COTAÇÃO DE 05/03/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6825

VENDA: R$5,6835

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6670

VENDA: R$5,8430

EURO

COMPRA: R$6,7719

VENDA: R$6,7732

OURO NY

U$1.698,69

OURO BM&F (g)

R$310,22 (g)

BOVESPA

+2,23

POUPANÇA

0,1159%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Gestão

Empresa que não seguir o ESG pode perder investimentos

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Crédito: Pixabay
Crédito: Pixabay

Conceito relativamente novo no Brasil, o “ESG” é, agora, um dos assuntos mais importantes do setor corporativo e está revolucionando o mundo dos investimentos. Sigla para Enviromental, Social and Governance, o termo compreende um conjunto de ações que empresas devem tomar sobre meio ambiente, sociedade e governança corporativa para serem consideradas responsáveis e preocupadas com as questões sócio-sustentáveis que permeiam a atualidade. 

De acordo com o agente de inovação da Troposlab, empresa especializada em inovação, Lucas Ferreira, o movimento para trazer essa economia social e sustentável está vindo em ondas e várias corporações têm se tornado menos interessantes para investimento estrangeiro por não atenderem pautas vinculadas ao ESG. “Muitas instituições estão começando a se reestruturarem não porque querem, mas porque estão perdendo fundo de investimentos. A tendência é que o mercado financeiro no Brasil se modifique para atender a pauta do ESG, já que no momento a bolsa de valores está revendo os seus indicadores a fim de identificar e valorizar as organizações que estejam seguindo a agenda sustentável”, disse.

PUBLICIDADE

Recentemente, os fundos de investimentos com base no ESG chegaram a uma marca histórica de US$ 1 trilhão de patrimônio no mundo, com crescimento de 25% no segundo trimestre de 2020, com a Europa e os EUA representando os maiores mercados, possuindo uma concentração de aproximadamente US$ 870 bilhões e US$ 158 bilhões, respectivamente. 

Em paralelo, as pequenas e médias empresas brasileiras já atendem as pautas do ESG, porém não têm visibilidade por não causarem tanto impacto quanto as grandes empresas e indústrias. Ainda assim, elas fazem uma grande diferença no País, gerando renda de 70% dos brasileiros, dentre as iniciativas privadas, de acordo com o Sebrae. Segundo o agente, a relação mais próxima das PMEs com a sociedade ajuda a evidenciar o quanto elas já seguem essa agenda, muito mais do que é exigido de grandes negócios. O impacto que a agricultura familiar tem dentro do Brasil, por exemplo, acaba sendo maior que de grandes produtores. 

“As PMEs têm desafios diferentes: criar um empreendimento do zero, tornar ele um negócio de impacto e ser sustentável financeiramente. Já as grandes corporações precisam sair da inércia e mover toda a organização, que é burocrática e complexa, para trabalhar pautas que nunca foram discutidas em séculos. Muitas vezes são os próprios funcionários que formam grupos internos a fim de debaterem questões sociais e ambientais e posteriormente apresentam para os tomadores de decisões”, afirmou. 

Além da pressão dos fundos de investimento, a nova geração de consumidores, em especial os millenials, ligados à responsabilidade e ao impacto social, estão obrigando os mercados a firmarem um compromisso e buscarem soluções para um modelo financeiro e produtos mais sustentáveis. Uma pesquisa realizada pela Schroders em 2018 aponta que 52% das pessoas entre 18 e 34 anos apostam em fundos sustentáveis, deixando de lado aqueles que não consideram fatores relacionados a ESG. 

Para Ferreira, o ESG deve ser entendido como um processo, e não como algo binário (sim ou não) ou excludente. Nenhuma empresa no mundo está preparada para atender totalmente essa pauta. A instituição primeiro identifica os níveis que ela já atende dessas práticas e a partir daí vai desenvolvendo. Contudo, mesmo não sendo obrigatório, as corporações que não aderirem ao movimento vão sofrer as consequências no futuro. 

O agente finaliza avisando que apesar do impacto negativo gerado no início da pandemia de Covid-19, os interesses dos investidores por modelos de negócios sustentáveis e resilientes têm aumentado e seguido os padrões de sustentabilidade e governança. “O Brasil segue nessa onda porque os fundos de investimento, o mercado, acabou o empurrando e impulsionando para que também siga nessa agenda. Então, no cenário da pós-pandemia, existe o risco dos níveis de investimento permanecerem baixos caso as instituições não atendam essas expectativas.” 

Marcelo Miranda | Crédito: Divulgação
Marcelo Miranda | Crédito: Divulgação

Feedback é importante para o crescimento da equipe

Início de ano é época de muitas reuniões de feedback. Afinal, ele faz parte do planejamento anual das empresas. Se algo foi ruim no ano que passou, é necessário mostrar à equipe o que deve ser melhorado no ano que está começando.

O feedback é considerado pelos gestores uma das principais ferramentas de avaliação de desempenho. Segundo uma pesquisa da Top Employers Institute, divulgada pela Aberje e realizada com 600 empresas em 99 países, n o Brasil, 100% das empresas consultadas treinam os gerentes para dar aos funcionários feedbacks abertos e construtivos.

“Essa é uma realidade que não mudará, o feedback é importante e precisa ser assertivo”, afirma o conselheiro Associação Brasileira de Recursos Humanos e CEO da Consolis Tecnyconta, Marcelo Miranda.

Mas, apesar de ser entendimento para a maior parte dos gestores, muitos não sabem como dar um feedback da forma mais eficiente. Além disso, esses retornos e avaliações, no geral, devem ser realizados durante todo o ano de forma eficaz. “O feedback de verdade é o que fala, com respeito, o que precisa ser falado, e não o que a pessoa quer ouvir”, diz o executivo.

Desenvolvimento – Para Marcelo, o bom feedback é aquele que, de forma prática, consegue instigar o desenvolvimento. “Gestores não precisam ser populares ou adorados, mas, sim, assumir um papel de desenvolvimento”, defende. “Para isso, devem transmitir mensagens claras, capazes de fazer quem as recebe crescer e melhorar”, orienta.

Personalização – Além disso, o executivo lembra que conhecer a pessoa que irá receber o feedback é fundamental. “Sabendo como ela reage, precisamos encontrar a melhor linguagem e forma de transmitir essa mensagem que deverá promover um processo de reflexão e mudança”, explica. “O feedback nunca deve ser igual para pessoas diferentes”, alerta.

Objetividade – “Para explicar bem o que queremos dizer, devemos apresentar exemplos objetivos e, claro, sempre valorizar pontos positivos”, diz Marcelo. “Uma dica de ouro é: não foque apenas no negativo, nem tome para si o mérito alheio. Reconheça”, orienta.
Respeito – Marcelo lembra que uma das bases da gestão de pessoas é o respeito pela equipe. Após encontrar a linguagem certa para seus colaboradores, o próximo passo é dar o retorno de maneira respeitosa. “Reservadamente, no um por um, nunca em público, pois é ruim e pouco eficiente para todos os lados”, finaliza.

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

VEJA TAMBÉM

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!

FIQUE POR DENTRO DE TUDO !

Não saia antes de se cadastrar e receber nosso conteúdo por e-mail diariamente