COTAÇÃO DE 14/05/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2710

VENDA: R$5,2710

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,2700

VENDA: R$5,4330

EURO

COMPRA: R$6,3961

VENDA: R$6,3990

OURO NY

U$1.843,90

OURO BM&F (g)

R$311,62 (g)

BOVESPA

+0,97

POUPANÇA

0,2019%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia zCapa
Os preços de materiais de construção, como aço e cimento, já subiram 30% neste ano | CRÉDITO: ALISSON J. SILVA/Arquivo DC

Apesar do mercado aquecido, os custos com materiais de construção em alta podem elevar os preços dos imóveis e frear os lançamentos das incorporadoras em Minas Gerais. De acordo com o Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado de Minas Gerais (Sinduscon-MG), em média, os materiais de construção subiram cerca de 30% em 2020.

A insegurança é grande no setor em relação ao comportamento dos custos, o que precisa ser bem calculado, uma vez que os lançamentos levam cerca de dois a três anos para ser construídos e entregues.

PUBLICIDADE

De acordo com o vice-presidente da Área Imobiliária do Sinduscon-MG, Renato Michel, a elevação verificada nos preços de materiais de construção, principalmente, do cimento, aços e PVC, é injustificada e foi muito acima da inflação ou de outro índice de correção de mercado. Com esse aumento, as incorporadoras estão inseguras, o que pode impactar de forma negativa nos lançamentos previstos.

“A estimativa era que os lançamentos represados, a princípio, pela pandemia, retomassem com maior força no segundo semestre. Porém, veio o aumento dos custos em níveis muito elevados, com alguns materiais subindo mais de 50%. Desta forma, as construtoras ficam receosas em relação à alta dos custos, já que o empreendimento leva de dois a três anos para ficar pronto. É difícil investir porque a elevação foi muito grande e sem justificativa. Não existe um índice capaz de pegar essa valorização. O INCC, que é utilizado para os reajustes de contratos, dificilmente refletirá essa alta”, explicou.

Somente em agosto, segundo os dados do Sinduscon, o Custo Unitário Básico de Construção (CUB/m²) aumentou 1,69%, a maior elevação desde dezembro de 2018. Este resultado é justificado pela alta de 4,13% no custo com materiais de construção, a maior desde novembro de 2002 (4,93%), ou seja, dos últimos 18 anos. Aço, concreto e cimento, que juntos representam 30% do custo com materiais de construção, apresentaram os seguintes aumentos em agosto: 12,24%, 4,75% e 21,23%, respectivamente.

 Importação – Uma das possíveis saídas para conter o avanço dos preços dos materiais de construção é a isenção de impostos para importação. Caso os preços continuem elevados, o setor deve buscar, no mercado externo, alternativas para manter os projetos.

Com a alta dos custos, a tendência é que os preços dos imóveis também aumentem. Além disso, a demanda está elevada resultado dos juros baixos e da maior busca por imóveis mais confortáveis em função do isolamento social. Além da maior procura, a menor oferta está fazendo com que os preços subam. Em relação a julho do ano passado a alta observada no preço de apartamentos novos foi de 5,27%, enquanto o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), indicador oficial da inflação do País, foi de 2,31%.

Oferta de imóveis novos está baixa

A oferta de imóveis novos está em níveis abaixo do ideal para o mercado. Conforme o Censo do Mercado Imobiliário, realizado pela Brain Consultoria para o Sinduscon-MG, em julho, foram vendidos, em Belo Horizonte e Nova Lima, 370 apartamentos novos, o que representou uma alta de 16,7% em relação a igual mês do ano anterior, quando as vendas somaram 317 imóveis. Nos primeiros sete meses deste ano, em relação a igual período de 2019, as vendas registraram incremento de 11,56%.

Os dados do Sinduscon-MG mostram que as vendas continuaram superando o volume de lançamentos, o que têm levado o estoque disponível para comercialização aos menores patamares históricos. Em julho, foram lançados dois empreendimentos na Capital e Nova Lima, totalizando 63 unidades, o que representou um recuo de 14,86% em relação a julho do ano passado.

“Nos últimos dois anos, o setor vendeu bem, superando os lançamentos. Desta forma, não foi possível repor o estoque da cidade e a oferta de imóveis disponíveis vem caindo mês a mês. Há dois anos, em Belo Horizonte, a oferta era de cerca de 5 mil imóveis, hoje está abaixo de 3 mil, redução de 40% no período”, explicou o vice-presidente da Área Imobiliária do Sinduscon-MG, Renato Michel.

Segundo ele, em cidades do porte de Belo Horizonte, a média de imóveis para comercialização gira em torno de 6 mil a 7 mil. O que a capital mineira tem disponível hoje é 19% da oferta inicial, sendo que o saudável seria um volume de 25%.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!