COTAÇÃO DE 17/05/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2660

VENDA: R$5,2660

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,2500

VENDA: R$5,4230

EURO

COMPRA: R$6,4106

VENDA: R$6,4134

OURO NY

U$1.866,89

OURO BM&F (g)

R$316,43 (g)

BOVESPA

+0,87

POUPANÇA

0,2019%%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia zCapa

Exportações do parque de gusa mineiro estão em alta

COMPARTILHE

A produção da indústria mineira de gusa deverá fechar o ano no mesmo nível de 2019 | Crédito: Ronaldo Guimaraes

As exportações continuam garantindo o desempenho da indústria do ferro mineira. Nos últimos meses, o desaquecimento do mercado interno provocado pelas medidas de distanciamento social em combate ao novo coronavírus deu lugar às vendas internacionais países como China, Estados Unidos, Espanha, Itália e Japão.

De acordo com o presidente do Sindicato da Indústria do Ferro no Estado de Minas Gerais (Sindifer-MG), Fausto Varela Cançado, até agora, o desempenho de 2020 reflete as encomendas internacionais que, historicamente, representavam 50% das vendas. Neste ano, a média já chega a 70% do total.

PUBLICIDADE

“Há mais de 40 anos temos certo equilíbrio entre os mercados nacional e internacional, variando quando há aumento ou retração em um deles. Desta vez, a diferença está perdurando e em alguns meses foi superior a 70%”, explicou.

Em relação à representatividade das compras, Cançado disse que com os fortes efeitos da pandemia também nos Estados Unidos, nos últimos meses, o país acabou perdendo a liderança para a China – que apresentou algum recuo nos pedidos no início do ano, quando a doença ainda se restringia apenas ao continente asiático, mas cuja economia já se retomou.

“Os Estados Unidos lideravam com cerca de 35% das compras. Agora a China está concentrando entre 50% e 60% dos pedidos”, revelou.

Diante deste cenário, a aposta do setor é encerrar 2020 com a produção nos mesmos patamares de 2019, ou seja, na casa das 3,5 milhões de toneladas. Antes da Covid-19, porém, a estimativa da indústria era de alta de 10% neste exercício sobre o ano anterior.

Setor teme alto custo das matérias-primas

O presidente do Sindicato da Indústria do Ferro no Estado de Minas Gerais (Sindifer-MG), Fausto Varela Cançado, ressaltou que o parque guseiro continua sofrendo com a alta dos preços do minério de ferro e do carvão e teme os impactos do alto custo das matérias-primas na produção. Segundo ele, o cenário de preço baixo e custos elevados prejudica a competitividade do setor há anos, já que nem sempre as indústrias conseguem repassar os preços e convivem com margens cada vez menores.

Outro ponto que preocupa, de acordo com Cançado, diz respeito à qualidade do minério de ferro recebido pelas empresas. Conforme o dirigente, isso vem sendo observado há tempos.

“A verdade é que a qualidade já vinha caindo, mas desde o rompimento da barragem da Vale em Brumadinho, e seus desdobramentos, a situação se agravou ainda mais. Não sabemos em que medida o que antes era refugo agora está sendo comercializado e nem até quando isso vai perdurar, afetando diretamente nossa produção”, reclamou.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!