COTAÇÃO DE 23 A 25/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6270

VENDA: R$5,6270

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,8030

EURO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,6750

OURO NY

U$1.792,47

OURO BM&F (g)

R$327,87 (g)

BOVESPA

-1,34

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Política

Delegado da Polícia Civil depõe na ALMG sobre a contratação da Exec

COMPARTILHE

Logo da Cemig em painel na bolsa de valores de São Paulo
Crédito: REUTERS/Amanda Perobelli

A contratação pela Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) da Exec, empresa de headhunter responsável pela seleção do atual diretor-presidente da estatal, Reynaldo Passanezi Filho, não teria sido aprovada pelo seu antecessor, Cledorvino Belini. 

A informação foi dada pelo vice-presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito que investiga possíveis irregularidades na gestão da Cemig, deputado Professor Cleiton (PSB), em entrevista coletiva ontem, após ouvir, em reunião secreta da CPI, Gabriel Ciríaco Fonseca, delegado da Polícia Civil do Estado.

PUBLICIDADE

O delegado foi convidado para prestar depoimento na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) por ter conduzido investigações, no âmbito da Delegacia Especializada de Combate à Corrupção (Deccor), sobre supostas irregularidades na Cemig. Em junho deste ano, Gabriel Fonseca foi retirado da condução das investigações, após ser transferido para uma delegacia na região de Venda Nova, na Capital.

Professor Cleiton relatou que Cledorvino Belini teria dito ao delegado, durante oitiva no inquérito que apura as suspeitas na estatal, que a contratação da Exec e de Reynaldo Passanezi Filho teriam acontecido por solicitação de Cássio Azevedo, ex-secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, após entrar em contato com o empresário Evandro Negrão de Lima, do diretório do Partido Novo. Cássio Azevedo faleceu este ano, vítima de câncer.

O parlamentar classificou a informação como um fato grave, que demonstraria a usurpação de uma função pública. A CPI aprovou requerimento para ouvir o ex-diretor-presidente Cledorvino Belini.

Atuação da Kroll – Outra informação destacada por Professor Cleiton foi a de que o delegado teria afirmado suspeitar que a atuação da Kroll Associates Brasil (empresa de investigações corporativas) na Cemig não seria lícita. 

Segundo o deputado, o delegado já havia verificado que a Kroll começou a atuar na estatal antes de ter um contrato formal, como foi constatado posteriormente pela CPI. Além disso, na sua opinião, os serviços prestados não teriam seguido os padrões de investigação jurídica e forense. 

Já o deputado Roberto Andrade (Avante) ponderou que o relato de Gabriel Fonseca trouxe apenas “fragmentos” de depoimentos que ele recordava e opiniões pessoais, como no caso da atuação da Kroll. O deputado argumentou que é preciso ter acesso a todo o conteúdo da investigação da Polícia Civil, e não apenas a trechos de depoimentos.

Os deputados informaram que outro assunto debatido na reunião foram os motivos que levaram à transferência do delegado Gabriel Fonseca para uma delegacia em Venda Nova e o seu afastamento do inquérito. Para esclarecer o fato, foi aprovada a convocação do chefe da Polícia Civil, Joaquim Francisco Neto e Silva.

O deputado Professor Cleiton disse que a transferência do delegado não ocorreu a seu pedido. Ele destacou que a transferência causou estranheza, tornando necessário que a CPI tenha acesso a todas as investigações conduzidas na Deccor.

O deputado Roberto Andrade, por sua vez, classificou a transferência como um processo normal do serviço público, no qual as alterações de cargos de superiores acabam gerando um efeito dominó e levando a outras substituições. Ele ressaltou que o inquérito foi assumido por outro delegado experiente.

Joaquim Francisco Neto Silva, chefe da Polícia Civil do Estado, e Cledorvino Belini, ex-diretor presidente da Cemig, serão ouvidos pel CPI na condição de testemunhas, assim como Luis Paroli Santos, ex-presidente da Light. 

Também foram aprovados requerimentos para que sejam ouvidos, na condição de investigados, Reynaldo Passanezi Filho, atual diretor-presidente da Cemig, e Eduardo Soares, diretor de Regulação e Jurídico da estatal. Este último irá prestar novo depoimento para dar detalhes sobre sua atuação enquanto diretor, esclarecendo melhor as contratações diretas realizadas pela empresa no período investigado, sobretudo em razão de contradições e omissões identificadas no seu depoimento anterior. (Com informações da ALMG)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!