COTAÇÃO DE 23 A 25/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6270

VENDA: R$5,6270

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,8030

EURO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,6750

OURO NY

U$1.792,47

OURO BM&F (g)

R$327,87 (g)

BOVESPA

-1,34

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Política

Ministro da Saúde é convocado pela terceira vez para CPI da Covid

COMPARTILHE

POR

Queiroga deverá explicar a mudança na pauta do “tratamento precoce” | Crédito: REUTERS/Adriano Machado

São Paulo – A CPI da Covid no Senado aprovou ontem convocação para que o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, preste esclarecimentos à comissão pela terceira vez, após sair da pauta da reunião de um órgão técnico da pasta a recomendação para que medicamentos sem eficácia contra a Covid-19 não sejam usados no tratamento da doença.

A informação de que a recomendação contrária ao uso de hidroxicloroquina e ivermectina no tratamento da Covid foi retirada da pauta da reunião da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec) chegou à Comissão Parlamentar de Inquérito ontem e levou à aprovação de um requerimento do senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) para ouvir Queiroga.

PUBLICIDADE

“O senhor presidente da República se reuniu anteontem com o senhor (Eduardo) Pazuello (ex-ministro da Saúde) e com o senhor general (Luiz Eduardo) Ramos (ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência) e mandou a ordem para o senhor ministro Marcelo Queiroga: ‘tira da pauta, não vota’”, disse o vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), durante sessão do colegiado.

“Eu não tenho conhecimento de uma intervenção tão absurda no âmbito do Sistema Único de Saúde, no âmbito do Ministério da Saúde quanto essa”, acrescentou.

O presidente Jair Bolsonaro defende frequentemente o que chama de “tratamento precoce” com medicamentos já provados ineficazes contra a Covid-19, como hidroxicloroquina e ivermectina, e levou a defesa desses remédios pra o discurso que fez à Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, no mês passado.

“Ou a gente toma essa providência (convocar Queiroga) ou ano que vem vai ter programação nacional de imunização com cloroquina, ao invés de programação nacional de imunização com vacina”, disse Randolfe.

“O senhor presidente da República interveio porque considerou que essa resolução que nós acabamos de ler seria uma derrota. Olha qual é a bandeira do governo Bolsonaro, é a cloroquina. Então considero inevitável a vinda do senhor Queiroga a essa CPI.”

A CPI também aprovou requerimento dando prazo de 24 horas para que a Conitec encaminhe aos senadores o parecer que seria votado ontem, assim como as razões que levaram à retirada dele da pauta.

O Ministério da Saúde não respondeu de imediato a pedidos de comentários sobre a nova convocação de Queiroga. A pasta e a Presidência da República também foram procuradas para comentar as afirmações de Randolfe, mas tampouco responderam de imediato.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!