Quinze bilhões de reais é o total de créditos a que PMEs têm direito a receber, mas estão em atraso ou simplesmente inadimplentes, segundo levantamento do Sebrae. O número assusta e indica que os pequenos empresários arcam com o prejuízo. Recorrer a empresas de cobrança tradicionais pode não ser a melhor opção pois, muitas vezes, elas exigem uma carteira de títulos em atraso alta demais para o porte desses negócios.

A fim de suprir essa demanda e facilitar a vida dos empreendedores, foi lançada a debitto (www.debitto.com.br), fintech de cobrança online.


“Recuperar créditos perdidos é a melhor fonte de recursos para PMEs, ainda mais considerando os custos de outras formas de financiamento”, diz o CEO da debitto, Cristiano Del Moral. Ele e mais três sócios já atuam há 20 anos no setor com um call center de cobrança, e identificaram um nicho na necessidade de pequenos empresários por ferramentas mais simples e efetivas para criar a startup. Entre as principais vantagens que oferece está a flexibilidade na quantidade e valor de títulos que as empresas podem registrar para cobrança, já que mesmo os menores fazem grande diferença nas contas se não forem pagos.


Sobre a efetividade na recuperação das quantias, Del Moral ressalta que o tempo da dívida é essencial, mas que, em média, o empresário tem seu dinheiro de volta em 30% a 40% dos casos. “Quanto mais recente, maior a probabilidade de dar certo. Um cheque que voltou há dois anos tem mais chances que um de cinco anos”, explica. A startup fica com 20% dos valores que consegue recuperar.


O funcionamento é simples. O usuário realiza um cadastro próprio no site e, depois, insere as informações do título inadimplente – cheques, boletos, duplicatas, entre outros -, manualmente ou por upload de uma planilha. A partir desse ponto, a equipe da debitto define internamente uma estratégia de cobrança e inicia os contatos seguindo uma “régua de acionamento”, que passa por e-mail, SMS, WhatsApp e ligação, além de atualizar os dados de clientes que tenham mudado o endereço ou telefone.


“Faremos todo o esforço necessário para receber do devedor, ao contrário de outras soluções, que disponibilizam apenas uma plataforma e deixam todo o trabalho para o cliente”, declara o CEO. O software tem integração flexível a qualquer tipo de sistema, e o usuário monitora os resultados por um painel exclusivo.


A expectativa é atender ao menos 500 clientes e R$ 1 milhão em dívidas até o final de 2019 e implementar outras ferramentas de gestão, assim como oferecer consultoria sobre inadimplência. “Queremos estar cada vez mais próximos dos empreendedores e estimular seu crescimento”, declara Del Moral.