COTAÇÃO DE 16 A 18/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,4540

VENDA: R$5,4540

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,4700

VENDA: R$5,6130

EURO

COMPRA: R$6,3181

VENDA: R$6,3210

OURO NY

U$1.767,23

OURO BM&F (g)

R$309,68 (g)

BOVESPA

+1,29

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Negócios Negócios-destaque

Teletrabalho será mantido após pandemia

COMPARTILHE

Crédito: Freepik

Um levantamento, feito entre 19 e 25 de maio, pela Câmara Americana de Comércio de Belo Horizonte (Amcham-BH), apontou que 51% dos empresários mineiros que adotaram a prática do trabalho remoto em suas organizações durante a pandemia são favoráveis à continuidade integral da prática.

Além disso, 48% defendem o modelo híbrido de teletrabalho, no qual uma parcela da carga horária é cumprida na empresa e a outra em casa. Segundo a pesquisa, apenas 1% é contrário à modalidade.

PUBLICIDADE

Participaram do questionário 170 gestores que atuam em Minas Gerais, entre CFOs, diretores jurídicos, comerciais, industriais, de marketing e de recursos humanos. Trata-se de líderes que atuam nos mais diversos segmentos, entre os quais estão: indústria, tecnologia e serviços.

Para o Coordenador Regional da Amcham-BH, Matheus Vieira Campos, a pandemia consolidou o home office como uma prática que deve perpetuar pelos próximos anos.

Pandemia consolidou o home office como uma prática que deve perpetuar, disse Campos | Crédito: Wolf Wagner

“A previsão é de que saiamos da pandemia com muitas empresas contando com um programa de trabalho remoto já estabelecido, e por isso nem retornem para o presencial. Com o isolamento social forçado, muitas organizações observaram que conseguem ser produtivas mesmo com os funcionários em casa e ainda descobriram que podem economizar”, afirma.

Campos destaca ainda as vantagens desse modelo, tanto para as empresas quanto para os funcionários. “Enquanto o trabalhador consegue flexibilizar sua carga horária e consequentemente ter mais qualidade de vida, a empresa reduz custos com os transportes e infraestrutura, uma vez que a demanda por espaço físico se torna menor”, diz.

Principais desafios – A pesquisa abordou ainda os principais desafios dos gestores no período pós-pandemia. Liderar remotamente e manter a equipe engajada e produtiva foram os mais citados. Além de lidar com a incerteza econômica, adaptar-se às novas rotinas, renegociar contratos com setores mais afetados e adequar-se às novas regras de distanciamento e higienização.

“Além das mudanças operacionais com a transição do trabalho presencial para o remoto, o novo cenário vai exigir dos gestores sabedoria para conduzir uma reestruturação de processos e estratégias. Afinal, os negócios devem acompanhar as transformações da sociedade, que não será mais a mesma após a pandemia”, conclui Campos. (Da Redação)

Desenvolvimento de equipes em “xeque”

O mercado de trabalho apresenta um novo normal. Grandes empresas anunciam que seus colaboradores ficarão de home office até o final do ano, outras já deixaram claro que o método chegou para ficar e já até devolveram seus pontos de trabalho físico.

O virtual está mais forte do que nunca e o home office apresenta bons resultados, onde as pessoas têm mais facilidade com o trabalho e as demandas. Porém, nem tudo são as mil maravilhas e, para alguns, as conversas no “cafezinho”, os encontros pós-horário de trabalho e outras situações que eram habituais no ambiente físico estão fazendo falta.

A Heach Recursos Humanos realizou uma pesquisa com cerca de 200 empresas, entre os dias 1º e 6 de junho, e descobriu que 52% delas não estão realizando nenhum tipo de trabalho de formação e desenvolvimento de equipes, ou seja, a maioria está pensando só em trabalho e esqueceu que o relacionamento é uma parte muito importante para que as pessoas se sintam motivadas.

“O ser humano tem como uma das suas características-chave a sociabilidade e parte importante do trabalho com RH é, justamente, fortalecer as equipes, desenvolver o senso de dono e o trabalho em equipe”, afirma o CEO da Heach Recursos Humanos, Elcio Paulo Teixeira.

Mas, ainda bem que existem aquelas que demonstram, ao menos, um pouco, de preocupação com seus colaboradores. A pesquisa também aponta que 24% estão promovendo ações sobre tópicos não relacionados ao trabalho. Happy hours virtuais são os mais comuns e cerca de 18% das empresas já promoveram um ou mais encontros, como, por exemplo, almoços virtuais e comemoração dos aniversariantes do mês.

“Em tempos como este que estamos vivendo é muito importante que o RH tome atitudes para que todos se sintam parte da equipe, mesmo à distância e, que demonstre que a empresa promova a união e formação de grupos coesos para que o relacionamento continue e, também, para que a produtividade não diminua”, finaliza o especialista. (Da Redação)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!