Rede de fish n’ chips já conta com uma unidade em Belo Horizonte, na rua Sapucaí | Crédito: Divulgação

Minas Gerais está nos planos de expansão do Sirène Fish & Chip, maior rede de fish n’ chips da América do Sul, sediada em Curitiba (PR). A marca já conta com uma unidade em Belo Horizonte, na rua Sapucaí, região Leste da Capital, e poderá abrir mais duas lojas no Estado ainda em 2020. Com oito unidades espalhadas pelo Brasil, a meta da empresa é celebrar pelo menos 10 contratos neste exercício.

As informações são do fundador e proprietário do Sirène, Afonso Natal Neto. Segundo ele, o formato de franquia da rede foi alterado e agora o foco são lojas maiores em cidades onde já possui operação e perfil específico de franqueado. Atualmente, a marca pode ser encontrada em Curitiba (PR), Brasília (DF), Belo Horizonte, Balneário Camboriú (SC) e Florianópolis (SC).

“Inicialmente, o foco será em São Paulo e Belo Horizonte, praças onde já possuímos operações e que novos negócios prometem ser promissores.” Em Minas, conforme o empresário, já existem duas novas unidades em negociação.

De acordo com Afonso Neto, o investimento para abrir uma loja da rede gira em torno de R$ 200 mil e o formato das lojas exige um imóvel com metragem a partir de 80 metros quadrados. Além disso, o modelo do negócio funciona com uma equipe enxuta com, em média, 5 pessoas, podendo variar com movimento e tamanho do bar, entre cozinha, balcão e atendimento.

Estima-se que cada unidade franqueada fature, aproximadamente, R$ 1 milhão por ano em condições normais de funcionamento, com lucro líquido médio de 15% do faturamento e tempo de retorno em até 24 meses, dependendo da praça e do investimento.

“Nosso principal diferencial está no produto. Somos a maior rede de fish n’ chips da América do Sul e trouxemos o estilo da culinária britânica para o Brasil”, comentou.
Sobre os negócios, o empresário afirmou que desde a fundação, em 2016, a rede vem dobrando de tamanho ano a ano. E as expectativas para este exercício dão conta de um crescimento no mesmo ritmo.

Para se ter uma ideia, o Sirène comercializou mais de 50 toneladas de peixes e batatas em 2019, atendendo mais de 182 mil pessoas. Também vendeu milhares de unidades do Sandufish, sanduíche exclusivo da casa preparado com peixe empanado, pão francês, cebola caramelizada, molho tártaro e rúcula, e exatos 120.000 litros de chope artesanal.

“Costumamos dizer que somos filhos da crise. Entramos com um produto novo no mercado baseado em três pilares: preço justo – nem caro nem barato -, produto de qualidade e excelente atendimento. Conseguimos crescer na crise e esperamos avançar ainda mais, considerando a retomada da economia”, apostou.