A Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) fechou o terceiro trimestre com lucro líquido de R$ 126,3 milhões, aumento de 13,7% em relação aos três meses anteriores (R$ 111 milhões). Por outro lado, na comparação com os mesmos meses de 2017, quando o resultado da concessionária alcançou lucro de R$ 149,7 milhões, houve uma queda de 15,7%. O resultado também considera os números da Copasa Serviços de Saneamento Integrado do Norte e Nordeste de Minas Gerais (Copanor).

Entre julho e setembro, a receita líquida da Copasa/Copanor foi de R$ 1,034 bilhão, contra R$ 1,030 bilhão, com um leve aumento de 0,4% na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior. O faturamento do terceiro trimestre com a área de água foi de R$ 668,3 milhões e o do segmento de esgoto foi de R$ 365,2 milhões, respondendo por 64,6% e 35,4%, respectivamente.

Ainda em termos financeiros, o Ebitda (lucro líquido antes do Imposto de Renda, contribuição social, despesas financeiras líquidas, despesas de depreciação e amortização) totalizou R$ 346,8 milhões no terceiro trimestre frente R$ 381,9 milhões em igual período de 2017, recuo de 9,2%. A margem Ebitda do intervalo ficou em 30,8%.

A Copasa reforçou ainda que Agência Reguladora de Serviços de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário (Arsae-MG) divulgou, ao final de junho, a Resolução nº 111/2018, na qual autorizou a aplicação de reajuste médio de 4,31% nas tarifas de prestação de serviços públicos de abastecimento de água e de esgotamento sanitário da companhia.

Segundo a companhia, a aplicação ocorreu de forma proporcional para consumos registrados no mês de agosto e integral a partir de setembro de 2018. Assim, de acordo com a Copasa, somente a partir de setembro, já no terceiro trimestre, o impacto do reajuste tarifário foi contabilizado integralmente.

Resultado operacional – No acumulado do ano até setembro, os investimentos da Copasa/Copanor somaram R$ 512 milhões, 43% a mais que em igual período do ano passado, quando aportes somaram R$ 358 milhões. Segundo a companhia, considerando só os investimentos da Copasa, R$ 199 milhões foram alocados em sistemas de abastecimento de água, R$ 267 milhões em sistemas de esgotamento sanitário e R$ 17 milhões em programas de desenvolvimento empresarial e operacional.

Considerando também os números da Copanor, ao final de setembro, a concessionária tinha 636 concessões de água e 304 de esgoto, com estabilidade e crescimento de 1,3%, respectivamente, em relação ao número de concessões da concessionária na mesma época de 2017.

Ao final de setembro, a Copasa, incluindo sua controlada Copanor, detinha 4,3 milhões de ligações de água e 2,8 milhões de esgoto. A rede distribuidora de água da companhia somou 53,6 mil quilômetros de extensão e a rede coletora de esgoto, 27,9 mil quilômetros.

O faturamento por categoria de consumidor no terceiro trimestre deste ano ficou distribuído da seguinte forma: 65,8% para o segmento residencial; 14,6% para o setor comercial; 9,4% para o setor público; 4,1% para a indústria; e 6,1% para o residencial social.