Operações de compra de empresas brasileiras por estrangeiras representaram boa parte dos negócios - Foto: MORGEFILE/DIVULGAÇÃO

São Paulo – Os negócios envolvendo fusões e aquisições cresceram 26% até setembro, em relação ao mesmo intervalo do ano anterior, somando R$ 121,4 bilhões, de acordo com as estatísticas da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima). Em número de operações, entretanto, o panorama é inverso, com 68 transações realizadas este ano, contra 99 de janeiro a setembro de 2017.


“O crescimento do volume reflete as operações de grande porte realizadas no ano, além do avanço no montante gerado pelas aquisições de empresas brasileiras por estrangeiras”, afirma Dimas Megna, coordenador do subcomitê de Fusões e Aquisições da Anbima, em nota distribuída pela associação.


Em 2018, as operações de compra de companhias brasileiras por estrangeiras atingiram R$ 54,6 bilhões, o que representa crescimento de 23% ante o volume levantado em nove meses de 2017. As transações que compreenderam apenas empresas locais totalizaram R$ 60,3 bilhões no período, equivalente a 49,7% do total.


Os setores de papel e celulose (com participação de 39,3% entre todos os negócios), TI e telecomunicações (15,5%) e alimentos e bebidas (12,7%) responderam por 67,5% do volume transacionado até setembro. Juntos, esses segmentos responderam por apenas sete operações no período.


Entre as finalidades dos negócios, as aquisições de controle representaram 52,7% do volume total de 2018, a partir de 52 operações, de acordo com a Anbima.


Uma incorporação correspondeu a 39,3% do montante do período, enquanto as fusões e aquisições destinadas à compra de participação minoritária e a joint venture responderam por 4,2% e 3,8%, respectivamente. (AE)