COTAÇÃO DE 26/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5720

VENDA: R$5,5730

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,5900

VENDA: R$5,7230

EURO

COMPRA: R$6,4654

VENDA: R$6,4683

OURO NY

U$1.793,01

OURO BM&F (g)

R$321,20 (g)

BOVESPA

-2,11

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia Movimento Minas 2032

Projeto Biomas Tropicais aborda segurança alimentar e bioeconomia como o futuro das pesquisas

COMPARTILHE

Projeto Biomas Tropicais - Cerrado
Cerrado | Crédito: Rosário Xavier/Pixabay

Cerca de 61% de todo o território do Brasil possui vegetação nativa preservada distribuída entre unidades de conservação, reserva legal, propriedades rurais e áreas indígenas. Os dados são do Instituto Fórum do Futuro, pelo Projeto Biomas Tropicais, que visa aliar ações de proteção ao meio ambiente e boa gestão de agricultura.

Avaliar impactos de áreas ocupadas e criar alternativas para o manejo da atividade agrícola são alguns dos focos do Projeto Biomas Tropicais.

Mas o que são Biomas tropicais?  

PUBLICIDADE

Quando falamos em biomas brasileiros, o primeiro a ser lembrado é o Amazônico. Porém, outros quatro fazem parte do território nacional: o Cerrado, com 5% da biodiversidade de todo o planeta; a Mata Atlântica, que ocupa 15% do território nacional, e a Caatinga, os Pampas e o Pantanal. Cada um tem características próprias e ações de preservação e ocupação diferenciadas.

Proteger as áreas florestais e identificar como manejar os recursos nas regiões ocupadas ou, ainda, nas zonas degradadas é de interesse público e, particularmente, foco de pesquisas científicas no país e no mundo.

O que é o Projeto Biomas Tropicais?

De acordo com os dados do Instituto Fórum do Futuro, o Projeto Biomas Tropicais tem o objetivo de realizar pesquisas nos Biomas do país para a gestão de uma agricultura tropical efetivamente sustentável para os próximos anos

A partir dessas informações, e por meio de aproximações sucessivas, pretende-se aferir e localizar as condições favoráveis de clima de negócios situados na cadeia de valor da oferta alimentar, abordando o desenvolvimento e adoção de sistemas produtivos inovadores, sustentáveis e competitivos no âmbito da bioeconomia.

A bioeconomia sustentável é uma das peças fundamentais do projeto.  Em maio deste ano, o instituto lançou internacionalmente o Pacto Global Alimentar, que visa discutir a respeito da segurança alimentar mundial e a necessidade de assegurar a produção para os próximos anos, de forma sustentável, com o apoio fundamental da ciência e da tecnologia. 

Para o presidente do Fórum do Futuro, o ex-ministro da Agricultura e Pecuária, Alysson Paolinelli, a democratização da oferta alimentar por meio do preço é um desafio tecnológico, educacional e cultural.

“Depende da ciência, mas muito mais de políticas públicas e privadas que atuem no gargalo que hoje condena os povos tropicais ao subdesenvolvimento”, ressalta.

O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), que é um dos apoiadores do projeto, destaca a importância da sustentabilidade em suas diversas vertentes para o desenvolvimento.

“Ninguém hoje fala de desenvolvimento se não houver sustentabilidade, sobretudo na produção agrícola e nos encadeamentos produtivos”, declara o presidente do Sebrae, Carlos Melles.

Ciência e Sociedade

Em junho deste ano, o Instituto Fórum do Futuro com o apoio do Sebrae Minas realizaram um seminário internacional com o projeto “Biomas Tropicais”, com o tema “Desafios da Ciência em um Novo Pacto Global do Alimento – Como Transitar de uma Economia Industrial para uma Bioeconomia Tropical do Conhecimento?”.

Ao debater os principais avanços alcançados pela ciência e as tendências que conduzem ao cenário econômico, social e ambiental de 2040, o seminário discutiu as agendas de combate à fome, de melhoria da qualidade dos alimentos, do enfrentamento ao aquecimento global e da promoção da inclusão social e tecnológica dos povos tropicais.

O gerente de competitividade do Sebrae, Cesar Rissete, conta que é preciso investir em ciência e desenvolvimento sustentável para ampliar a questão dos serviços prestados à sociedade.

“O conhecimento que aterrissa gera mais riqueza, mais condições de empregabilidade para as pessoas e maior produtividade. No contexto das iniciativas do Sebrae, vemos que os produtores têm a necessidade de aplicar o conhecimento conectado às tendências de mercado”.

Para o ex-ministro da Agricultura e presidente do Fórum do Futuro, Alysson Paolinelli, torna-se indispensável vencer algumas etapas para que haja oportunidade para todos.

“Ainda temos no Brasil algumas propriedades que são extrativas, com agricultura de subsistência parcial. Elas não conseguem alimentar nem a família como prioridade, com renda muito baixa. Precisamos estabelecer a possibilidade de inclusão no segmento, que é tão grande no país. É uma grande tarefa”, disse.

De acordo com Paolinelli, é essencial apostar em políticas públicas para que o panorama seja favorável.

“Estamos colocando a ciência em primeiro lugar e verificando os limites de uso do solo, no caso, do Cerrado, que tivemos resultados positivos de recuperação para a produção agrícola. Dessa forma, conseguimos métodos de produção de uso sustentável. A outra parte é garantir a segurança alimentar e ao mesmo tempo preservar os recursos naturais”.

Paolinelli destaca ainda que o Cerrado mostra-se como um bioma de boa recuperação da terra. “ O Cerrado tem uma boa recuperação no terreno entre as produções. Isso foi mostrado pela ciência e a tecnologia. É um grande diferencial porque somos os maiores exportadores de alimentos. Isso faz com que o Brasil possa crescer em oferta de alimentos e questão de sustentabilidade”, complementa.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!