COTAÇÃO DE 18/06/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,0680

VENDA: R$5,0690

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,0370

VENDA: R$5,2330

EURO

COMPRA: R$5,9716

VENDA: R$5,9733

OURO NY

U$1.764,31

OURO BM&F (g)

R$286,98 (g)

BOVESPA

+0,27

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia Economia-destaque

Vendas de veículos em Minas e BH crescem acima de 40% em julho

COMPARTILHE

Crédito: Charles Silva Duarte / Arquivo DC

Apesar de ainda acumular perdas no ano, o mercado de veículos em Minas Gerais e na capital mineira viu os seus números aumentarem em julho em relação a junho. No Estado, nessa base de comparação, o crescimento foi de 42,53%, com 32.663 vendas. Já em Belo Horizonte, foi apresentada uma expansão de 45,56%, com 16.212 comercializações.

Os dados foram divulgados pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) e revelam uma tendência que já havia sido apresentada no mês passado: a de incremento, após perdas consistentes ocasionadas pelos reflexos da pandemia do Covid-19.

PUBLICIDADE

Já de janeiro a julho, Minas Gerais apresenta perdas de 41,04% em relação ao mesmo período do ano passado, com 237.191 vendas no acumulado de 2020 contra 402.274 no acumulado de 2019. Em Belo Horizonte, utilizando a mesma base de comparação, os dados da Fenabrave revelam queda de 48,98%, com 140.021 vendas contra 274.450.

Os números também permanecem negativos quando se observa julho deste ano e igual mês de 2019. Minas Gerais registrou um recuo de 45,52%, já que no sétimo mês do ano passado foram realizadas 59.954 vendas. Já em Belo Horizonte, a queda foi de 59,39%, com 39.920 vendas em julho de 2019.

Segmentos – Em relação ao crescimento apresentado em julho na comparação com junho, os dados mostram que o segmento de moto ajudou a puxar os números para cima em Minas Gerais. A expansão foi de 65,61%, com 6.636 comercializações.

Porém, os números ainda são negativos para o segmento de motos em julho deste ano em relação a igual período de 2019. Nesse caso, o recuo foi de 11,65%. Já no acumulado do ano, a queda foi de 22,56%, com 40.959 comercializações neste ano contra 52.889 em 2019.

Logo depois das motos, o segmento mais representativo no Estado em julho em relação a junho foi o de comercial leve (44,37% e 4.838 vendas). Depois vêm automóveis (40,63% e 17.478 vendas), outros (27,90% e 1.829 vendas), caminhão (13,48% e 1.111 vendas) e implemento rodoviário (10,84% e 552 vendas). Já do lado da queda ficaram os ônibus, com retração de 2,23% e 219 vendas.

Belo Horizonte – Na capital mineira, por sua vez, o maior crescimento de julho em comparação a junho foi o do implemento rodoviário, com um expressivo avanço de 366,67% e 28 comercializações.

A categoria, aliás, apresentou crescimentos nas demais bases de comparação. A expansão foi de 7,69% em julho em relação ao mesmo período do ano passado e de 145,67% no acumulado do ano, com 312 comercializações em 2020 contra 127 em 2019.

O comercial leve ocupou a segunda posição, com um incremento de 52,08% e 2.853 comercializações. Logo após vêm automóveis (47,69% e 11.967 vendas), outros (34,72% e 97 vendas) e moto (28,25% e 1.085 vendas).

No entanto, dois segmentos apresentaram recuo no período em Belo Horizonte. O maior deles foi verificado no de ônibus, com uma retração de 34,48% e 38 vendas. A outra queda foi registrada no segmento de caminhão (-18,64% e 144 vendas).

No País, licenciamentos também têm avanço expressivo

São Paulo – Os licenciamentos de carros, comerciais leves, caminhões e ônibus no Brasil em julho subiram 31,4% na comparação com junho, impulsionados por reabertura de concessionárias e mais dias de comercialização, afirmou a associação de distribuidores, Fenabrave.

Os emplacamentos somaram 174.498 unidades, uma queda de 28,4% na comparação com julho de 2019, disse a entidade ontem.

A Fenabrave estimou queda de 36,4% nas vendas de veículos novos este ano, excluindo motocicletas e implementos rodoviários, para 1,77 milhão de unidades. A previsão marca uma reversão na expectativa anterior à epidemia de Covid-19, de que haveria crescimento do mercado de cerca de 10% este ano.

Em julho, o segmento de motocicletas, que costuma ser mais sensível a crises, registrou alta de 85,6% nos licenciamentos ante junho, emplacando 85.166 veículos, impulsionado ainda pelo crescimento na demanda do comércio eletrônico que tem ganhado impulso com o isolamento social. Em comparação com um ano antes, porém, o segmento mostra queda de 5,4%.

No segmento de caminhões, as vendas de julho mostraram alta de 8,7% sobre junho e uma surpreendente expansão na comparação anual de 5,8%. O segmento junto com implementos rodoviários foram os únicos a conseguir elevar os emplacamentos ante julho de 2019 e são os que apresentam ainda as menores quedas no acumulado do ano.

Segundo a Fenabrave, a demanda tem sido motivada por clientes interessados em modelos pesados e extra-pesados para transporte de grãos e outros produtos, assim como modelos urbanos para trafegar pelas cidades durante a pandemia. Para o presidente da entidade, Alarico Assumpção Júnior, se as montadoras não tivessem parado a produção entre março e abril, as vendas de caminhões poderiam ter sido até maiores.

“Essa queda (nas vendas de caminhões no acumulado) se deve, na verdade, à redução na produção das montadoras que, se estivesse normalizada, poderia atender à demanda que temos tido. Hoje, já temos pedidos para outubro”, disse o presidente da Fenabrave em comunicado à imprensa.

As vendas de caminhões de janeiro a julho somaram 47.148 unidades, baixa de 15,6% sobre o mesmo período de 2019, segundo os dados da Fenabrave. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!