COTAÇÃO DE 25/05/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$4,8200

VENDA: R$4,8210

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$4,8900

VENDA: R$5,0160

EURO

COMPRA: R$5,1520

VENDA: R$5,1546

OURO NY

U$1.853,68

OURO BM&F (g)

R$287,13 (g)

BOVESPA

-0,98

POUPANÇA

0,6724%

OFERECIMENTO

Economia Economia-destaque

Intenção de compra para Dia das Crianças aumenta 20%, aponta FGV

COMPARTILHE

Crédito: Fernando Frazão/Agência Brasil

Os brasileiros movimentar o comércio no Dia das Crianças deste ano. A intenção de compra dos consumidores para a data comemorativa aumentou, em média, 20% em relação a 2017, quando foi realizada a última Sondagem do Consumidor – Quesito Dia das Crianças, pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre-FGV).

De acordo com a economista do Ibre, Viviane Seda Bittencourt, apesar do aumento a intenção de compra para a data ainda está abaixo da média histórica. Essa característica se mantém nos últimos quatro levantamentos.

PUBLICIDADE




A pesquisa mostra que o ímpeto de gastos com presentes para as crianças subiu 13,3 pontos percentuais, passando de 64,3 pontos percentuais, em 2017, para 77,6 pontos percentuais, em 2019, enquanto o nível histórico é da ordem de 84,1 pontos percentuais.

Na avaliação da economista, a melhora da intenção de compra dos consumidores está associada também à liberação de recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e dos programas de Integração Social e Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (PIS/Pasep), a partir de setembro.

“Parte desses consumidores está usando esses recursos para quitar dívidas, mas também abre espaço no orçamento doméstico para outras compras. Ele está usando realmente para comprar não só bens, mas serviços. Isso contribui para o Dia das Crianças, com certeza”, analisou Viviane.

Faixas de renda

A pesquisa mostra que todas as faixas de renda aumentaram a intenção de compra para a data comemorativa das crianças.

PUBLICIDADE




O aumento aconteceu não só no indicador de compra, mas também em relação à faixa média de preço dos presentes. Segundo a pesquisa, a classe de renda mais alta (acima de R$ 9.600 por mês) presenteia com os itens mais caros.

No entanto, Viviane ressaltou que o aumento do preço médio não aconteceu nessa faixa de renda. “O maior aumento foi entre as famílias de menor poder aquisitivo, com renda mensal até R$ 2.100, em que o indicador subiu 21,9 pontos, atingindo 69,4 pontos, o maior desde 2014”, afirmou.

O preço médio dos presentes para o Dia das Crianças, este ano, ficou em R$ 88,90, alta de 16,1% em relação a 2017. As famílias com maior renda puxaram o preço para cima e planejam gastar, em média, R$ 136,30 com os presentes para as crianças, contra R$ 56,80 das pessoas de renda mais baixa. Na faixa de renda 3, entre R$ 4.800 e R$ 9.600, o aumento do preço médio atingiu 25,5%.

Brinquedos

Os brinquedos permanecem liderando a preferência do consumidor com 50,8% das intenções de compra, seguidos de vestuário (21,1%) e livros (4,9%).

Na comparação com 2017 há uma redução de 9,2 pontos percentuais na intenção de compra de brinquedos. Naquele ano, esses itens eram os preferidos por 60% dos consumidores.

No item vestuário, foi observada queda de 3,7 pontos percentuais em relação à pesquisa anterior, enquanto livros teve a preferência reduzida de 5,4% para 4,9%.

Em contrapartida, os produtos eletrônicos subiram, em dois anos, de 1,8% na preferência dos consumidores, para 3,7%.

(Agência Brasil)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!