COTAÇÃO DE 23 A 25/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6270

VENDA: R$5,6270

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,8030

EURO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,6750

OURO NY

U$1.792,47

OURO BM&F (g)

R$327,87 (g)

BOVESPA

-1,34

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Política

Bolsonaro insiste na indicação de Mendonça ao STF

COMPARTILHE

Bolsonaro espera contar com André Mendonça como um ministro evangélico no Supremo | Crédito: REUTERS/Ueslei Marcelino

Brasília – O presidente Jair Bolsonaro defendeu ontem novamente seu compromisso de ter um ministro evangélico no Supremo Tribunal Federal (STF) e fez um elogio público a seu indicado, André Mendonça, que há três meses espera ter seu nome sabatinado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado.

“Se Eldorado tem um presidente, se Deus quiser, brevemente Miracatu terá um ministro do Supremo Tribunal Federal”, disse. “À família de Miracatu, à família de André Mendonça, meus cumprimentos para este homem extremamente competente, capaz e inteligente, e dentro do meu compromisso de ter um evangélico para o Supremo Tribunal Federal”, emendou ele, durante cerimônia de entrega de títulos de terra a famílias assentadas em São Paulo.

PUBLICIDADE

O presidente da CCJ e ex-presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), tem resistido a pautar a indicação de André Mendonça para a vaga do STF aberta com a aposentadoria do ministro Marco Aurélio Mello.

Em entrevista à Rádio CNN ontem, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), disse que as indicações de Mendonça e de outros cargos pendentes deverão ser apreciadas nas próximas semanas. “É fundamental que ela aconteça (a sabatina de Mendonça), por se tratar de uma prerrogativa de Bolsonaro e atribuição constitucional do Senado avaliar”, defendeu.

Pacheco disse que espera diálogo e compreensão recíproca de todos, destacando que não se pode paralisar a pauta do Senado por uma indicação desta natureza, conforme alguns senadores têm pregado nos bastidores.

Autonomia – O presidente da CCJ do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), reagiu ontem ao que considera “agressões” que tem sofrido, defendeu sua autonomia de atuação e repetiu que não aceitará ser ameaçado, em meio a pressões que tem sofrido para pautar a indicação do presidente Jair Bolsonaro de André Mendonça para o STF.

“Tenho sofrido agressões de toda ordem. Agridem minha religião, acusam-me de intolerância religiosa, atacam minha família, acusam-me de interesses pessoais fantasiosos. Querem transformar a legítima autonomia do presidente da CCJ em ato político e guerra religiosa”, disse Alcolumbre, que é judeu, em uma nota.

“Reafirmo que não aceitarei ser ameaçado, intimidado, perseguido ou chantageado com o aval ou a participação de quem quer que seja”, reforçou ele.

Faz três meses que Bolsonaro formalizou a indicação de Mendonça para a vaga do Supremo Tribunal Federal aberta com a aposentadoria de Marco Aurélio Mello. Desde então, Alcolumbre resiste a pautar o indicado na CCJ.

Na nota, Alcolumbre afirmou que jamais condicionou ou subordinou seu mandato a troca de favores políticos com quem quer que seja. Segundo ele, a Constituição estabelece que a nomeação para ministro do Supremo não é um “ato unilateral e impositivo” do presidente da República, mas um ato complexo, com a “participação efetiva e necessária” do Senado.

O presidente da CCJ destacou que recente decisão do STF reafirmou a prerrogativa de presidentes de comissões permanentes definam a pauta das sessões por se tratar de um assunto interno, não sendo suscetível de interferência. Ele se referia indiretamente à decisão do ministro Ricardo Lewandowski tomada na véspera, no feriado.

Sem citar nominalmente Bolsonaro, Alcolumbre deu recados na nota sobre o governo. Ele foi eleito presidente do Senado em 2019 com o apoio decisivo do Executivo.

“A defesa da democracia, da independência e harmonia entre as instituições e, sobretudo, da Constituição sempre balizou o meu posicionamento político. Diversas vezes me coloquei contra aqueles que buscavam a ruptura democrática, desrespeitando os Poderes constituídos, a liberdade de imprensa e a própria democracia para criar crises políticas que impediriam a governabilidade do país”, afirmou.

Alcolumbre não mencionou na nota uma possível data para a sabatina de André Mendonça. Nos últimos dias, Bolsonaro tem criticado mais abertamente Alcolumbre pela demora da análise da indicação. O presidente, por sua vez, tem sido pressionado por seus aliados evangélicos a se empenhar mais pela confirmação de Mendonça.

Ex-ministro da Justiça e Segurança Pública e advogado-geral da União, Mendonça, que é pastor presbiteriano, é o cumprimento da promessa de Bolsonaro de indicar alguém “terrivelmente evangélico” para o Supremo. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!