COTAÇÃO DE 20/05/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$4,8730

VENDA: R$4,8740

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$4,9500

VENDA: R$5,0570

EURO

COMPRA: R$5,1492

VENDA: R$5,1504

OURO NY

U$1.846,53

OURO BM&F (g)

R$288,58 (g)

BOVESPA

+1,39

POUPANÇA

0,6441%

OFERECIMENTO

Coronavírus Economia livre

China eleva exportação de combustíveis após impacto na demanda doméstica

COMPARTILHE

Crédito: REUTERS/Dominique Patton

Cingapura/Melbourne – A China elevou as exportações de combustíveis para compensar perdas na demanda doméstica, enquanto lida com as consequências de uma epidemia de coronavírus.

Segundo maior consumidor global de petróleo, o país não conseguiu evitar a formação de um excesso de oferta após cortes na produção de refinarias.

PUBLICIDADE




De acordo com fontes comerciais e analistas do setor, as exportações de produtos refinados de petróleo da China subiram para níveis muito acima dos vistos um ano atrás, aumentando a oferta na Ásia, onde outros países também lidam com uma demanda enfraquecida devido ao vírus.

A demanda por produtos refinados de petróleo na China deve cair 35,7% no primeiro trimestre quando na comparação com mesmo período do ano anterior, levando a uma sobreoferta de 27,08 milhões de toneladas no mercado local, disse a área de pesquisa da China National Petroleum Corp (CNPC).

“Nós agora vemos as exportações chinesas pós-Ano Novo Lunar em 156 mil toneladas por dia, ante 139 mil toneladas no mesmo período do ano passado, alta de 12% na comparação anual”, disse o chefe de análises de mercado na empresa de dados de commodities Kpler, Alexander Booth.

A consultoria SIA Energy, com sede em Pequim, disse esperar que as exportações desses produtos no primeiro trimestre cresçam em 58 mil bpd, com alta de 3,9% na comparação com mesmo período do ano anterior. Isso representa cerca de 7 mil toneladas por dia, principalmente em gasolina e combustível para aviação.

PUBLICIDADE




“A alta será principalmente em fevereiro e março, por causa do Ano Novo Chinês em janeiro”, disse Seng Tick Tee, da SIA.

“Nós estimamos que a redução na demanda da China (por combustível de aviação) vai superar os cortes de produção em 0,1 milhão de barris por dia em fevereiro, o que significa que as exportações devem vir fortes em março”, disseram analistas da consultoria Energy Aspects.

(Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!