COTAÇÃO DE 27/09/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,3780

VENDA: R$5,3790

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3130

VENDA: R$5,5370

EURO

COMPRA: R$6,2562

VENDA: R$6,2591

OURO NY

U$1.750,16

OURO BM&F (g)

R$300,91 (g)

BOVESPA

+0,27

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião
Crédito: Divulgação

GUSTAVO BUFFARA BUENO*

Em dezembro, a Câmara dos Deputados aprovou por 276 votos a 124 o texto-base do Projeto de Lei nº. 4.162/19, que estabelece o novo marco legal do saneamento básico. O principal aspecto do PL em discussão é a possibilidade que ele traz de privatização de empresas públicas que chegam a valer cerca de R$ 140 bilhões, de acordo com o governo federal. No entanto, vale ressaltar que os contratos atuais devem ser mantidos.

PUBLICIDADE

Em um país no qual um terço da população não tem acesso à rede de esgoto, o novo marco legal surge como uma possível saída para a resolução de um problema social com a capacidade de investimento da iniciativa privada. O Brasil deve atingir a meta de universalização dos serviços de água e esgoto até 2033 e estima-se que para isso sejam necessários investimentos de mais de R$ 600 bilhões.

Com a nova lei, ao final dos contratos atuais de prestação de serviços de saneamento, em grande parte prestados por empresas públicas, será possível realizar licitações com empresas privadas, além de estimular a entrada de novos concorrentes neste mercado. Aliás, este é um dos principais objetivos descritos no PL, o estímulo à ampla concorrência.

Este processo, consequentemente, pode contribuir para a redução de tarifas pagas pelo usuário, trazer um novo fôlego para o setor hídrico, tendo em vista a diferença de custos de todo o aparato estatal e o privado, além de possibilitar a atuação regionalizada para prestação dos serviços.

Para que este novo modelo funcione, também se institui a Agência Nacional de Águas (ANA), “entidade federal de implementação da Política Nacional de Recursos Hídricos, de coordenação do Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos e responsável pela instituição de normas de referência para a regulação dos serviços públicos de saneamento básico”, conforme projeto aprovado na Câmara.

Neste momento, há uma grande movimentação para a desestatização das empresas públicas, em diversos setores, tendo em vista os altos custos com o funcionalismo público, que chega a comprometer mais de 50% das receitas de algumas companhias de saneamento, e a ineficiência na prestação de serviços de qualidade à população.

Com um quadro de endividamento público generalizado, ou seja, em todas as esferas, não se vê no horizonte alguma expectativa de investimento público massivo e sustentável no setor hídrico e, portanto, o novo marco legal é, antes de tudo, mais uma alternativa para atração de investimentos do setor privado em busca de sanar os problemas enfrentados pelo Estado.

O Projeto de Lei nº. 4.162/19 segue para votação do Senado Federal após votação das sugestões de alterações.

*Sócio da BBA Law, premiado internacionalmente na área de infraestrutura e autor do livro Privatizações no Brasil: Alienação do Controle Acionário das Estatais

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!