COTAÇÃO DE 21/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6670'

VENDA: R$5,6680

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6800

VENDA: R$5,8270

EURO

COMPRA: R$6,5669

VENDA: R$6,5699

OURO NY

U$1.783,12

OURO BM&F (g)

R$323,30 (g)

BOVESPA

-2,75

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Política

Reforma da Previdência prevê impacto de R$ 1,13 trilhão

COMPARTILHE

Relatório apresentado ontem na comissão especial não tem data definida para ser votado - Crédito: Pablo Valadares/Reuters

Brasília – O impacto fiscal total da reforma da Previdência deve ficar em torno de R$ 1,13 trilhão, mas o parecer do relator Samuel Moreira (PSDB-SP), apresentado ontem, ainda não tem uma data para ser votado pela comissão especial da Câmara dos Deputados.

Segundo a assessoria de Moreira, a reforma prevê uma economia em dez anos de R$ 913,4 bilhões e haverá uma receita de R$ 217 bilhões decorrente do fim da transferência de recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) para o BNDES, medida que passa a valer assim que promulgada a emenda constitucional da Previdência.

PUBLICIDADE

Moreira disponibilizou seu texto antes das 11h, mas só começou a leitura do mesmo na comissão especial da Câmara às 13h, depois que os líderes dos partidos no colegiado usaram o tempo para discursar a favor e contra a proposta.

O relatório excluiu os pontos que enfrentavam mais resistências entre os deputados. Desse modo ficaram fora as alterações no Benefício de Prestação Continuada (BPC) e nas aposentadorias rurais, a previsão do regime de capitalização e a extensão das novas regras previdenciárias para estados e municípios.

A reforma da Previdência é considerada fundamental para ajudar a reequilibrar as contas públicas e preparar o caminho para a retomada do crescimento econômico.

Pouco antes do início da reunião da comissão especial, oposição e presidente da comissão, deputado Marcelo Ramos (PL-AM), reuniram-se para rediscutir um acordo de procedimento para a discussão da PEC. Após mal-estar na véspera devido a uma entrevista coletiva do relator, acompanhado de partidos do centro, para a qual a oposição não foi chamada, deputados apararam as arestas.

Se de um lado a oposição prometeu não obstruir a discussão da proposta, o governo se comprometeu a não encerrar as falas e discursos antes da votação. E o presidente da comissão, de sua parte, declarou ao abrir a reunião que não há uma data definitiva para a votação da PEC.

Na quarta-feira (12), o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), chegou a declarar que a proposta poderia ser votada no próximo dia 25 na comissão especial. Depois disso, Ramos disse que seu esforço seria para que a votação fosse iniciada no colegiado no dia 27.

Ramos, no entanto, afirmou nesta quinta-feira após o acordo com a oposição que não teria como “carimbar” uma data.

“O tempo tem elementos que independem da vontade deste presidente”, disse. “O tempo e a data da votação estão condicionados à quantidade de inscritos, à qualidade do acordo em torno do relatório e à quantidade de destaques.”

Inclusão – Moreira afirmou ontem que vai trabalhar para garantir que estados e municípios sejam incluídos novamente na reforma da Previdência, pouco depois de apresentar seu parecer excluindo os entes regionais das mudanças no sistema.

Segundo Moreira, agora o trabalho é para que haja um grande entendimento nacional e ele disse que vai lutar para que, não apenas os servidores da União, mas o de estados e municípios entrem na reforma.

“Eles podem ser incluídos a qualquer momento”, disse ele, em entrevista após a leitura do parecer. Ele frisou que o trabalho não se encerrou, que essa foi somente uma etapa.

O relator destacou que é importante que os governadores que querem os efeitos da reforma para seus funcionários também apoiem as mudanças em discussão no Congresso.

O presidente da comissão, deputado Marcelo Ramos (PR-AM), concedeu vistas coletivas do texto após o encerramento da leitura.

O líder do governo na Câmara, Major Victor Hugo (PSL-GO), disse que a intenção é tentar aprovar a reforma no plenário da Casa antes do recesso parlamentar. Ele também afirmou que vai trabalhar para garantir quorum nesta sexta-feira e na segunda-feira (17) na Câmara a fim de contar prazo para que se inicie a discussão da reforma na comissão –para isso, é preciso que ao menos 51 deputados registrem presença nas duas sessões.

Apesar da intenção do governo de tentar votar o quanto antes o parecer, o presidente da comissão especial, deputado Marcelo Ramos (PR-AM), voltou a dizer que não iria “especular data” para votação da proposta sob o argumento de que isso pode gerar “instabilidade”. Essa postura de Ramos faz parte de um acordo dele com a oposição.

O presidente da comissão defendeu que a discussão da reforma é “muito importante” para que se esteja preocupado com feriado e festas juninas – que tradicionalmente reduzem a presença de parlamentares no Congresso. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!