICIDADE

Acostumado a ser o pioneiro no uso da tecnologia no Brasil e, muitas vezes, no mundo, e já caminhando com desenvoltura pela economia desmaterializada, o sistema bancário também sentiu algumas dores e viu suas certezas balançarem.

O isolamento social esvaziou as agências e mudou a lógica de funcionamento dos bancos tradicionais. Mas os nativos digitais também não escaparam das dúvidas e estão se reinventando.

O lançamento do PIX e a possibilidade de aplicativos de mensagens se tornarem meios de pagamento, apesar de já não serem nenhuma novidade para os executivos do sistema bancário, marcaram esse período quase tanto como o Covid-19.

No “novo normal” dos bancos, que não querem mais oferecer “apenas” serviços bancários, “tomar um cafezinho com o gerente” não vai deixar de existir, mas pode ter vários outros significados.

Tecnologia continuará ditando a qualidade dos serviços

Sistema bancário vem, como dizemos, sendo parte da solução e não do problema, defende Sidney | Crédito: Celso Doni

As primeiras vítimas do Covid-19 no Brasil começaram a chegar aos hospitais há cerca de 120 dias e, nesse tempo, os bancos, sempre tão organizados e com processos estabelecidos, também sentiram os efeitos da imprevisibilidade dessa crise.

Para o presidente da Federação Brasileira dos Bancos (Febraban), Isaac Sidney, o período ainda é curto para conclusões definitivas, mas já é possível tirar alguns ensinamentos.

O primeiro é o reconhecimento do acerto da decisão que os reguladores mundiais – incluindo os brasileiros – tomaram após a crise financeira de 2008, de fortalecer a base de capital, de liquidez e operacional dos bancos em praticamente todas as jurisdições.

“Estamos passando por uma crise desta proporção, e o sistema bancário vem, como dizemos, sendo parte da solução e não do problema, fornecendo crédito para as empresas, mantendo o funcionamento praticamente pleno do sistema de pagamentos e permitindo que empresas e famílias adotem a política de distanciamento social sem problemas de continuidade em seus negócios e em suas vidas financeiras”, afirma Sidney.

A tecnologia, como sempre foi para os bancos, continua ditando a qualidade dos serviços ofertados e da experiência do cliente. A desmaterialização e digitalização da economia como um todo deve aguçar a utilização dos meios remotos de pagamento, impactando o próprio modelo de negócio bancário e a interação com os clientes.

Planos de remotização – De acordo com a presidente do BMG, Ana Karina Dias, o futuro já estava presente em termos de tecnologias disponíveis, porém no hábito das instituições e clientes.

O esvaziamento ou total fechamento das agências fez com que planos de remotização do atendimento e do próprio trabalho interno fossem antecipados em alguns anos.

“Tivemos um impacto interno importante porque embora tivéssemos a tecnologia, não tínhamos a cultura do home office. De repente tivemos que levar todo mundo para trabalhar em casa, garantindo além da produtividade e da segurança de dados, conforto e saúde para os nossos colaboradores. Era algo que pensávamos em fazer em etapas, em um prazo dilatado de tempo e, de repente, fomos obrigados a fazer e vimos que era possível. Do outro lado precisávamos manter o atendimento ao nosso consumidor de forma segura, permitindo aos nossos correspondentes fazer a formalização dos contratos remotamente. O que a pandemia fez foi aguçar o apetite pelo uso da tecnologia que já existia. Todo mundo foi procurar uma forma de se reinventar. Pensamos o futuro que estava distante, ele chegou. Foram dias de tomadas de decisão urgentes e treinamento intensivo, tudo ao mesmo tempo”, relembra Ana Karina Dias.

Hoje, o BMG atende principalmente através de correspondentes e pela Help – sua loja de crédito. Criada há três anos, a Help é uma rede de franquias voltada para serviços financeiros com foco em aposentados, pensionistas do INSS e servidores públicos e já figura na lista das 50 maiores franqueadoras em número de unidades da Associação Brasileira de Franchising (ABF), com mais de 750 lojas.

Por isso o banco tem a maior parte do seu público formada por seniores. Em princípio essa característica poderia ser um obstáculo para a transição digital das operações, mas não foi isso o que aconteceu.

“As pessoas gostam de ir na agência, então buscamos um modelo em que nossos consultores realmente ajudam nossos clientes a entender e operar nesse novo mundo digital. Para isso ajustamos produtos. Depois que o cliente aprende, ele não deixa de usar. Claro que no ‘novo normal’ o modelo será mesclado, haverá oportunidade para ir à agência, mas não será para tudo e nem uma obrigação. Por isso não tememos a concorrência com os bancos digitais. Somos uma instituição de 90 anos e conseguimos aliar esse patrimônio à tecnologia. Esse é o nosso diferencial: a tradição, a credibilidade e para um banco médio fazer a transição é mais fácil do que para as gigantes”, pontua a presidente do BMG.

Responsabilidade – A sustentabilidade é outro ponto que deve ganhar relevância nos próximos anos. Responsabilidade ambiental e social devem sair fortalecidas da crise, incluindo aí a responsabilidade com o próprio cliente, ajudando-o a gerir melhor seus recursos e o uso dos produtos bancários.

“A questão da sustentabilidade, em suas várias dimensões, será uma variável cada vez mais importante na tomada de decisão dos bancos na concessão de crédito e na alocação dos seus investimentos. E, por fim, mas não menos importante, eu pessoalmente acho que as questões de educação financeira e de inclusão bancária terão papel crescente em nossa sociedade nos próximos anos. Quando vejo todo este esforço, admirável que o governo vem fazendo para implementar os programas sociais, penso como teria sido muito mais simples se todas estas pessoas já estivessem bancarizadas. Esta é uma tarefa de todos nós, bancos privados, públicos e os reguladores. Todos nós e principalmente o País, temos muito a ganhar com esta agenda positiva de educação financeira e de bancarização”, completa o presidente da Febraban.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!