COTAÇÃO DE 26/11/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5950

VENDA: R$5,5960

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6300

VENDA: R$5,7570

EURO

COMPRA: R$6,3210

VENDA: R$6,3222

OURO NY

U$1.792,60

OURO BM&F (g)

R$322,88 (g)

BOVESPA

-3,39

POUPANÇA

0,4620%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Especial exclusivo

CHUVAS | CDL/BH anuncia série de ações para amenizar impactos

COMPARTILHE

CDL/BH anuncia série de ações
Crédito: Charles Silva Duarte/Arquivo DC

Embora ainda não seja possível estimar os prejuízos financeiros causados pelas fortes chuvas que atingem Minas Gerais desde a última semana, além de 55 vidas perdidas e milhares de desalojados, é crítica também a situação de estabelecimentos industriais e comerciais Estado afora. Em Belo Horizonte, janeiro já registrou a maior chuva em 110 anos de medição para o mês, e centenas de empresas foram afetadas pelo alto índice pluviométrico e a falta de infraestrutura urbana adequada para escoamento da água.

Em vistas de amenizar os impactos e auxiliar os empresários da capital mineira na recuperação dos negócios, a Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH) divulgou uma série de ações em parceria com o governo do Estado, instituições financeiras e outras entidades. A começar pela negociação de linhas de crédito para aqueles que tiveram algum prejuízo com as fortes chuvas que atingiram a cidade nos últimos dias.

PUBLICIDADE

Conforme o presidente da CDL-BH, Marcelo de Souza e Silva, a entidade busca também isenção de impostos para estabelecimentos afetados pelas tempestades, já que alagamentos e invasão de água em lojas e outros negócios e até desmoronamentos em alguns locais.

“É preciso considerar ainda as vias públicas. O comércio de rua, como o próprio nome diz, precisa da infraestrutura urbana para se manter. Os estragos causados na noite do dia 28 de janeiro têm prejudicado também os estabelecimentos menos afetados, pois o consumidor não consegue chegar”, salientou.

Sobre as linhas de crédito, Silva disse que após se reunir com representantes do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG), Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil foram discutidas linhas de financiamento a juros compatíveis com a situação. Segundo ele, os bancos já têm crédito para capital de giro e maquinário. A ideia é que haja um atendimento preferencial e que cada caso seja estudado.

“A intenção da CDL é atuar como facilitador para os empresários e ajudá-los na parte burocrática. Para isso, contaremos ainda com o apoio do Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) para fazer uma espécie de triagem e orientação, podendo até ajudar os empresários nas negociações com as instituições financeiras, inclusive, em caso de renegociação de dívidas”, explicou.

Além disso, o dirigente lembrou que os empresários poderão recorrer ao perdão do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), cobrado pela prefeitura, dos comerciantes e lojistas que foram atingidos, de acordo com as normas estipuladas pela Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) e Defesa Civil.

E, em conversa com o governador Romeu Zema (Novo), conseguiu a prorrogação da cobrança do Imposto sobre a Circulação e Prestação de Mercadoria e Serviços (ICMS) em alguns casos – já que para as empresas que recolhem pelo Simples, a composição é diferente.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!