COTAÇÃO DE 18/06/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,0680

VENDA: R$5,0690

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,0370

VENDA: R$5,2330

EURO

COMPRA: R$5,9716

VENDA: R$5,9733

OURO NY

U$1.764,31

OURO BM&F (g)

R$286,98 (g)

BOVESPA

+0,27

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Agronegócio

Produtores avaliam legislação estadual do queijo artesanal

COMPARTILHE

A criação de lei para os queijos artesanais beneficia a cadeia produtiva | Foto: Acervo pessoal/Capim Canastra

Os produtores de queijos artesanais de Minas Gerais discutiram, nesta semana, a proposta de texto do governo estadual para a Lei dos Queijos Artesanais de Minas Gerais (23157/18). O objetivo foi analisar as proposições e contribuir para a formulação de uma legislação que promova a legalização da produção dos vários tipos de queijos artesanais fabricados em Minas Gerias e que garanta a qualidade e a sanidade dos produtos.

A criação de uma lei que abranja diversos tipos de queijos artesanais é considerada fundamental para a geração de renda, qualidade de vida e para a manutenção dos produtores na atividade. As contribuições e demandas levantadas no encontro serão enviadas ao governo do Estado.

PUBLICIDADE

O superintendente técnico da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg), Altino Rodrigues Neto, explica que foram realizadas duas reuniões para avaliar o decreto que irá regulamentar a Lei dos Queijos Artesanais de Minas Gerais (23157/18).

A primeira, realizada no dia 12 e setembro, foi feita com representantes dos produtores do Queijo Minas Artesanal (QMA) e a segunda, na última terça-feira (17), com produtores de queijos de leite cru, mas que não são regiões reconhecidas como o QMA. Participaram das reuniões cerca de 50 produtores das diversas regiões de Minas Gerais.

“As reuniões são fundamentais para reunir o setor e discutir o decreto para a criação de uma lei que realmente possa ser aplicada. A lei vai permitir a legalização de outros tipos de queijos, além do QMA, são produtos que estavam no limbo, sem legislação. A lei contempla vários tipos de queijos como os feitos de leite de cabra, de ovelha, o cabacinha, o requeijão moreno, entre outros”, explicou Altino.

Ainda segundo Rodrigues, os produtores de queijos artesanais do Estado estão buscando informações, estudando as normas e querendo legalizar a produção. Também estão sendo feitos diversos trabalhos para descrição dos produtos, criação de identidade dos queijos, o que é fundamental para que sejam regulamentados.

Ao longo das reuniões, as normas foram discutidas e será elaborado um documento com propostas para serem encaminhadas ao governo. “Esperamos que o governo aprove todas as propostas ou, pelo menos, a maioria delas. Reunir os produtores e ouvi-los é um grande avanço. São pessoas que têm tradição, vivência e experiência na produção de queijos e muitas informações podem ser aproveitadas, mas estava sem oportunidade de se manifestarem”.

Ainda segundo Altino, os produtores de Minas estão mais conscientes em relação à importância de regulamentar a fabricação dos queijos. Além de poder comercializar o produto com segurança, a regulamentação permite a agregação de valor e atesta a sanidade, levando mais confiança para o consumidor.

“Os produtores estão percebendo que investir na produção é importante, que agrega valor. Estão surgindo, em Minas, vários tipos de queijos, com maturações diversas, usos de fungos. Além disso, as universidades estão interessadas e pesquisando a produção. Tudo em função do momento que o queijo está vivendo, com o consumidor exigente e buscando produtos artesanais. Então, é um momento muito bom e ficaríamos muitos felizes se o governo entender que apoiar os pequenos produtores é um investimento e não custo. Nós precisamos de uma Emater-MG forte, um IMA eficiente para que essas pessoas permaneçam no campo, produzindo com qualidade de vida e renda”, disse Rodrigues.

Pontos positivos – Na análise feita pelos produtores em relação à lei, um dos pontos mais positivos é a inclusão dos queijos feitos com leite de cabras, ovelhas e búfalas, que não estavam em legislação nenhuma e, quando sancionada, serão contemplados.

Outros pontos positivos são a regulamentação de fungos já estudados e o reconhecimento da profissão de afinador de queijos. Os afinadores são profissionais que pegam queijos de produtores e faz uma maturação e acabamento diferenciado e de maior valor agregado.

Alterações solicitadas – Entre as alterações solicitadas pelos produtores está o credenciamento de mais laboratórios para que os produtores possam fazer a análise do leite. Hoje, a lei exige que as analises sejam feitas somente nas redes oficiais, que são dois laboratórios, um em Juiz de Fora e outro em Belo Horizonte.

“Nós sabemos que o custo para fazer esse tipo de análise é alto para os pequenos produtores que estão mais afastados dos laboratórios oficiais. Nossa sugestão é que sejam credenciados laboratórios de universidades em várias regiões do Estado, o que facilitaria o acesso para os produtores”.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!