COTAÇÃO DE 16 A 18/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,4540

VENDA: R$5,4540

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,4700

VENDA: R$5,6130

EURO

COMPRA: R$6,3181

VENDA: R$6,3210

OURO NY

U$1.767,23

OURO BM&F (g)

R$309,68 (g)

BOVESPA

+1,29

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião Opinião-destaque

EDITORIAL | Guedes vê final feliz

COMPARTILHE

Crédito: REUTERS/Adriano Machado

Os países mais ricos e influentes do planeta concordam que a pandemia desencadeada pelo coronavírus produzirá, além de perdas humanas em escala sem registros anteriores, uma recessão igualmente inédita.

Estudos do Banco Mundial (Bird) e do Fundo Monetário Internacional (FMI) apontam na mesma direção e já antecipam que a crise que está chegando será ainda pior que a de 1929.

PUBLICIDADE

Nesse contexto, dizem as mesmas fontes, é previsível que o Brasil seja um dos países mais atingidos, com o seu Produto Interno Bruto (PIB) podendo cair, já neste ano, pelo menos 6%. As contas de alguns bancos locais vão na mesma direção, diferentemente das avaliações oficiais.

Evidentemente que ninguém em Brasília fala mais num crescimento que poderia chegar aos 3%, conforme as previsões do início do ano. Alguns ainda acreditam num valor modesto, mas positivo e longe das previsões que vêm do exterior.

Mais ousado, nesse momento, é o ministro da Economia, Paulo Guedes, que depois de lembrar que o País começou o ano otimista e ainda poderá surpreender o mundo, lembrando, por exemplo, que está entre os poucos que vem mantendo seu volume de exportações, com a queda de 30% nos negócios com os Estados Unidos superada pela elevação das vendas à China.

Guedes disse numa palestra para empresários promovida por um banco de investimentos, que não quer vender sonhos ou ilusões, menos ainda minimizar o tamanho do problema representado pela pandemia.

Para ele, que não se coloca entre os que condenam o isolamento social, o fundamental é manter o que chama de “sinais vitais” da economia, com atenção às áreas de energia, transportes e alimentação, ao mesmo tempo mitigando as perdas dos mais sensíveis. Feito isso, passada a tempestade, a volta poderá ser rápida, até em V como gostam de dizer os economistas.

Para o ministro, dependendo é claro da evolução da pandemia, será possível enxergar sinais positivos já no segundo semestre do ano, com avanço nas privatizações e nas reformas e redução de despesas, marcantemente com o funcionalismo.

Evidentemente que um discurso neste compasso e partindo de quem parte faz bem. Sobretudo se o ministro da Economia estiver realmente convencido de que não pode vender sonhos nem ilusões e, na hora certa, contar com as ferramentas que garantam uma recuperação rápida, passada a tempestade. Só cabe torcer que sua voz, agora quase solitária, acabe acertando e o Brasil possa finalmente alcançar um patamar de mais tranquilidade.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!