COTAÇÃO DE 17/05/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$4,9420

VENDA: R$4,9430

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,0400

VENDA: R$5,1520

EURO

COMPRA: R$5,2307

VENDA: R$5,2334

OURO NY

U$1.814,77

OURO BM&F (g)

R$290,29 (g)

BOVESPA

+0,51

POUPANÇA

0,7025%

OFERECIMENTO

Turismo

Projeto cria rota turística para Brumadinho

COMPARTILHE

Crédito: Divulgação

As montanhas da Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) são o cenário ideal para diversos esportes ao ar livre e de aventura. Tradicionalmente o espaço abriga competições de motocicleta e recebe viajantes interessados em desfrutar do território rico em natureza e história.

Para atender esse público com segurança e qualidade de serviços, foi apresentado na Assembleia Legislativa de Minas Gerais o projeto “Rota Capitão Senra”. O propósito, que parte da iniciativa privada, quer aproveitar o trecho da Rodovia AMG-0160, que liga a BR-040 a São Sebastião das Águas Claras (Macacos), distrito de Nova Lima, que recebeu o nome de Rodovia Capitão Senra, para criar uma rota turística até Brumadinho.

PUBLICIDADE




De acordo com o coordenador do projeto, Ânderson Rocha, a ideia é aproveitar e potencializar a estrutura já existente, fazendo pequenos ajustes para atrair esse público.

“Esse é um turismo de estrada e ela já existe. O principal investimento seria em sinalização turística e do trajeto. A parte mais cara e de maior impacto ambiental já está pronta. Agora é capacitar e fomentar a cadeia produtiva”, explica Rocha.

O objetivo é fazer a travessia de um município ao outro utilizando o Parque do Rola Moça em um sentido e a Serra da Moeda em outro. A ideia é utilizar a representatividade do capitão para promover a nova rota turística. Entusiasta do motociclismo, foi o fundador de um dos mais antigos motoclubes do País, o Águias de Aço. O mineiro Capitão Senra foi escolhido pela própria marca Harley-Davidson como cliente símbolo no Brasil. Ele morreu em 2016, aos 84 anos de idade.

Perfil – Diferentemente do estereótipo de homens mal encarados propagado pelo cinema, os motociclistas são turistas que costumam viajar em família e têm um tíquete médio mais alto que a média dos turistas de lazer. Acostumados a andar em grupos familiares ou de amigos, costumam movimentar serviços e comércio das regiões escolhidas.

PUBLICIDADE




“O motociclista é, por princípio, um amante da natureza. Atualmente, o Brasil tem mais de 4 mil motoclubes, com cerca de 200 mil associados. É bastante comum que eles realizem ações sociais e de preservação nos destinos por onde passam”, relata o coordenador que tem 30 anos de motociclismo.

O projeto ainda está no início e não existem estudos de impacto econômico. A ideia, porém, já é bem vista pelas administrações municipais. Para a gestora de Turismo da Prefeitura de Nova Lima, Fabiana Giorgini, a Rota é uma oportunidade de fortalecer o ecoturismo na cidade e recuperar o volume de visitas que diminuiu após as notícias de um possível rompimento de barragens na região.

“Sexta-feira foi uma apresentação e falamos dos benefícios de participar do projeto. Precisamos agora reunir toda a cadeia produtiva em torno da Rota estabelecendo as necessidades e obrigações dos entes públicos e privados. Estamos em um momento de reconstrução da imagem de Macacos e toda a região. Queremos mostrar que somos um destino seguro e com infraestrutura para receber a todos”, destaca Fabiana Giorgini.

A diretora da Secretaria de Turismo e Cultura de Brumadinho, Maria Lúcia Guedes, também destaca a importância do turismo na reconstrução da imagem da cidade depois da tragédia provocada pela mineradora Vale em janeiro, quando a barragem da Mina Córrego do Feijão cedeu, deixando 249 mortos e 21 desaparecidos até agora.

“Muitos motociclistas frequentam a região e a organização da Rota é mais um meio de trazer turistas pra cá. Lutamos para desenvolver o turismo em várias frentes e retomar um ritmo de crescimento que existia antes da tragédia”, completa Maria Lúcia Guedes.

Iniciativa prevê criar rede de cidades criativas

Os ministérios do Turismo e da Cidadania se reuniram para dar continuidade às tratativas da criação da Rede Brasileira de Cidades Criativas. As Pastas discutiram sobre aspectos do Acordo de Cooperação Técnica, encaminhamentos para o primeiro produto desse Acordo e estratégias de lançamento da Rede.

A Rede Brasileira, que é uma iniciativa baseada na Rede Mundial de Cidades Criativas, criada em 2004 pela Unesco, tem como objetivo estimular o desenvolvimento da Economia Criativa nos municípios brasileiros, gerar inclusão social e econômica com sustentabilidade.

Além disso, busca incrementar as cadeias produtivas locais e regionais, impulsionar a dinâmica e a colaboração com os setores de turismo e de serviços transversais à cultura.

Para o secretário de Integração Interinstitucional, Bob Santos, a iniciativa traz, acima de tudo, qualidade de vida para as localidades afetadas. “Esse acordo de cooperação técnica dá poder de desenvolvimento turístico, econômico, cultural e social às comunidades. Ele é um instrumento que afeta diretamente a qualidade de vida das cidades, criando soluções criativas de melhorias locais. O turismo tem muito a ganhar com esse projeto”, ressaltou o secretário.

De acordo com a Unesco, as cidades da rede trabalham em busca de dois objetivos comuns: colocar as indústrias criativas e culturais no centro dos planos de desenvolvimento locais e cooperar ativamente por meio de parcerias entre cidades em nível nacional e internacional. São sete categorias: artesanato e artes folclóricas, design, cinema, gastronomia, literatura, artes midiáticas e música. Os municípios só podem se candidatar a uma única categoria da Rede de Cidades Criativas. Atualmente, a rede conta com 180 cidades em 72 países.

Oito cidades brasileiras fazem parte da Rede Mundial: Belém (PA), Florianópolis (SC) e Paraty (RJ), no campo da Gastronomia; Brasília (DF) e Curitiba (PR), no do Design; João Pessoa (PB), em Artesanato e Artes folclóricas; Salvador (BA), na Música; e Santos (SP), no Cinema.

Troca de experiência – O MTur participou, neste ano, de dois encontros importantes sobre cidades criativas. O Ecriativa, realizado em março, reuniu os oitos destinos nacionais que fazem parte da rede mundial e proporcionou troca de experiências sobre os projetos atuais e futuros com apresentação de painéis das cidades. A Pasta também esteve presente, em junho, na 5ª edição do Mercado de Indústrias Criativas Argentinas (MICA), que incentiva atividades turísticas com base na economia criativa. (Com informações do MTur)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!