COTAÇÃO DE 21/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6670'

VENDA: R$5,6680

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6800

VENDA: R$5,8270

EURO

COMPRA: R$6,5669

VENDA: R$6,5699

OURO NY

U$1.783,12

OURO BM&F (g)

R$323,30 (g)

BOVESPA

-2,75

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Setor de serviços registra crescimento

COMPARTILHE

São Paulo – O crescimento do setor de serviços do Brasil terminou 2018 na máxima de dez meses com a aceleração dos novos trabalhos, em meio a um forte grau de otimismo diante da mudança de governo, apontou na sexta-feira (4) a pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês).
O IHS Markit informou que o PMI de serviços brasileiro avançou a 51,9 em dezembro de 51,3 em novembro, indicando taxa mais forte de expansão dos novos negócios.

“A última leitura do PMI oferece alguma garantia de que tem havido uma melhora contínua na economia de serviços ao entrar em 2019. As empresas reportaram que a mudança no governo deve sustentar o crescimento, aumentar os investimentos e continuar a melhorar a confiança do consumidor”, apontou em nota a economista do IHS Markit Pollyanna Lima.

PUBLICIDADE

Em meio ao fortalecimento da demanda, conquista de novos clientes e a oferta de serviços adicionais, o crescimento das vendas acelerou para a taxa mais forte desde março, apontou o IHS Markit.

O aumento foi disseminado entre todos os cinco subsetores monitorados, liderado por Informação e Comunicação.

Entretanto, dezembro indicou declínio nos novos trabalhos provenientes do exterior, após novembro ter registrado aumento pela primeira vez em 44 meses, embora o ritmo de contração tenha sido marginal.

Ainda assim, o emprego no setor de serviços brasileiro diminuiu pelo segundo mês seguido, com as empresas ainda citando esforços de redução de custos como o principal motivo.

Em relação aos preços, os custos de insumos subiram novamente no último mês do ano, mas a taxa de inflação caiu para o nível mais fraco em 2018. Assim, os preços de venda tiveram alta apenas marginal, no nível mais fraco em sete meses.

O ano terminou ainda com forte otimismo entre os fornecedores de serviços brasileiros. Além da mudança de governo, novos projetos, melhora da confiança do consumidor e intenções de investimentos devem impulsionar a atividade de negócios em 2019. Em dezembro, o nível de sentimento positivo foi o terceiro mais alto desde setembro de 2017.

A indústria do Brasil também registrou em dezembro recuperação da demanda doméstica, e assim o PMI Composto do país foi à máxima de dez meses de 52,4, de 51,6 em novembro.

“É provável que a economia do Brasil dê um passo à frente significativo no curto prazo. Os brasileiros esperam que essa alta no crescimento se traduza em aumentos significativos e sustentados nos empregos no ano à frente”, ressaltou Pollyanna. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!