COTAÇÃO DE 26/11/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5950

VENDA: R$5,5960

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6300

VENDA: R$5,7570

EURO

COMPRA: R$6,3210

VENDA: R$6,3222

OURO NY

U$1.792,60

OURO BM&F (g)

R$322,88 (g)

BOVESPA

-3,39

POUPANÇA

0,4620%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

exclusivo Negócios zCapa

Santa Casa de Belo Horizonte critica linha de crédito da Caixa

COMPARTILHE

O governo federal criou linha específica de R$ 5 bilhões para as Santas Casas | Crédito: Alisson J; Silva/Arquivo DC

Em meio ao caos provocado pela pandemia do novo coronavírus, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) anunciou, no fim de março, uma linha de crédito específica para as Santas Casas via Caixa Econômica Federal.

O valor total disponibilizado será de R$ 5 bilhões, a uma taxa de juros de 10% ao ano. Até então, a taxa era de 20%, segundo o próprio presidente. A promessa é de que os contratos antigos serão revisados.

PUBLICIDADE

A benesse, porém, não é tão boa quanto parece, de acordo com o diretor de Gestão Corporativa e Relações Institucionais da Santa Casa de Belo Horizonte (SCBH), Gonçalo de Abreu Barbosa. Segundo ele, as condições do empréstimo são leoninas e a burocracia da Caixa Econômica não deve fazer com que os recursos cheguem a quem precisa. A taxa de juros proposta é quase o triplo da Selic – taxa básica paga pelo governo para se financiar, que está em 3,75% ao ano.

“Esse anúncio é pura enganação. A Caixa está cobrando juros muito mais altos do que os praticados pelo mercado. Também é preciso entender que isso é um empréstimo, não um socorro. É uma dívida que tem que ser paga. Além disso, a Caixa Econômica impõe uma série de garantias que não são exigidas pelo sistema privado, como deixar com ela os nossos recebíveis e passar para ela a nossa folha de pagamento de graça, por exemplo. Também temos que deixar aplicadas de duas a seis parcelas do empréstimo. Tudo isso para o dinheiro só chegar depois de 30 dias da assinatura do contrato”, reclama Barbosa.

Durante o lançamento da linha de crédito, o presidente afirmou que tem interesse particular na medida por ter uma “dívida de gratidão” com as Santas Casas brasileiras. Isso porque, em 2018, enquanto candidato, ele teve a vida salva pelo atendimento realizado na Santa Casa de Juiz de Fora (Zona da Mata), após levar uma facada. O argumento, porém, não comoveu o gestor da SCBH.

“Esse tipo de anúncio dá a impressão de que estão ajudando os hospitais filantrópicos, mas não estão. Não passa de marketing. No ano passado, mobilizamos o setor filantrópico e conseguimos a aprovação do uso de recursos do FGTS para nos ajudar. Até agora, a Caixa Econômica não se mexeu nesse sentido. Precisamos ter em mente que cerca de 50% dos atendimentos do SUS (Sistema Único de Saúde) no Brasil são realizados pelos filantrópicos, não podemos ficar abandonados no meio dessa crise”, defende o diretor de Gestão Corporativa e Relações Institucionais da Santa Casa BH.

Nesse meio tempo, o Senado aprovou a transferência de R$ 2 bilhões da União para Santas Casas e hospitais sem fins lucrativos (filantrópicos), em sessão virtual no dia 31 de março.

Os recursos são destinados a uma ação emergencial e coordenada no combate à pandemia do coronavírus. O PL 1006/2020 está em análise na Câmara dos Deputados.

Por meio desse auxílio financeiro, hospitais filantrópicos poderão trabalhar de forma articulada com o Ministério da Saúde e os gestores estaduais e municipais SUS para oferecer mais serviços, principalmente leitos de terapia intensiva.

“A plenos pulmões” – Enquanto isso, a Santa Casa de Belo Horizonte continua lutando para sobreviver e continuar prestando assistência como hospital de referência no combate ao Covid-19 na Capital. São mais de mil leitos e é preciso suprir o aumento da utilização de equipamentos de proteção individual (EPIs), insumos e outros gastos necessários ao enfrentamento da pandemia.

Atualmente, o hospital dispõe de 10 leitos de tratamento intensivo exclusivos para o atendimento aos pacientes com suspeita ou confirmação do novo coronavírus, com previsão de ampliação para mais 50, podendo chegar a 200, se necessário. Além disso, possui 17 leitos de enfermaria, com capacidade de expandir para 46, e se for preciso, chegar a 200. Apenas a manutenção diária de um leito de CTI para esse fim é de, aproximadamente, R$ 2 mil.

Doações – Por isso são necessárias doações. Elas podem ser feitas em dinheiro via depósito bancário na conta do Banco Cooperativo do Brasil S/A (Número: 756 | Agência: 4027 | Conta: 1.600.001-3 |Em nome da Santa Casa de Misericórdia de Belo Horizonte | CNPJ: 17.209.891/0001-93). Pela Central de Doações, é possível solicitar o débito da doação em conta mensal da Cemig e Copasa, a partir de R$ 5.

Ou ainda, autorizar a doação via cartão de crédito e boleto, a partir de R$ 10. Para isso, basta ligar para a Central de Doações no (31) 3274-7377 ou enviar por WhatsApp “Quero Doar” para (31) 9-9579-6139.

Para outros tipos de doações, tais como equipamentos, repasse de materiais ou patrocínio de projetos, basta entrar em contato com a Provedoria da Santa Casa BH pelo telefone (31) 3238-8873. As doações em dinheiro também podem ser feitas pessoalmente na Provedoria da Santa Casa BH (rua Álvares Maciel, 611 – Santa Efigênia).

Saiba mais como doar acessando o site

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!