Índice de desempenho das pequenas indústrias apresentou melhora entre julho e setembro - Crédito: José Paulo Lacerda/CNI

Assim como a indústria em geral vem recuperando o fôlego no decorrer deste ano, com o aquecimento gradual da economia brasileira, o panorama junto às pequenas indústrias também é de recuperação. Pesquisa inédita da Confederação Nacional da Indústria (CNI) revelou que, além das atividades, a situação financeira e as perspectivas e confiança do empresário também ficaram em patamar elevado no terceiro trimestre de 2019.

“Isso reflete o aquecimento da economia como um todo registrado no terceiro trimestre. Assim como vimos para economia, as pequenas indústrias também apresentaram um movimento de desempenho melhor, após o segundo trimestre não ter sido tão bom. Elas estão conseguindo ajustar a situação financeira e mostrando otimismo com os próximos meses”, afirmou o economista da CNI, Marcelo Azevedo.

A pesquisa elencou quatro indicadores: desempenho, situação financeira, perspectivas e índice de confiança. Todos apresentaram recuperação.

O Índice de Desempenho das pequenas indústrias, por exemplo, registrou recuperação e ficou em 46,2 pontos entre julho e setembro. O valor é um ponto superior ao registrado no mesmo período de 2018, está 3,3 pontos acima da média histórica e representa o maior patamar para um terceiro trimestre desde 2014, de acordo com o Panorama da Pequena Indústria da CNI.

Segundo Azevedo, a melhora sinaliza reaquecimento da atividade da pequena indústria, após sequência de quedas que teve início em novembro de 2018 e que culminou em um segundo trimestre fraco.

Situação financeira – Em relação à situação financeira, o índice alcançou 38,2 pontos, valor 1 ponto acima do registrado no terceiro trimestre de 2018 e da média histórica. Desde meados de 2017 a situação financeira do setor vem oscilando próximo a série histórica, sem sequência positiva.

O economista da CNI destacou que, como usual, a elevada carga tributária foi apontada como o principal problema enfrentado pela pequena indústria no terceiro trimestre de 2019, independentemente do segmento industrial (transformação, extrativa ou construção).

Além disso, segundo ele, chamou atenção a evolução da importância da falta de demanda entre os principais problemas enfrentados pelas empresas de pequeno porte da indústria de transformação. “O fator que antes tinha sido citado por 37% das empresas agora foi mencionado por 31%, mas continuou em segundo lugar entre os fatores”, disse.

Além disso, o Índice de Perspectivas da pequena indústria mostrou que as expectativas seguem positivas, apesar de acomodação nos últimos dois meses. O índice recuou de 49,9 pontos em setembro para 48,5 pontos, mas permanece bem acima da média histórica, de 45,4 pontos. O índice encontra-se 1,9 ponto acima do registrado em outubro de 2018.

O Índice de Confiança do Empresário Industrial (Icei) da pequena indústria recuou 1,1 ponto em outubro de 2019, para 57,5 pontos. Mas a confiança do pequeno empresário segue elevada: o Icei da pequena indústria segue 5,0 pontos acima de sua média histórica e 5,4 pontos acima do registrado em outubro de 2018.