COTAÇÃO DE 04/05/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,4300

VENDA: R$5,4310

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,4170

VENDA: R$5,5930

EURO

COMPRA: R$6,5464

VENDA: R$6,5493

OURO NY

U$1.779,24

OURO BM&F (g)

R$311,42 (g)

BOVESPA

-1,26

POUPANÇA

0,1590%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Siderúrgicas do País preparam novo reajuste no preço do aço

COMPARTILHE

Último aumento no valor do aço foi anunciado em abril - Crédito: Marcelo Coelho/Divulgação

A valorização do dólar frente ao real e a alta do preço do minério de ferro no mercado internacional, que, nos últimos dias, ultrapassou a casa dos US$ 100 a tonelada – maior nível desde 2014 – já faz as siderúrgicas prepararem novo aumento do preço do aço no mercado brasileiro. A Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) deve ser a primeira a reajustar o produto, na ordem de 10%.

A informação é do presidente do Instituto Nacional da Distribuição de Aço (Inda), Carlos Loureiro, e, segundo ele, deverá ocorrer no início de junho. No mesmo compasso, as demais siderúrgicas deverão acompanhar o movimento e aumentar seus preços em seguida, talvez em julho.

PUBLICIDADE

“O último aumento ocorreu em abril, quando tivemos um aumento médio entre 10% e 15%, elevando, inclusive, o prêmio das siderúrgicas. No entanto, o novo cenário, com aumento do dólar e da cotação dos insumos básicos como minério de ferro e o carvão mineral, levou a uma necessidade de aumento”, explicou.

Procurada, a CSN não respondeu os questionamentos da reportagem sobre o reajuste. Ao que consta, a empresa estaria informando aos clientes do setor de distribuição e industrial aumento entre 10% e 12% a partir do mês que vem. Na teleconferência de resultados do primeiro trimestre, o presidente da companhia, Benjamin Steinbruch, chegou a comentar sobre a decisão, dizendo que havia espaço para recuperação de preços.

“O espaço para aumento, em busca de um preço mais competitivo, ocorre principalmente em função da necessidade da importação de placas. O que, no caso da Usiminas (Usinas Siderúrgicas de Minas Gerais), é feito desde o fechamento das linhas primárias de Cubatão (SP), e agora na CSN por causa da reforma do alto-forno, prevista para ocorrer entre junho e agosto”, comentou o presidente do Inda.

Desempenho – Sobre o desempenho do setor em abril, o presidente do Inda informou que os resultados negativos já eram esperados, mas que foram ainda mais intensos. No entanto, ele ponderou que, ao observar o acumulado do ano, o setor ainda apresenta crescimento superior ao consumo aparente.

Segundo balanço da entidade, tanto as compras quanto as vendas tiveram desempenho negativo no mês passado em relação a março. No caso das compras, houve queda de 17,2% perante o mês anterior, com volume total de 226,3 mil toneladas. Já as vendas atingiram o montante de 266 mil toneladas, resultado 15% menor na mesma base de comparação. Na comparação com abril do ano passado, houve baixa de 14,2% nas vendas e alta de 18,1% nas compras.

Com este movimento, os estoques sofreram queda de 4,6% no quarto mês de 2019 em relação ao mês anterior e atingiram o montante de 814,1 mil toneladas. Assim, o giro dos estoques subiu, fechando em 3,1 meses.

Além disso, as importações encerraram o mês com queda de 25,9% em relação a março, com volume total de 91,1 mil toneladas. Comparando-se ao mesmo mês do ano anterior (97,7 mil toneladas), as importações registraram queda de 6,8%.

Por fim, a expectativa da rede associada é de que compra e venda apresentem queda de aproximadamente 5%.

Estoque segue elevado mesmo com produção estável

DA REDAÇÃO

Mesmo com a produção industrial praticamente estável em abril, houve estoques em excesso pelo terceiro mês consecutivo. Conforme pesquisa Sondagem Industrial divulgada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) ontem, o índice de produção registrou 49,6 pontos e o índice de estoque em relação ao usual assinalou 51,3 pontos no mês passado. Os indicadores variam de zero a cem. Valores abaixo de 50 pontos indicam queda na produção e dos estoques frente ao mês anterior. Quando está acima dos 50 pontos, sinaliza crescimento.
A indústria continua com ociosidade elevada. Desde janeiro, o setor opera, em média, com 66% da capacidade instalada. O índice de utilização de capacidade instalada em relação ao usual para o mês, embora 1,4 ponto acima do registrado em março, ficou em 42,4 pontos em abril, ainda distante da linha dos 50 pontos. A fraca atividade industrial fez com que houvesse redução de postos de trabalho no mês passado. O índice de evolução do número de empregados ficou em 48,8 pontos, também abaixo dos 50 pontos.
De acordo com o economista da CNI Marcelo Azevedo, a combinação de fraca produção industrial com acúmulo de estoques faz com que as empresas priorizem a venda dos produtos estocados antes de planejar o aumento da produção. “Se continuar esse cenário, a tendência é que se reduza a atividade industrial”, completa.

Expectativas – Segundo a pesquisa, houve queda de todos os indicadores de expectativas e a mais expressiva foi em relação à demanda, cujo indicador caiu 2 pontos frente a abril, e atingiu 56,8 pontos neste mês. Apesar da retração, os valores continuam acima de 50 pontos, o que sinaliza otimismo.

“O otimismo ainda é bem elevado, apesar da fraca atividade. Houve um crescimento significativo desses indicadores e, agora, estamos passando por uma reavaliação das expectativas”, destaca Azevedo.

Para se reverter o quadro no curto prazo, conforme Azevedo, é necessário recuperar a demanda. “Isso pode ocorrer de duas formas: pelo estímulo ao consumo ou por meio de reformas que aumentem a competitividade”.

O índice de expectativa para a quantidade exportada caiu de 54,1 pontos, em abril, para 53 pontos em maio. Já o indicador de perspectivas para compras de matéria-prima teve retração de 56,1 pontos para 54,6 pontos e o de número de empregados foi de 51,7 pontos para 51 pontos no período. A intenção de investimentos também caiu pelo terceiro mês consecutivo e atingiu 52,5 pontos em maio.

A pesquisa foi realizada com 1.911 empresas, sendo 781 pequenas, 668 médias e 462 grandes. Os dados foram coletados entre 2 e 13 de maio de 2019. (Com informações da CNI).

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!