COTAÇÃO DE 01/12/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6700

VENDA: R$5,6710

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6870

VENDA: R$5,8270

EURO

COMPRA: R$6,3654

VENDA: R$6,3672

OURO NY

U$1.779,55

OURO BM&F (g)

R$322,58 (g)

BOVESPA

-1,12

POUPANÇA

0,4412%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Política

Queiroga evita se posicionar no Senado

COMPARTILHE

Marcelo Queiroga, Ministro da Saúde
Crédito: Ueslei Marcelino/Reuters

Brasília – O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, evitou se posicionar na CPI da Covid sobre declarações do presidente Jair Bolsonaro a favor do uso da cloroquina como tratamento precoce contra o coronavírus e sobre a ameaça do presidente de editar decreto contra medidas restritivas impostas por estados e municípios para coibir a transmissão da doença.

O ministro sofreu pressões em diversas ocasiões para que respondesse se concordava com a opinião de Bolsonaro sobre a cloroquina e sobre as medidas impostas por gestores locais para enfrentar a pandemia.

PUBLICIDADE

O relator da Comissão Parlamentar de Inquérito, Renan Calheiros (MDB-AL), e o presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), o lembraram repetidamente que ele estava ali na condição de testemunha e, portanto, obrigado a dizer a verdade e a responder aos questionamentos.

“Eu não faço juízo de valor acerca da opinião do presidente da República”, afirmou o ministro quando questionado sobre o uso da cloroquina, recorrendo à mesma afirmação para responder sobre o eventual decreto que Bolsonaro ameaçou editar e também quando questionado sobre declarações do presidente a respeito da China e sobre a eficácia de vacinas.

As esquivas do ministro provocaram algum tumulto na CPI, à medida que Aziz e Renan, entre outros, pressionavam por respostas, enquanto senadores governistas tentavam intervir.

“Presidente, o relator está tentando induzir a testemunha. Isso não é permitido”, disse o senador Marcos Rogério (DEM-RO), respondido em seguida pelo presidente da CPI. “Não, senhor! Até minha filha de 12 anos falaria ‘sim’ ou ‘não’”, disse Aziz.

Mas pressionado pelo senador Rogério Carvalho (PT-SE), que o perguntava se as aglomerações promovidas sistematicamente pelo presidente ajudavam na proliferação do vírus, Queiroga respondeu que “toda aglomeração deve ser dissuadida, independente de quem a faça”.

Queiroga também reconheceu que o isolamento físico e o uso de máscaras são importantes  – apesar de declarações no sentido contrário de Bolsonaro, para quem o uso de máscara está “enchendo o saco”.

Em diversas ocasiões, ainda que tenha se esquivado de perguntas que pudessem indispô-lo com o presidente da República, reiterou que a estratégia do ministério tem a vacinação como principal foco.

“É uma oportunidade de eu reiterar: o isolamento físico é importante, o uso de máscaras é importante. Eu tenho feito isso todos os dias, todos os dias”, disse, ante questionamentos do presidente da CPI a respeito das medidas de proteção não farmacológicas.

“Nós precisamos investir fortemente na vacinação da nossa população. Nós temos que orientar a nossa população a aderir às medidas não farmacológicas, que parecem simples, e são simples, mas é necessário um reforço reiterado, como, por exemplo, o uso das máscaras”, afirmou.

O depoimento de Queiroga durou mais do que o esperado e diante de extensa lista de parlamentares inscritos para questionamentos, o comando da CPI decidiu adiar para a próxima terça-feira (11) a fala do diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antonio Barra Torres, inicialmente previsto também para esta tarde.

Com isso, a oitiva do ex-secretário de Comunicação Social da Presidência Fábio Wanjgarten vai ficar para a próxima quarta-feira (12). (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!