COTAÇÃO DE 22/06/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$4,9650

VENDA: R$4,9660

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$4,9570

VENDA: R$5,1130

EURO

COMPRA: R$5,9745

VENDA: R$5,9772

OURO NY

U$1.778,62

OURO BM&F (g)

R$286,53 (g)

BOVESPA

-0,38

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Política

Auxílio estadual está pronto para o Plenário

COMPARTILHE

Sete emendas ao projeto do Recomeça Minas foram aprovadas na reunião de ontem da Comissão de Fiscalização Financeira e Orçamentária da ALMG | Crédito: Sarah Torres - ALMG

Está pronto para apreciação do Plenário da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), em 1° turno, o Projeto de Lei (PL) 2.442/21, que traz o Recomeça Minas. De autoria de todos os parlamentares da Casa e tendo como primeiro signatário o presidente Agostinho Patrus (PV), o plano tem como objetivo incentivar a recuperação econômica do Estado. Emenda que cria o auxílio de R$ 500 para famílias na extrema pobreza foi aprovado em comissão.

O Recomeça Minas prevê incentivos fiscais para regularização de dívidas com o governo e o direcionamento dos recursos recebidos para a desoneração fiscal de setores mais atingidos pela crise decorrente da pandemia.

PUBLICIDADE

A discussão e a votação do parecer à proposta foram feitas em duas reuniões da Comissão de Fiscalização Financeira e Orçamentária, uma pela manhã e outra na tarde de ontem. O parecer do relator, deputado Hely Tarqüínio (PV), lido à tarde, consolida o resultado das duas reuniões, nas quais foram analisadas 41 emendas, das quais sete foram acatadas.

Na última reunião, foram apreciadas nove emendas ao projeto, sendo que duas receberam parecer favorável e sete, parecer desfavorável. Pela manhã, foram distribuídos avulsos (cópias) do parecer sobre outras 32 emendas apresentadas no Plenário ao PL. Cinco tiveram parecer pela aprovação e as demais, pela rejeição.

Tributos – As emendas aprovadas, entre outras medidas, trazem benefícios para o setor de eventos, para empresas que produzem oxigênio hospitalar, além de possibilitar o pagamento de tributos por meio da entrega de imóveis.

As duas aprovadas à tarde são, respectivamente, de autoria dos deputados Zé Reis (PSD) e Agostinho Patrus, presidente da ALMG. A de n° 33 inclui a produção de Equipamentos de Proteção Individual (EPI) destinados aos profissionais de saúde entre as atividades com redução de 50% no ICMS sobre fornecimento de energia elétrica. Esse benefício será concedido até 90 dias após o término do estado de calamidade pública devido à pandemia da Covid-19.

Benefício financeiro – Já a emenda n° 34, de autoria de Agostinho Patrus e outros deputados, cria no âmbito do Poder Executivo um benefício financeiro de R$ 500, pago em parcela única, às famílias em extrema pobreza. Trata-se, segundo o texto, de medida excepcional de enfrentamento às consequências econômicas e sociais decorrentes da pandemia.

Segundo a redação, o benefício será concedido a pessoas que estejam registradas no Cadastro Único de Benefícios Sociais do Governo Federal como responsáveis por domicílio em Minas Gerais e que tenham renda per capita familiar mensal de até R$ 89,00. Esses beneficiários não poderão constar na base de brasileiros no exterior do Ministério da Justiça e também no rol de presidiários cumprindo pena em regime fechado.

Eventos – As emendas aprovadas pela manhã foram incorporadas no parecer à tarde. As de n°s 4 a 5 são de autoria dos deputados Tito Torres (PSDB), Cleitinho Azevedo (Cidadania) e Gustavo Mitre (PSC) e têm o objetivo favorecer o setor de eventos e entretenimento. Uma delas trata da possibilidade de retomada gradativa do patrocínio de eventos técnicos-científicos, esportivos, corporativos, culturais e sociais de forma direta pelo Estado.

E outra prevê a inclusão dos estabelecimentos de planejamento e execução desses eventos na redução de 50%, até 90 dias após o término do estado de calamidade pública, da carga tributária relativa ao ICMS incidente no fornecimento de energia elétrica.

Oxigênio hospitalar – A subemenda n° 1 à emenda n° 9, do deputado Antonio Carlos Arantes (PSDB), acrescenta dispositivo ao artigo 13 do substitutivo n° 2. O objetivo é incluir os estabelecimentos de produção de oxigênio hospitalar na redução de 50%, até 90 dias após o término do estado de calamidade pública, da carga tributária relativa ao ICMS incidente no fornecimento de energia elétrica.

A emenda n° 16, do deputado Sargento Rodrigues (PTB), suprime dispositivo do substitutivo n° 2 que previa que o descumprimento de condições a serem estabelecidas em legislação estadual implicaria na revogação dos benefícios propostos.

Crédito – Também de autoria de Rodrigues, a emenda n° 21 objetiva determinar que o BDMG ofereça linhas de crédito em condições especiais para pessoas físicas e jurídicas de direito privado atingidas pela crise decorrente da pandemia.

Na tramitação, o PL 2.442/21 recebeu o substitutivo n° 1, da Comissão de Constituição e Justiça, que promoveu ajustes técnicos no texto; e o substitutivo n° 2, da FFO, que contemplou sugestões colhidas em 16 encontros regionais realizados neste mês. (Com informações da ALMG)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!