COTAÇÃO DE 24/05/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$4,8120

VENDA: R$4,8120

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$4,8900

VENDA: R$4,9960

EURO

COMPRA: R$5,1664

VENDA: R$5,1690

OURO NY

U$1.866,41

OURO BM&F (g)

R$289,06 (g)

BOVESPA

+0,21

POUPANÇA

0,6667%

OFERECIMENTO

livre Opinião Opinião-destaque

EDITORIAL | Bomba no colo do governador

COMPARTILHE

Zema volta a defender plano de recuperação
Crédito: Gil Leonardi/Imprensa MG

O governador Romeu Zema, quando anunciou reajuste de até 42%, que seria pago escalonadamente à área de segurança, armou uma bomba que agora ameaça estourar no seu colo.

O governador mineiro, empresário bem-sucedido e íntegro, mas nada acostumado às lides públicas, aparentemente curvou-se às pressões dos principais interessados na tal recomposição, gente literalmente com poder de fogo, e anunciou o reajuste, surpreendendo secretários e deputados. Começaram nesse momento seus, até aqui, maiores infortúnios.

PUBLICIDADE




O restante do funcionalismo, professores especialmente, não aceitou a decisão e intensificaram as pressões, enquanto o fogo amigo também bombardeava o Palácio da Liberdade.

De Brasília vieram advertências e ameaças. Mantida a decisão, estariam automaticamente suspensas a renegociação da dívida do Estado, enquanto o Supremo Tribunal Federal (STF) advertia que não teria mais condições de sustentar a liminar que manda suspender a amortização da dívida. Governadores estaduais se insurgiram com o que seria um mau exemplo

Mas, atropelando as resistências, inclusive de dentro de seu próprio partido, o Novo, o governador sustentava sua posição, numa situação bastante agravada pela decisão da Assembleia Legislativa, ao apreciar o projeto, de estender a todo o funcionalismo o benefício. Zema teria que aprovar ou vetar, o que acabou acontecendo na última quarta-feira e com mais uma surpresa.

Ficou mantido o reajuste apenas para a área da segurança, ainda assim reduzido a 13%, que será pago imediatamente. Surpresa geral, bem evidenciada na decisão do secretário de Governo de pedir exoneração, ao mesmo tempo em que o vice-governador exprimia seu descontentamento anunciando desfiliação ao Novo, sentimentos compartilhados na base do governo na Assembleia, também descontente por não ter sido ouvida.

PUBLICIDADE




Para o governador, foi uma escolha difícil, mas impositiva. Os cofres do Estado estão vazios, a reação esperada não aconteceu e o cenário à frente, principalmente por conta do coronavírus, recomenda muita prudência. Resta agora esperar se os deputados derrubarão o veto de Zema e, sobretudo, como o pessoal da área de segurança reagirá à inevitável frustração.

Fato é que o empresário, reconhecido por suas qualidades, dito homem de brio e de caráter, acabou engolido pelas manhas e artimanhas da política, onde a lógica costuma ser justamente a falta de lógica, e tem agora no colo uma bomba que precisa ser desarmada antes que os estragos sejam ainda maiores.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!