COTAÇÃO DE 24/01/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5030

VENDA: R$5,5030

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,4870

VENDA: R$5,6630

EURO

COMPRA: R$6,2080

VENDA: R$6,2103

OURO NY

U$1.842,90

OURO BM&F (g)

R$323,72 (g)

BOVESPA

-0,92

POUPANÇA

0,5845%%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

PBH tenta aprovar auxílio emergencial antes do fim das cestas básicas

COMPARTILHE

" "
Auxílio - CMBH - PBH
Crédito: Abraão Bruck/CMBH

A Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) investirá mais de R$ 160 milhões no auxílio emergencial que beneficiará mais de 300 mil pessoas em Belo Horizonte. O aporte vem dos Recursos Ordinários do Tesouro Municipal (ROT).

O Projeto de Lei entregue na última quinta-feira (15), na Câmara Municipal de Belo Horizonte (CMBH), segue em caráter de urgência. Esta semana, líderes do governo na Casa irão solicitar uma reunião extraordinária com as comissões e no plenário para que a votação aconteça o mais rápido possível.

PUBLICIDADE




“Vamos solicitar essas reuniões com os parlamentares para agilizar o processo de votação para que assim o benefício esteja na mão da população o quanto antes”, reforça o líder do governo na Câmara, o vereador Lêo Burguês (PSL).

O vereador Braulio Lara (Novo) espera abrir a discussão a respeito do Projeto de Lei. “As discussões não foram abertas a respeito do assunto e precisamos analisar para que o projeto seja encaminhado primeiro para a Comissão de Legislação e Justiça”, avalia.

Caso o PL não tenha nenhuma emenda parlamentar, o texto prevê o benefício em duas modalidades: a primeira contemplará as famílias inscritas no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico) até 30 de junho e que tenham renda per capita familiar de até meio salário mínimo. Ao todo serão seis parcelas de R$ 100, com distribuição total de R$ 600.

“Além deles, temos 18 grupos que encaixam nesse critério de beneficiários, como trabalhadores informais, camelôs, catadores de materiais recicláveis, ambulantes, povos e comunidades tradicionais, mulheres com medidas protetivas aplicadas pela Justiça em situação de violência doméstica, entre outros”, explica a secretária de Assistência Social, Segurança Alimentar e Cidadania (SMASAC), Maíra Colares.




A outra modalidade abrange 140 mil famílias que possuem estudantes cadastrados na rede pública municipal de ensino. O valor de R$ 100 mensais será dado enquanto a alimentação escolar não estiver regularizada com a volta às aulas presenciais. “Mesmo com a retomada gradual das aulas na capital, ainda não há uma regularidade a respeito da carga horária, nem a totalidade das turmas. Por isso, as famílias irão receber o benefício até que tudo volte à normalidade completa”, esclarece a secretária Maíra Colares.

Maíra Colares avalia que mesmo com o avanço da vacinação na capital, a condição socioeconômica da população belo-horizontina segue em situação de risco. “Com a pandemia controlada e o avanço da vacinação, percebemos que a população adulta da cidade ainda sofre com a perda da renda, do trabalho e do emprego. A prefeitura tenta, na verdade, mitigar a crise econômica social causada pela pandemia”, explica. 

Correndo contra o tempo

A PBH espera que a tramitação do PL seja a mais breve possível para que os pagamentos comecem a vigorar a partir de setembro — mês previsto para o fim do benefício das cestas básicas distribuídas para as famílias com estudantes cadastrados na rede pública municipal de ensino.

Com o pagamento do auxílio, vamos suspender a doação das cestas básicas que estão sendo entregues desde março do ano passado. A cesta básica foi uma medida emergencial adotada pela PBH para uma situação inicial. Fato é que ela foi renovada até setembro deste ano e será encerrada neste prazo. A nossa previsão é que em setembro estejamos pagando o pecúlio aos beneficiários. Caso ainda não esteja acontecendo, vamos continuar com a cesta até que tudo esteja resolvido”, reforça a secretária Maíra Colares.

A SMASAC esclarece que a entrega das cestas básicas não será interrompida enquanto os pagamentos do auxílio emergencial da PBH não entrarem em vigor e começarem a serem pagos.

Quando o PL for aprovado pelos vereadores, a determinação é que entre em vigor em 30 dias. “Nossa parte estamos fazendo. Como envolve várias secretarias, assim que o prefeito assinar, queremos estar com todos os processos prontos, por exemplo, o banco que fará os pagamentos, quais serão os dados cobrados dos beneficiários, o porquê pagaremos em dinheiro e tudo isso terá que ser feito com rigor”, explica Colares.

Giro econômico com o auxílio




A secretária de Assistência Social, Segurança Alimentar e Cidadania (SMASAC), Maíra Colares, avalia que com os pagamentos dos benefícios o giro de recursos no comércio local irá beneficiar os pequenos e médios empreendedores da capital.

“O benefício vai fazer a economia girar. Isso significa que o comércio local ficará abastecido e também vai ser alavancado através dessa assistência. Os lojistas e o comércio, em geral, também foram gravemente afetados pela pandemia e estão em recuperação”, salienta.

Segundo Colares, quando esse impulso ocorre, o estímulo à oferta de emprego é fortalecido, aumentando a renda, o que volta a beneficiar as famílias que estão em necessidade social nesta fase da pandemia da Covid-19.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!