COTAÇÃO DE 26/11/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5950

VENDA: R$5,5960

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6300

VENDA: R$5,7570

EURO

COMPRA: R$6,3210

VENDA: R$6,3222

OURO NY

U$1.792,60

OURO BM&F (g)

R$322,88 (g)

BOVESPA

-3,39

POUPANÇA

0,4620%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia
Crédito: REUTERS/Amanda Perobelli

São Paulo – O Ibovespa bateu nova máxima histórica ontem, ajudado pelas altas de Vale e Petrobras, em sessão com volume menor na sessão espremida entre o final de semana e um feriado em São Paulo e marcada por expectativa de votação da reforma Previdência na Câmara dos Deputados, nesta semana.

O Ibovespa subiu 0,42%, a 104.530,22 pontos, na contramão das bolsas norte-americanas. O volume financeiro da sessão somou R$ 12,565 bilhões.
No exterior, a semana começou com o minério de ferro na China fechando em alta, favorecendo os papéis da Vale, que juntamente com Petrobras sustentaram o avanço do Ibovespa.

PUBLICIDADE

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), reiterou confiança na aprovação da reforma da Previdência no plenário da Casa nesta semana.

“O quadro é muito positivo, mas está contido pelo volume menor por conta do feriado de amanhã”, disse Alvaro Bandeira, economista-chefe do Banco digital Modalmais.

As bolsas em Nova York fecharam em queda, com algum esfriamento em apostas de cortes mais agressivos nos juros pelo Federal Reserve no final deste mês.

Destaques – Vale ganhou 1,17%, ajudada na sessão pela alta do minério de ferro na China, com a mineradora recuperando-se após forte queda na semana passada, quando perdeu 2,8%.
Petrobras PN subiu 0,91% e Petrobras ON ganhou 1,93%, a despeito da relativa estabilidade do petróleo no exterior. A companhia começou o processo de venda do Polo Tucano Sul, com campos terrestres na Bahia.
Gol avançou 1,26%, após estimar alta de aproximadamente 24% para a receita unitária de passageiro no segundo trimestre ante mesmo período de 2018.

Via Varejo subiu 6,30%, dando sequência à valorização recente, com expectativas relacionadas à mudança no comando da rede de móveis e eletrodomésticos.

Suzano perdeu 0,46%, após três altas seguidas, período que subiu 5,48%. Analistas ainda veem um ambiente desafiador para o setor de celulose, em razão da demanda fraca e estoques elevados. Klabin cedeu 1,25%.

Itaú Unibanco PN caiu 0,27%. Bradesco PN recuou 0,46%, enquanto Banco do Brasil fechou em leve queda de 0,09%.

Dólar – O dólar fechou em queda ante o real nesta segunda-feira, com a moeda brasileira entre os destaques positivos no mundo, numa sessão em que prevaleceu a confiança de que a reforma da Previdência avançará de maneira mais acelerada na Câmara.

O dólar à vista caiu 0,31%, a R$ 3,8081 na venda. Na B3, o dólar futuro de maior liquidez cedia 0,37%, a R$ 3,8150. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!