COTAÇÃO DE 07/12/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6180

VENDA: R$5,6180

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6500

VENDA: R$5,7830

EURO

COMPRA: R$6,3427

VENDA: R$6,3451

OURO NY

U$1.784,35

OURO BM&F (g)

R$323,23 (g)

BOVESPA

+0,65

POUPANÇA

0,5154%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Agronegócio

China quer reduzir milho e soja em ração animal e preocupa comércio global

COMPARTILHE

POR

soja
Crédito: Stringer/ Reuters

Pequim – O ministério de agricultura da China lançou uma campanha para reduzir o volume de milho e farelo de soja contido na ração para animais, segundo documento publicado nesta semana, o que pode ter repercussões sobre o comércio global de grãos.

O documento, enviado a produtores de ração e outros departamentos do governo, apresenta um plano para que especialistas em nutrição tracem diretrizes até o final deste mês sobre como o milho e o farelo de soja poderiam ser substituídos por outros grãos, disseram três fontes com conhecimento do assunto à Reuters.

PUBLICIDADE

O Ministério da Agricultura e Assuntos Rurais não respondeu de imediato a um pedido de comentário.

O documento vem em meio a um crescente déficit de milho na China, que tem pressionado a máximas recorde os preços do grão, utilizado principalmente para ração. Isso também levou a um salto nas importações do segundo maior consumidor global de milho.

Dados de alfândega, nesta quinta-feira, mostraram que as importações de milho pela China nos primeiros dois meses do ano subiram 400%, para 4,8 milhões de toneladas, enquanto importações de trigo e sorgo também aumentaram. 

Covid-19

O movimento também vem após o governo chinês ter ampliado seu foco na segurança alimentar, com a Covid-19 gerando preocupações sobre sua dependência de importações e estabilidade de fornecedores.

Participantes do setor disseram que não é muito claro o impacto das diretrizes, uma vez que não há expectativa de que elas sejam vinculantes.

“É mais fácil falar do que fazer”, disse o analista da StoneX, Darin Friedrichs.

Os volumes de produção de outras proteínas como colza e girassol são uma fração do volume global de produção de soja.

“Agora você tem o Brasil carregando mais de 2 milhões de soja em navios toda semana para embarque à China. Você não tem esse tipo de escala e eficiência com outros produtos”, acrescentou Friedrichs.

O ministério disse que deseja alcançar um equilíbrio entre oferta e demanda de grãos para ração e promover maior uso de arroz, trigo e outros grãos, além de outras farinhas para substituir o milho e o farelo de soja.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!