São Paulo – A perspectiva do mercado para a taxa básica de juros em 2019 foi reduzida pela terceira semana seguida, em um cenário de inflação contida e depois que o Banco Central jogou para um futuro indeterminado eventual início de aperto monetário.

Os economistas consultados na pesquisa Focus do BC divulgada ontem passaram a ver a Selic a 7% no final deste ano, de 7,13% na mediana das projeções do levantamento anterior. Para 2020, a perspectiva continua sendo de taxa básica de juros terminando o ano a 8%.

Já o Top-5, grupo dos que mais acertam as previsões, ainda vê que a Selic permanecerá em piso histórico de 6,5% – patamar em que se encontra atualmente– ao longo de 2019.

O BC deixou de mencionar a possibilidade de um eventual início de aperto nos juros, jogando para um futuro indeterminado uma alta da Selic ao traçar um quadro favorável para a inflação, embora ainda alerte que os riscos altistas para o IPCA seguem no radar.

O Focus mostrou ainda que os economistas veem que o IPCA terminou 2018 com alta de 3,69%, sem alterar sua projeção. Para 2019 também permanece o cálculo de inflação de 4,01%.

O centro da meta oficial de 2018 é de 4,50% e, para 2019, de 4,25%. A margem de tolerância para ambos os anos é de 1,5 ponto percentual para mais ou menos.

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgará em 11 de janeiro o IPCA acumulado de 2018. Em dezembro, o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC havia atualizado suas projeções para a inflação. No cenário de mercado, o BC projeta IPCA de 3,7% em 2018, 3,9% em 2019, 3,6% em 2020 e 3,7% em 2021.

No Focus divulgado, entre as instituições que mais se aproximam do resultado efetivo do IPCA no médio prazo, denominadas Top 5, a mediana das projeções para 2018 seguiu em 3,66%. Para 2019, a estimativa do Top 5 permaneceu em 3,96%. Quatro semanas atrás, as expectativas eram de 3,66% e 4,20%, respectivamente.

Preços administrados – O Relatório de Mercado Focus indicou, ainda, manutenção na projeção para os preços administrados em 2018, mas com leve alteração para 2019. A mediana das previsões do mercado financeiro para o indicador no ano passado seguiu com alta de 6,50%.

Para 2019, a mediana foi de elevação de 4,80% para alta de 4,79% Há um mês, o mercado projetava aumento de 6,95% para os preços administrados em 2018 e elevação de 4,80% em 2019. No caso de 2020, projeção de alta seguiu em 4,00%, ante 4,20% de um mês antes.

As projeções atuais do BC para os preços administrados, no cenário de mercado, indicam elevações de 6,1% em 2018, 5,1% em 2019 e 3,9% em 2020. Estes porcentuais foram informados no Relatório Trimestral de Inflação (RTI), divulgado em dezembro.

PIB – Em relação ao Produto Interno Bruto (PIB), a pesquisa semanal com uma centena de economistas mostra que o crescimento no ano passado continuou sendo calculado em 1,30%, mas para este ano houve uma redução de 0,02 ponto percentual na conta, a 2,53%. (AE/Reuters)