COTAÇÃO DE 15/01/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,3032

VENDA: R$5,3042

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3300

VENDA: R$5,4530

EURO

COMPRA: R$6,3735

VENDA: R$6,3752

OURO NY

U$1.825,72

OURO BM&F (g)

R$309,68 (g)

BOVESPA

+1,27

POUPANÇA

0,1159%

OFERECIMENTO

Mercantil do Brasil - ADS

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Agronegócio

Preço do leite pago ao produtor recua pela primeira vez neste ano

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Em maio, o preço do leite para os produtores diminuiu 5,17% em MG | Crédito: Divulgação

Pela primeira vez no ano, o preço pago pelo litro de leite recuou em Minas Gerais. De acordo com os dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), em maio, referente à entrega feita em abril, a queda foi de 5,17%, com o preço médio líquido recebido pelo produtor encerrando o período em R$ 1,39. No mês, a redução foi atribuída ao menor consumo de lácteos em função do isolamento social para o controle do novo coronavírus e da queda da renda das famílias.

O recuo ocorre em um momento crítico para os produtores, que enfrentam o aumento do custo com o início da entressafra. Com a tendência de queda natural da produção e o desestímulo em função dos baixos preços, a estimativa é de que, neste mês, ocorra uma recuperação de parte da margem perdida no pagamento de maio.

De acordo com o analista de agronegócios da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg), Wallisson Lara, a queda na cotação do leite, em maio, ocorreu devido aos impactos da pandemia do novo coronavírus, que reduziu a demanda pelos produtos lácteos. Além do fechamento de várias atividades econômicas e a suspensão das aulas, o aumento do desemprego e a redução da renda das famílias também afetaram de forma negativa o consumo.

O Conselho Paritário entre Produtores de Leite e Indústrias de Laticínios (Conseleite), em Minas Gerais, também registrou uma tendência de queda de 5,5% ou R$ 0,08 no preço do leite padrão em maio, referente à produção entregue em abril. O litro do leite padrão, que serve de base para o produtor calcular o preço que irá receber, deve conter 3,3% de gordura, 3,1% de proteína, 400 mil células somáticas por mililitro, 100 mil unidades formadoras de colônias por mililitro e uma produção individual diária de até 160 litros.

“O mercado do leite tem sido marcado por fases. Na primeira fase, logo que se anunciou o isolamento, o mercado foi marcado por uma demanda elevada, com as pessoas estocando os produtos, principalmente o leite UHT e leite em pó. Já na segunda fase, tivemos uma redução do consumo pela menor renda da população, o que impactou de forma negativa a demanda das indústrias e, consequentemente, provocou a desvalorização do leite no campo”, destacou Lara.

Na terceira fase, o pagamento do auxílio emergencial, feito pelo governo federal, e a retomada gradual das atividades que vem ocorrendo em Minas Gerais têm estimulado o consumo de lácteos, por isso, para junho, a tendência é de recuperação de parte da queda registrada nos preços em maio. A recuperação dos valores é considerada essencial para a manutenção dos pecuaristas na atividade leiteira.

Produção mais cara – Lara explica que, em relação ao mesmo período do ano passado, os custos de produção aumentaram cerca de 18%. Dentre os fatores que provocaram o avanço dos custos está a desvalorização do real frente ao dólar, o que encarece as commodities como o milho e a soja, que, neste período do ano, com a redução da oferta de pastagem, tornam-se essenciais para a alimentação dos bovinos.

“Estamos no início da entressafra, quando há uma queda natural da produção. Com o desestímulo devido aos preços baixos e os custos altos, a tendência, caso não haja recuperação dos preços, é de maior queda no volume de leite. Nestes primeiros dias de junho, já está havendo uma maior disputa entre as indústrias para a aquisição do leite e a estimativa, já que a oferta é menor, é de que os preços se recuperem em junho”.

Os dados do Cepea mostram que o Índice de Captação Leiteira (Icap-L) registrou queda de 0,6% de março para abril na média Brasil, que inclui Minas Gerais, e acumula baixa de 12,4% neste ano.

Consumidor não vê redução – Mesmo com a queda nos preços pagos aos produtores, a redução não tem chegado ao varejo. De acordo com Lara, a indústria encontra dificuldades de negociar junto ao mercado final.

“A queda nos preços do leite não chega ao varejo, que é soberano. As grandes redes que atuam no mercado ditam os preços. A indústria não tem força perante o varejo e o produtor muito menos. O Conseleite tem contribuído para que a gente tenha essa clareza e para entendermos que grande parte da margem tem ficado no varejo. É preciso união e cooperativismo para mudarmos este cenário”, explicou.

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

VEJA TAMBÉM

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!