Decisão por sucessão está alinhada com a estratégia do Diário do Comércio de reforçar seu posicionamento - CREDITO: CHARLES SILVA DUARTE

O Diário do Comércio chega aos 87 anos celebrando o passado, desbravando o presente e planejando o futuro.

Fruto da perspicácia do jornalista e fundador do então Informador Comercial, José Costa, o veículo atravessou diferentes cenários históricos e econômicos nas últimas décadas e, em 2019, se propõe a novas transformações.

Com iniciativas que vão além do campo da informação e se ancoram na transformação digital, o jornal amplia o horizonte, firma novas parcerias para a construção colaborativa do jornalismo e renova sua gestão.

Diante do contexto econômico de profundas e rápidas mudanças, a empresa familiar, fundada em 18 de outubro de 1932, reafirma o espírito que norteava a primeira geração, de não apenas prestar serviços, mas conectar agentes econômicos e promover o desenvolvimento.

Por isso, neste momento, se posiciona como veículo que horizontaliza e articula as discussões necessárias para a retomada do desenvolvimento e protagonismo de Minas Gerais.

A começar por um amplo projeto de governança, no qual a jornalista Adriana Muls, representante da terceira geração da família, assume a presidência do jornal, acumulando ainda o posto de diretora Editorial e de Operações.

Adriana Muls, com experiência em grandes empresas do mercado, sempre atuando na área da comunicação e gestão de crise, já vem trabalhando no Diário do Comércio com o diretor Executivo e de Mercado, Yvan Muls, em novas frentes de produção de conteúdo e de entrega de valor e, desde o início do ano de 2019, ocupa o cargo de diretora Editorial.

“Este é um momento de grandes desafios e profundas mudanças. Como todos os setores, a comunicação também precisa se reinventar e o Diário do Comércio não é exceção. Precisamos identificar novos modelos de negócios que fujam do tradicional e aproveitem as possibilidades que as novas tecnologias oferecem, entregando conteúdo de alta qualidade a mais pessoas, por meio de diferentes ferramentas e plataformas”, explica a nova presidente.

Para Adriana Muls, a trajetória e o know-how do veículo serão fundamentais neste processo de renovação, que contará cada vez mais com a participação de atores externos, em uma construção conjunta e participativa.

Segundo ela, o Diário do Comércio tem o privilégio de ser especializado, sendo o único veículo de gestão e negócios do Estado, estando muito próximo dos agentes econômicos e da área de conhecimento.

“Isso é um ativo, um diferencial que permite com que o jornal esteja próximo da informação e do conhecimento necessário para que atue como transformador do ambiente de negócios e contribua em momentos de grandes complexidades, como o que vivemos”, comenta.

A escolha pela sucessão está alinhada com a estratégia de reforçar o posicionamento do Diário do Comércio em fazer um jornalismo propositivo, colaborativo, conectando a sociedade à indústria, ao comércio, aos serviços, com foco no mercado, fomentador de um círculo virtuoso de informação, conhecimento e ação. Com a instalação das boas práticas de governança corporativa, Adriana Muls deixará o Conselho Consultivo para se dedicar exclusivamente à sua nova função.

Breve currículo – Adriana Costa Muls é jornalista, formada pela PUC Minas em 1995, com pós-graduação em Marketing pela FGV e especialista em comunicação para gestão de crise. Trabalhou em diversas áreas da comunicação, como produção de conteúdo, assessoria de imprensa, comunicação empresarial, marketing e publicidade.

Atuou em grandes empresas, como Usiminas, Alcan / Novelis e Votorantim Metais e em projetos de grande complexidade, como a implantação da Usina Hidrelétrica de Candonga – que tinha como empreendedores a Vale e Alcam – e de gestão de crise. Foi uma das idealizadoras do Prêmio José Costa, coordena o Movimento Minas 2032, organizado pelo Diário do Comércio, e é associada do Instituto Movimento Pela Felicidade.

Luiz Carlos deixa o cargo com o sentimento de dever cumprido

Luiz Carlos Motta Costa deixa o cargo de presidente do jornal para assumir a presidência do Conselho Consultivo da empresa. Depois de 21 anos à frente do Diário do Comércio, onde atua desde 1965, o jornalista e filho do fundador do jornal, José Costa, cita, emocionado, sua trajetória na empresa.

“Comecei como office-boy e, inicialmente, deslumbrava uma carreira na administração. Mais tarde, percebi que minha vocação era o jornalismo. E, neste campo, percorri todo o caminho, atuando como repórter, redator, editor, chefe de redação, diretor de redação até chegar à presidência, em 18 de outubro de 1998”, diz.

Sobre a sucessão, o jornalista revela o sentimento de gratidão e dever cumprido à frente da gestão da empresa. “Somos uma família e se tivesse qualquer desentendimento eu ficaria triste. Mas tudo foi feito de forma harmônica e honesta, a partir de uma necessidade identificada e chancelada por nossos consultores e acionistas. Após 21 anos nesta função, não vi de tudo, mas vi muita coisa que contribuiu para um certo ceticismo. Daí também a necessidade da renovação”, admite.

Luiz Carlos Costa acredita ainda que serão dois os grandes desafios da nova presidente: o contexto econômico e a transição digital. Contextos estes, segundo ele, que se embolam e confundem o mercado.

“Meu pai dizia que viu momentos de altos e baixos na economia e que se tivesse acreditado em tudo, não teria feito nada do que fez como fundar o jornal. Penso como ele. E sobre o jornalismo, alguns dizem que está acabando, mas, na minha visão, ele está apenas começando. Neste mundo digital, em que qualquer um entrega o que quer, produzir notícia de qualidade, que é o que fazemos, é um grande diferencial”, destaca.

A partir de hoje, ele assume a presidência do Conselho Consultivo do Diário do Comércio, mantendo as atribuições relacionadas à produção do Editorial e Institucional do jornal.

Direção executiva – Yvan Muls segue à frente da diretoria Executiva e de Mercado do Diário do Comércio, com o propósito de desenvolver novos negócios e inserir a empresa no ambiente digital, preservando os valores e propósitos de José Costa. Segundo ele, o objetivo é ampliar o foco junto ao mercado, em busca de demandas, necessidades e potencialidades em que o jornal possa contribuir.

“Que o Diário do Comércio possa exercer seu papel no desenvolvimento, formação e orientação, principalmente neste contexto econômico de transformações. Vamos estar lado a lado com empresas, entidades, instituições e administração pública, buscando melhores práticas e soluções”, afirma.

Conforme Yvan Muls, as transformações propostas visam à sustentabilidade do negócio, a partir da visão de necessidade de mudanças. Para isso, ele garante que, dentro da linha de novos negócios e produtos, o jornal avançará no campo digital, não apenas na plataforma, mas na produção e entrega de conteúdo especializado, voltado para o ambiente de negócios e em sintonia com o que o mercado busca e almeja.

Pela presidência do jornal passaram: José Costa – fundador (1932 – 1994), Marcílio Gonçalves (1994 a 1998), José Motta Costa (1998) e Luiz Carlos Motta Costa (1998 a 2019).