COTAÇÃO DE 14/05/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2710

VENDA: R$5,2710

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,2700

VENDA: R$5,4330

EURO

COMPRA: R$6,3961

VENDA: R$6,3990

OURO NY

U$1.843,90

OURO BM&F (g)

R$311,62 (g)

BOVESPA

+0,97

POUPANÇA

0,2019%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia zCapa

Aeroporto industrial deve atrair aportes de R$ 3,5 bi

COMPARTILHE

Crédito: Divulgação

A BH Airport, concessionária que administra o Aeroporto Internacional, em Confins, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), já fechou pelo menos dez acordos de confidencialidade com empresas que desejam se instalar no aeroporto industrial do terminal.

O início das operações ocorrerá nas próximas semanas, com a chegada da Clamper Indústria e Comércio S/A, a primeira empresa a operar no entreposto aduaneiro – o primeiro do tipo em toda a América Latina.

PUBLICIDADE

De acordo com o diretor-presidente da BH Airport, Marcos Brandão, o empreendimento poderá atrair R$ 3,5 bilhões de investimentos e gerar 40 mil empregos entre diretos e indiretos nos próximos anos, resgatando a competitividade das empresas nacionais, por meio de processos de internacionalização, que incluem um regime especial de tributação.

Na prática, insumos importados para a produção de bens de alto valor agregado contam com isenção de impostos, o que também vale para a comercialização no exterior. A rapidez aduaneira é outro benefício do chamado aeroporto industrial, que sai do papel após quase duas décadas de planejado.

“O projeto faz parte de uma estratégia empresarial ampla, que visa transformar o Aeroporto Internacional de Belo Horizonte em um importante hub. Dentro deste contexto, desenvolvemos sete linhas de negócios e uma delas é a de soluções logísticas, cuja principal objetivo é atrair investimentos de alto valor agregado que possam ser transportados via modal aéreo. Não há algo similar no Brasil nem na América Latina”, anunciou.

O primeiro aeroporto industrial do Brasil conta com uma área disponível de 750 mil metros quadrados e, conforme já publicado, o número de empresas que poderá abrigar depende da área que cada uma demandará. Porém, a expectativa é de atrair cerca de 250 negócios nos próximos anos. Segundo Brandão, as áreas demandas até agora vão desde 80 mil metros quadrados até 500 mil metros quadrados – em consonância com o perfil do empreendedor.

O entreposto aduaneiro foi inaugurado ontem em evento realizado a distância e contou com a participação de diversas autoridades, entre as quais o governador Romeu Zema (Novo), o presidente da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), Agostinho Patrus (PV), o presidente da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), Flávio Roscoe, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, e outras.
Zema definiu o empreendimento como uma grande oportunidade para Minas Gerais e

destacou sua importância no contexto de diversificação econômica do Estado, por meio da atração de novos investimentos, abertura e conexão com o comércio exterior.

“Minas sempre dependeu de poucos produtos, ficando muito suscetível a crises. Além disso, o Estado se tornou notório pelas dificuldades e burocracias e queremos acabar com todas elas. Estamos simplificando toda a parte tributária e fiscal”, garantiu.

O governador também lembrou que o Estado tem pleiteado investimentos junto ao governo federal para melhorar a infraestrutura, com investimentos em rodovias federais no metrô, em vistas de diversificar a economia e melhorar a logística. “Nós estamos no pior momento, numa recessão econômica em meio a uma pandemia, mas estamos olhando para frente e, com certeza, isso nos prepara para sairmos muito mais fortalecidos”, argumentou.

Competitividade – O presidente da Fiemg, por sua vez, falou que o aeroporto industrial abre uma nova oportunidade para indústria mineira sob a perspectiva da retomada da competitividade, uma vez que oferece condições favoráveis de importação e exportação.
“Vai permitir também atrair para Minas Gerais outros investimentos cujo foco esteja em produtos de alto valor agregado com comercialização no exterior. Vai fortalecer o segmento de alta tecnologia e, com isso, aumentar diversificação econômica mineira”, avaliou.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!