COTAÇÃO DO DIA 22/01/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,4780

VENDA: R$5,4790

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,5070

VENDA: R$5,6470

EURO

COMPRA: R$6,6088

VENDA: R$6,6101

OURO NY

U$1.853,68Pg�

OURO BM&F (g)

R$ (g)

BOVESPA

-0,80

POUPANÇA

0,1159%%

OFERECIMENTO

Mercantil do Brasil - ADS

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia zCapa
Página Inicial » Economia » IPCA na RMBH registra alta de 0,46% em novembro, diz o IBGE

IPCA na RMBH registra alta de 0,46% em novembro, diz o IBGE

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
O aumento de 10,03% no preço da carne pressionou a inflação oficial na RMBH - Crédito: Paulo Whitaker/Reuters

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) apresentou incremento de 0,46% na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) em novembro. Os dados foram divulgados na sexta-feira (6) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De acordo com a entidade, o número representa o nono maior resultado mensal entre as 16 áreas pesquisadas. No Brasil, a variação mensal atingiu 0,51%.

A variação acumulada em 12 meses na RMBH, por sua vez, foi de 3,13%, sétimo menor resultado entre as áreas que foram contempladas pelo estudo do IBGE. No Brasil, esse índice foi de 3,27%.

O coordenador da pesquisa em Minas Gerais, Venâncio da Mata, afirma que pode se dizer que a carne foi uma das grandes vilãs da alta registrada no último mês.

Para se ter uma ideia, o produto apresentou aumento de 10,03%. Junto ao feijão-carioca, que teve alta de 11,83%, os itens contribuíram para que o grupo de alimentação e bebidas tivesse o maior avanço positivo entre os grupos pesquisados, de 1,09%, impactando o índice geral em 0,23 pontos percentuais.

“A carne é um produto bastante consumido pelas famílias, o que causou um impacto grande nos números”, destaca Venâncio da Mata.

Já o subgrupo alimentação fora do domicílio teve incremento de 0,60%. Dentro disso, os lanches apresentaram alta de 2,60%, com impacto de 0,06 pontos percentuais.

Já as quedas nos alimentos foram registradas no tomate (-17,81%), com impacto de -0,03 pontos percentuais, batata-inglesa (-17,04%), com impacto de -0,04 p.p., banana-prata (-16,60%), com impacto de -0,04 p.p., e leite longa vida (-2,38%), com impacto de -0,03 p.p.

O grupo despesas pessoais teve aumento de 0,72% no mês passado e impacto de 0,07 p.p . Venâncio da Mata ressalta que o incremento se deve, principalmente, “aos jogos de azar (24,35%), que tiveram reajuste nos preços das apostas a partir do dia 10 de novembro”.

Habitação, por sua vez, teve variação positiva de 0,39%. O coordenador da pesquisa em Minas Gerais ressalta que contribuiu para esse aumento a alta da energia elétrica (1,70%), o que, em grande medida, foi influenciada pela mudança da bandeira tarifária amarela para vermelha patamar 1, de outubro para novembro, o que teve um impacto no índice de 0,07 p.p.

Já o aumento no plano de saúde (0,59%) foi o principal responsável pela alta de 0,31% no grupo saúde e cuidados pessoais.

O incremento em transportes, de 0,17%, por sua vez, teve influência do aumento do etanol (1,99%) e da gasolina (0,59%), que impactou o índice em 0,03 p.p.

Ano – A alta do IPCA de 0,46% em novembro foi uma das maiores do ano, conforme ressalta Venâncio da Mata. “O último número maior que esse foi registrado no começo de 2019, em fevereiro, quando o aumento do IPCA foi de 0,51%”, ressalta ele. “Já em outubro, o incremento foi de 0,17% e em agosto de 0,13%. Setembro apresentou queda de 0,18%”, salienta ele.

Índice tem a maior variação para o período em 4 anos

Rio e São Paulo – A inflação oficial do Brasil registrou aceleração em novembro e o resultado mais alto em quatro anos com forte impacto da alta dos preços das carnes, mas ainda permanece abaixo do centro da meta em 12 meses.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu 0,51% em novembro após alta de 0,10% no mês de outubro, de acordo com os dados divulgados na sexta-feira (6) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Esse é o resultado mais alto para novembro desde 2015, quando o índice subiu 1,01%, e ficou acima da expectativa em pesquisa da Reuters de avanço de 0,46%.

Em 12 meses, a alta do IPCA chegou a 3,27%, de um avanço no mês anterior de 2,54%, e permanece abaixo do centro da meta oficial para 2019, de 4,25% pelo IPCA com margem de 1,5 ponto percentual para mais ou menos.

O resultado em 12 meses até novembro também ficou ligeiramente acima da expectativa, de 3,23%.

De acordo com o IBGE, o maior impacto individual foi exercido pelas carnes, cujos preços subiram 8,09%, exercendo impacto de 0,22 ponto percentual no IPCA de novembro. Isso levou o grupo Alimentação e bebidas a acelerar a alta a 0,72%, de 0,05% em outubro.

“As exportações de carne para a China continuam, o que mantém a demanda grande, e essa pressão vai continuar”, explicou o gerente da pesquisa Pedro Kislanov da Costa.

O Brasil, maior exportador global de carne bovina, está faturando com a maior demanda da China, mas os consumidores brasileiros estão por tabela pagando mais pelo produto nos açougues, enquanto frigoríficos têm sido pressionados a fazer ofertas recordes por bois nas fazendas.

“Mas apesar da pressão de carnes, o IPCA ainda está num patamar confortável e com espaço para ficar dentro do centro da meta”, completou Costa.

A maior variação no mês foi registrada por Despesas Pessoais, com alta de 1,24% em novembro ante 0,20% antes. O comportamento dos preços de Habitação também se destacou, ao deixar para trás uma deflação de 0,61% em outubro para alta de 0,71% em novembro.

Esse avanço de Habitação deve-se à alta de 2,15% da energia elétrica, uma vez que em novembro passou a vigorar a bandeira vermelha patamar 1.

Apesar do resultado mais forte em novembro, a inflação permanece fraca e não deve ser suficiente para mudar o movimento do Banco Central de corte de juros, já tendo sinalizado que adotará essa postura na última reunião do ano, em dezembro.

“No geral, acreditamos que esse resultado é consistente com o cenário base do Banco Central e corrobora corte de 0,50 ponto percentual (na Selic) este ano”, afirmou em relatório a XP Investimentos.

A autoridade monetária cortou a taxa básica de juros Selic em 0,5 ponto percentual em outubro, a 5% ao ano, mas para além de dezembro a postura é de cautela em relação aos fatores que podem pressionar a inflação. (Reuters)

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

VEJA TAMBÉM

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!

FIQUE POR DENTRO DE TUDO !

Não saia antes de se cadastrar e receber nosso conteúdo por e-mail diariamente