COTAÇÃO DE 01/03/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5996

VENDA: R$5,6006

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,5630

VENDA: R$5,7500

EURO

COMPRA: R$6,7259

VENDA: R$6,7289

OURO NY

U$1.725,51

OURO BM&F (g)

R$312,40 (g)

BOVESPA

+0,27

POUPANÇA

0,1159%%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Intenção de consumo recua em Belo Horizonte

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Diante das incertezas nos cenários político e econômico do País, agravadas pela paralisação nacional dos caminhoneiros, os belo-horizontinos estão menos dispostos a comprar. De acordo com dados da pesquisa de Intenção de Consumo das Famílias (ICF) da Capital, divulgada ontem pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Minas Gerais (Fecomércio-MG), o índice registrou a terceira queda consecutiva em junho, com 72,5 pontos frente aos 81,9 pontos registrados em maio. Na avaliação do economista da federação, Guilherme Almeida, essa insegurança afeta a percepção das famílias, principalmente quanto às decisões de compra no longo prazo. A falta de certeza em relação aos cenários para os próximos meses e para o próximo ano é um fator negativo na decisão de consumo e, junto com as perspectivas de emprego, que também estão deterioradas, fazem com que o resultado seja ainda mais negativo. “Além da incerteza sobre a velocidade da recuperação econômica, temos ainda um cenário eleitoral no próximo trimestre, o que tende a influenciar nas percepções das famílias, principalmente no que diz respeito ao consumo”, afirmou Almeida. O indicador se manteve no nível de insatisfação, abaixo dos 100 pontos, e a trajetória decrescente desde abril revela cautela por parte dos consumidores. Almeida ressalta que a percepção já era negativa desde o início do ano, apresentando algumas melhoras, e que o período de outubro de 2017 a março de 2018 registrou sucessivas recuperações, pautadas principalmente em indicadores macroeconômicos como inflação e juros, que são dois pilares para as decisões de consumo familiar. “Começamos a observar quedas a partir de março e, em maio, tivemos o fator da greve dos caminhoneiros, que deteriorou ainda mais o cenário para as famílias, principalmente porque elas sentiram os efeitos no momento, com preços altos de bens de primeira necessidade como alimentação e combustíveis”, explicou o economista da Fecomércio-MG. Emprego – Em junho, todos os sete subitens que compõem o ICF apresentaram retração. O principal destaque negativo foi a perspectiva de consumo, que registrou 73,9 pontos, contra os 89,5 apurados no mês anterior. Outra queda relevante foi a do índice de emprego atual, que passou de 102,1 em maio para 89,3 em junho. “A avaliação atual do emprego está ainda mais deteriorada e essa percepção vem sendo influenciada pelos indicadores do próprio mercado, com o aumento da taxa de desemprego. O que tem acontecido é o aumento do emprego via informalidade. A qualidade do emprego e as condições oferecidas pelas vagas geradas também são questionadas pelas famílias e faz parte dessa impressão negativa”, destacou Almeida.

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

VEJA TAMBÉM

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!

FIQUE POR DENTRO DE TUDO !

Não saia antes de se cadastrar e receber nosso conteúdo por e-mail diariamente