COTAÇÃO DE 05/03/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6825

VENDA: R$5,6835

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6670

VENDA: R$5,8430

EURO

COMPRA: R$6,7719

VENDA: R$6,7732

OURO NY

U$1.698,69

OURO BM&F (g)

R$310,22 (g)

BOVESPA

+2,23

POUPANÇA

0,1159%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia exclusivo zCapa

Perdas do comércio e dos serviços em MG são estimadas em R$ 9,2 bilhões

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Crédito: Manoel Evandro

Em 20 dias de isolamento social devido à pandemia do novo coronavírus (Covid-19), o setor de comércio e serviços de Minas Gerais deixou de gerar R$ 9,2 bilhões, o que equivale a uma perda de R$ 462,7 milhões diários.

Os dados foram levantados pelo economista da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas de Minas Gerais (FCDL-MG), Vinícius Carlos. Os números têm como base informações do Ministério da Economia e da Fundação João Pinheiro (FJP).

PUBLICIDADE

“O cenário é bastante preocupante, principalmente pelo lado da saúde. Realmente, são necessárias medidas fortes para salvar a vida das pessoas, garantir o bem-estar da população. Ao mesmo tempo, também temos de pensar em como está a nossa economia e nos reinventarmos”, destaca Vinícius Carlos.

Atualmente, de acordo com os dados levantados pelo economista, 57,6% dos estabelecimentos do segmento de comércio e serviços estão fechados no Estado. O setor responde por 52% do Produto Interno Bruto (PIB) de Minas Gerais, ou seja, R$ 289 bilhões anuais.

Além disso, a área, com exceção da administração pública, gera 2,6 milhões de empregos no Estado, distribuídos em 353 mil estabelecimentos, o que representa 54,3% dos postos de trabalho.

“Existe uma preocupação a respeito de como os estabelecimentos vão conseguir pagar as suas contas, gerar riquezas, fazer a economia girar. Muitas micro e pequenas empresas não têm estrutura para se manter”, diz Vinícius Carlos.

Neste momento, destaca ele, é importante pensar em alternativas, como muitas empresas já vêm fazendo. Os investimentos em delivery são um exemplo disso, afirma o economista, assim como a utilização do e-commerce.

Medidas – Apesar dos números negativos, Vinícius Carlos avalia que os impactos da pandemia serão minimizados pelas medidas que vêm sendo adotadas pelo Estado e pelo governo federal, como as ligadas à manutenção do emprego e às linhas de financiamento.

No entanto, afirma o economista, caso essa situação perdure por um tempo maior, pode ser necessário estender essas medidas.

Pós-pandemia – Mesmo quando a pandemia do novo coronavírus (Covid-19) acabar, as coisas levarão algum tempo para se normalizar no que diz respeito ao mercado consumidor. Conforme ressalta Vinícius Carlos, por mais que existam medidas que mantêm o poder de compra de parte da população, as pessoas poderão ficar receosas de sair às ruas por um período.

“Quando chegar o momento, será preciso fazer um trabalho com a sociedade, para que ela se sinta confiante novamente”, frisa.

Consumo de bens industriais recua no País

Rio de Janeiro – O Indicador de Consumo Aparente de Bens Industriais caiu 1% em fevereiro deste ano, na comparação com janeiro, na série com ajuste sazonal. O dado mede a produção industrial interna não exportada, acrescida das importações, e foi divulgado ontem pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Na comparação anual, com fevereiro de 2019, o indicador subiu 1,2%. Em janeiro, o indicador tinha registrado alta de 11,1% e fechou o trimestre móvel encerrado em fevereiro com recuo de 3,4%. O acumulado de 12 meses teve ligeira queda no consumo aparente, de 0,1%, e a produção industrial, medida pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), acumulou baixa de 1,2%.

Segundo o Ipea, entre os componentes do consumo aparente, houve retração de 1,4% na demanda interna por bens industriais nacionais e avanço de 0,2% nas importações. Fevereiro registrou alta de 6,2% no consumo aparente de bens de capital e de 1,1% nos bens de consumo duráveis, enquanto os bens intermediários tiveram queda de 1%.

Por classes de produção, houve leve alta de 0,4% na demanda interna por bens da indústria de transformação. A indústria extrativa mineral recuou 12,1%, depois do avanço de 28,3% registrado em janeiro. Dos 22 segmentos da indústria de transformação, dez subiram no período, com destaque para máquinas e equipamentos, que cresceu 9,8% em fevereiro. (ABr)

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

VEJA TAMBÉM

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!

FIQUE POR DENTRO DE TUDO !

Não saia antes de se cadastrar e receber nosso conteúdo por e-mail diariamente