COTAÇÃO DE 26/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5720

VENDA: R$5,5730

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,5900

VENDA: R$5,7230

EURO

COMPRA: R$6,4654

VENDA: R$6,4683

OURO NY

U$1.793,01

OURO BM&F (g)

R$321,20 (g)

BOVESPA

-2,11

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

livre Opinião Opinião-destaque

EDITORIAL | Bomba no colo do governador

COMPARTILHE

Zema volta a defender plano de recuperação
Crédito: Gil Leonardi/Imprensa MG

O governador Romeu Zema, quando anunciou reajuste de até 42%, que seria pago escalonadamente à área de segurança, armou uma bomba que agora ameaça estourar no seu colo.

O governador mineiro, empresário bem-sucedido e íntegro, mas nada acostumado às lides públicas, aparentemente curvou-se às pressões dos principais interessados na tal recomposição, gente literalmente com poder de fogo, e anunciou o reajuste, surpreendendo secretários e deputados. Começaram nesse momento seus, até aqui, maiores infortúnios.

PUBLICIDADE

O restante do funcionalismo, professores especialmente, não aceitou a decisão e intensificaram as pressões, enquanto o fogo amigo também bombardeava o Palácio da Liberdade.

De Brasília vieram advertências e ameaças. Mantida a decisão, estariam automaticamente suspensas a renegociação da dívida do Estado, enquanto o Supremo Tribunal Federal (STF) advertia que não teria mais condições de sustentar a liminar que manda suspender a amortização da dívida. Governadores estaduais se insurgiram com o que seria um mau exemplo

Mas, atropelando as resistências, inclusive de dentro de seu próprio partido, o Novo, o governador sustentava sua posição, numa situação bastante agravada pela decisão da Assembleia Legislativa, ao apreciar o projeto, de estender a todo o funcionalismo o benefício. Zema teria que aprovar ou vetar, o que acabou acontecendo na última quarta-feira e com mais uma surpresa.

Ficou mantido o reajuste apenas para a área da segurança, ainda assim reduzido a 13%, que será pago imediatamente. Surpresa geral, bem evidenciada na decisão do secretário de Governo de pedir exoneração, ao mesmo tempo em que o vice-governador exprimia seu descontentamento anunciando desfiliação ao Novo, sentimentos compartilhados na base do governo na Assembleia, também descontente por não ter sido ouvida.

Para o governador, foi uma escolha difícil, mas impositiva. Os cofres do Estado estão vazios, a reação esperada não aconteceu e o cenário à frente, principalmente por conta do coronavírus, recomenda muita prudência. Resta agora esperar se os deputados derrubarão o veto de Zema e, sobretudo, como o pessoal da área de segurança reagirá à inevitável frustração.

Fato é que o empresário, reconhecido por suas qualidades, dito homem de brio e de caráter, acabou engolido pelas manhas e artimanhas da política, onde a lógica costuma ser justamente a falta de lógica, e tem agora no colo uma bomba que precisa ser desarmada antes que os estragos sejam ainda maiores.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!