Crédito: Divulgação

Os secretários de Estado de Governo de Minas Gerais, Bilac Pinto, e da Fazenda, Gustavo Barbosa, se reuniram, ontem, com a diretoria da Associação Comercial e Empresarial de Minas (ACMinas) em busca de apoio para  o plano de recuperação fiscal do Estado. De acordo com o secretário de Fazenda, Gustavo Barbosa, o encontro foi importante para discutir os problemas enfrentados em Minas Gerais e buscar apoio para as ações do governo estadual.

“Durante o encontro, os representante da ACMinas se dispuseram a discutir os problemas de Minas no sentido de apoiar a recuperação do Estado e as diretrizes que estamos dando no sentido da recuperação fiscal de Minas. Hoje discutimos como o Estado está e quais as ações que estamos buscando para recuperá-lo e a ACMinas está apoiando esse processo”.

Em relação ao desempenho do governo em 2019, Barbosa ressaltou que, apesar das dificuldades financeiras, houve importantes avanços em relação aos serviços prestados pelo Estado.

“Acho que dentro do cenário que o Estado se apresentava, de caos financeiro, o que continua, a gente conseguiu dar uma organizada e criar perspectivas de organização e de serviço. Dentro do possível, o Estado melhorou os serviços. O índice de criminalidade caiu a patamares nunca alcançados. A saúde, ainda não é a ideal, mas está voltando a ter um serviço um pouco melhor. Na educação estamos abrindo mais vagas para ensino integral. Estamos, dentro das limitações, tentando fazer o máximo possível”.

Barbosa destacou também que o governo está se esforçando para quitar o 13º salário de todo o funcionalismo estadual. O governo já anunciou o pagamento do benefício para os funcionários da segurança pública, o que desagradou os demais setores.

O presidente da Associação Comercial e Empresarial de Minas (ACMinas), Aguinaldo Diniz Filho, destacou que o governo vem se empenhando para resolver os gargalos enfrentados no Estado. Segundo ele, Minas Gerais enfrenta um cenário econômico e financeiro muito difícil.

“A preocupação do governo é resolver os problemas, atender a parte social e tem uma grande preocupação com os salários, que preocupa a todos nós. Durante a reunião, senti nas palavras dos secretários um empenho brutal para resolver os problemas. Acreditamos, como ACMinas, que vamos chegar a um caminho cada vez melhor. É inadmissível o atraso dos salários e do 13º, mas como eles colocaram, é preciso de um esforço para resolver os problemas”.