COTAÇÃO DE 05/03/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6825

VENDA: R$5,6835

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6670

VENDA: R$5,8430

EURO

COMPRA: R$6,7719

VENDA: R$6,7732

OURO NY

U$1.698,69

OURO BM&F (g)

R$310,22 (g)

BOVESPA

+2,23

POUPANÇA

0,1159%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia Economia-destaque exclusivo

Minas recebe US$ 65 bi em aportes em 10 anos

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Crédito: Jean-Paul Pelissier/Reuters

O valor médio anual de investimentos anunciados para Minas Gerais, entre 2010 e 2019, foi de US$ 6,6 bilhões, o que corresponde a 4,5% da média de anúncios no País. No período, o valor total estimado ficou próximo de US$ 65 bilhões.

De 2010 a 2019, houve grande oscilação, sendo os valores mais baixos anunciados entre 2014 e 2017. Já entre 2018 e 2019, os anúncios cresceram substancialmente devido à expectativa de recuperação da economia e de um mercado mais favorável. Somente no ano passado, eles somaram US$ 8,9 bilhões, aumento de 134% frente a 2018.

PUBLICIDADE

Os números foram analisados pela Fundação João Pinheiro (FJP) no informativo Investimentos Anunciados para Minas Gerais.

De acordo com o levantamento da FJP, a série de valores de investimentos anunciados para o Estado entre 2010 e 2019 variou expressivamente. Depois de anos consecutivos em patamar elevado, houve forte retração de novas intenções de investimentos a partir de 2014, com o menor nível sendo registrado em 2017, com anúncio de aportes alcançando US$ 1 bilhão e respondendo por apenas 1,6% do valor nacional.

Em 2018, foi registrado o início de uma recuperação, com investimentos anunciados alcançando US$ 3,8 bilhões. Já em 2019, foi observado expressivo acréscimo em relação a 2018, passando para US$ 8,9 bilhões, aumento de 134%. Com a elevação dos valores, a participação de Minas Gerais no total de investimentos anunciados no Brasil subiu de 2,9%, em 2018, para 6,6% no ano passado.

“O anúncio de investimentos sempre é positivo e, depois de 2017, houve uma retomada importante no Estado. As estimativas de aportes aumentaram em função de uma tendência de recuperação da economia e um cenário mais positivo no País”, explicou a pesquisadora da FJP, Carla Aguilar.

O capital nacional constituiu a principal fonte dos investimentos no Estado, representando 48,8% no acumulado de 2010 a 2019. Em 2014 e 2015, superou 70%, com destaque para o setor elétrico. A partir de 2016, houve aumento da participação do capital estrangeiro, que alcançou 67,8% em 2018 e 72,6% em 2019.

No acumulado de 2010 a 2019, 46,5% dos investimentos anunciados foram na indústria de transformação. A indústria extrativa obteve 17,4% das sinalizações de investimentos entre 2010 e 2019. Em 2010, o destaque na indústria extrativa, que respondeu por 55,2% dos aportes, foram os anúncios de projetos de implantação com capital nacional do Grupo EBX.

Após 2014, houve uma mudança dos padrões de investimento, com ampliação dos investimentos em eletricidade e com destaque para os projetos de implantação de energia fotovoltaica a partir de 2015.

De acordo com o relatório da FJP, é importante destacar que o interesse crescente pelo setor elétrico puxou a recuperação dos investimentos em 2019, principalmente em função do projeto da empresa espanhola Solatio em energia solar.

Para a agropecuária, o único destaque foi de 16,5% em 2012, devido aos investimentos em implantação na produção florestal anunciados pela portuguesa YTI-YSER Timberland Investment Energy. A maior participação dos serviços (19,8%) foi em 2011, relacionada a empreendimentos de alojamento e telecomunicações.

Indústria de transformação – O estudo feito pela Fundação João Pinheiro (FJP) identificou que, entre os subsetores da indústria de transformação, veículos, metalurgia e produtos químicos absorveram cerca de 60% dos valores anunciados de investimentos no intervalo de 2010 a 2019.

No período, a participação do segmento de veículos correspondeu a 24,7%, com destaque para a Fiat, Amsia Motors e Mercedes-Benz. No segmento metalúrgico (23% da transformação), as maiores participações foram provenientes do Grupo Gerdau, da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), da Samarco Mineração e Arcelormittal.

Os produtos químicos equivaleram a 11,9%. Nesse segmento, os destaques foram os anúncios de investimento em fertilizantes da Vale (CVRD) e da Verde Fertilizantes. O subsetor de medicamentos teve destaque da Biomm Technology e da Biolab Sanus Farmacêutica, ambas com capital nacional.

Quanto ao tipo de aportes, 35,6% dos investimentos anunciados entre 2010 e 2019 foram direcionados a projetos de implantação. Já 15,1% foram destinados para expansões e 3,1% para modernização. Os demais foram mistos, sendo que implantação/expansão responderam por 22,9%, expansão/modernização (14,4%) e implantação/modernização (8,8%).

Para 2020, as estimativas iniciais eram positivas, mas, devido à pandemia do novo coronavírus, o cenário é incerto.

“Ainda não é possível fazer uma estimativa de como será 2020. Há cerca de duas ou três semanas, empresas estavam confirmando as intenções de investimentos, mas, devido às incertezas do momento, é preciso esperar para avaliar os impactos da pandemia”, explicou Carla Aguilar.

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

VEJA TAMBÉM

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!

FIQUE POR DENTRO DE TUDO !

Não saia antes de se cadastrar e receber nosso conteúdo por e-mail diariamente